Daesh ataca o Irão e Guarda Revolucionária promete vingar-se dos sauditas

Pelo menos 12 pessoas morreram num atentado reivindicado pelo Daesh em dois dos locais mais simbólicos de Teerão. Apontam-se responsabilidades a norte-americanos e sauditas.

Fotogaleria
O Daesh reivindicou a autoria do atentado LUSA/OMID WAHABZADEH
Fotogaleria
O Daesh reivindicou a autoria do atentado LUSA/HOSSEIN MERSADI

O Irão foi alvo, pela primeira vez, de um atentado reivindicado pelo Daesh. Mas, depois de a Arábia Saudita e os seus aliados árabes terem isolado o Qatar, acusando o pequeno emirado de ligações ao terrorismo e a Teerão, responsáveis iranianos acusam sauditas e norte-americanos e prometem retaliação.

Na manhã desta quarta-feira, dois ataques separados, mas concertados, atingiram o Parlamento iraniano e o mausoléu do ayatollah Khomeini em Teerão, provocando pelo menos 12 mortos e 42 feridos.

Quatro atacantes com armas automáticas entraram no Parlamento, no centro da cidade, e abriram fogo. Depois de um tiroteio com as autoridades três deles foram abatidos e a situação foi dada como controlada. Durante a troca de tiros, um dos terroristas fez-se explodir.

PÚBLICO -
Aumentar
PÚBLICO

Momentos depois, chegavam notícias de uma explosão e tiros no mausoléu do ayatollah Khomeini. Dois atacantes abriram fogo no local, que se situa no sul da cidade e a 19 quilómetros do Parlamento, sendo que um deles também se fez explodir. O outro foi morto pelas autoridades.

Os serviços de informação do Irão revelaram que um terceiro ataque foi evitado.

Pouco depois, através do seu órgão de propaganda, o grupo jihadista Daesh reivindicava os ataques, acompanhando o comunicado com um vídeo aparentemente filmado no interior do Parlamento.

A simbologia que costuma acompanhar as acções do Daesh verifica-se também neste caso. O Parlamento é composto por 290 membros, incluindo mulheres e representantes das minorias religiosas, como cristãos ou judeus. O Irão é considerado um país com maior pluralismo do que os seus vizinhos do Médio Oriente, especialmente a Arábia Saudita.

O mausoléu onde se encontram os restos mortais de Ruhollah Khomeini é um dos principais destinos turísticos da cidade e de peregrinos que ali vão celebrar o líder da revolução iraniana que criou a República Islâmica, com ayatollahs como guardiões do regime.

Os atentados são acontecimentos raros em Teerão, uma cidade fortemente protegida, principalmente nos centros políticos e turísticos. A segurança foi mesmo reforçada neste período em que se celebra o Ramadão, o mês sagrado do Islão. O último ataque em larga escala no Irão ocorreu em 2010 na cidade de Zahedan, onde um bombista suicida matou 39 pessoas.

Coincidindo com a perda de território nos dois principais bastiões do seu autoproclamado "califado", o Iraque e a Síria, a Europa tem sido o principal alvo do Daesh, tendo aumentado a vaga de atentados com o carimbo jihadista. Ao transportar a violência para o Irão, o grupo extremista islâmico consegue concretizar um dos objectivos que há muito procurava.

Seguidores de uma linha ultra-radical da lei islâmica, e do sunismo, os militantes do Daesh encaram os xiitas como hereges, tornando-os num dos seus principais alvos. O Irão é o país com maior representação xiita (80% da população). Além disso, as forças iranianas têm apoiado o regime do Presidente Bashar al-Assad na Síria, que enfrenta, entre outros grupos, o Daesh.

Em Março, o Daesh divulgou um vídeo onde pedia aos membros da minoria sunita do Irão que atacassem os símbolos religiosos e políticos da República Islâmica.

Apesar da pegada do Daesh nas mortes na capital iraniana, as primeiras ameaças de retaliação no Irão viram-se para os rivais sauditas e para Washington.

Na semana em que a Arábia Saudita (o grande líder do mundo sunita) e os seus aliados árabes isolaram o Qatar, através de sanções diplomáticas e do encerramento de fronteiras, acusando o pequeno emirado de apoiar o terrorismo e o Irão, Hossein Nejat, comandante adjunto da Guarda Revolucionária do Irão, disse que os EUA e a Arábia Saudita ordenaram o ataque na capital e prometeu "vingança".

A ameaça surge depois de o Presidente dos EUA, Donald Trump, ter dado o seu apoio ao bloqueio ao Qatar. No final de Abril, em Riad, onde se encontrou com líderes árabes reunidos em cimeira, Trump pediu uma actuação mais dura contra o extremismo e contra aqueles que o apoiam, nomeadamente o Irão.

"Este ataque terrorista acontece apenas uma semana depois do encontro entre o Presidente dos EUA e os líderes [sauditas] que apoiam os terroristas. O facto de o Daesh o ter reivindicado prova que eles estão envolvidos neste brutal ataque", lê-se num comunicado da Guarda Revolucionária iraniana, citado pela Reuters.

O ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Ahmed Al-Jubeir, disse que não existem provas do envolvimento de grupos da Arábia Saudita e condenou "os ataques terroristas onde quer que eles ocorram".

Citado pela agência ISNA, o Presidente iraniano, Hassan Rouhani, reeleito há menos de um mês, afirmou que os ataques de ontem vão tornar o Irão "mais determinado na luta contra o terrorismo" e também "mais unido".

O Daesh ameaçou a maioria xiita iraniana com mais ataques: "O Califado não perderá uma oportunidade de derramar o sangue deles".