Turbante branco contra turbante negro: os dois candidatos às presidenciais no Irão

Um candidato do sistema a concorrer contra um candidato apoiado pelo sistema: o Presidente Hassan Rouhani e o seu adversário Ebrahim Raisi enfrentam-se nas eleições desta sexta-feira.

LUSA/ABEDIN TAHERKENAREH
LUSA/ABEDIN TAHERKENAREH
Fotogaleria

Hassan Rouhani

Hassan Rouhani, 68 anos, estudou na cidade santa de Qom, centro de conhecimento religioso do país. O seu turbante branco significa que não é um descendente do profeta Maomé. A sua vida esteve sempre ligada à religião e à Revolução Islâmica, e depois de 1979 ocupou vários lugares importantes no regime. É um homem do sistema, mas não tem ligação a um dos mais poderosos organismos da República Islâmica – os Guardas da Revolução. O seu primeiro mandato ficou marcado pelo acordo sobre o nuclear com os Estados Unidos. Mas a promessa de mais abertura em várias áreas, do rigoroso código de vestuário religioso aos presos políticos ficou por cumprir no seu primeiro mandato.

Ebrahim Raisi

Ebrahim Raisi, 56 anos, é visto como o candidato favorito do Supremo Líder e de uma poderosa instituição que detém grande poder económico no país, os Guardas da Revolução. O seu turbante negro significa que é descendente directo do profeta. Raisi é uma figura relativamente pouco conhecida, e pouco à vontade em público. A sua carreira está marcada pela participação num episódio marcante da História do país: foi membro de uma comissão judicial que aprovou a maior onda de execuções no Irão, de milhares de presos políticos, ao longo de cinco meses em 1988. Raisi recebeu no ano passado a missão de gerir a organização encarregada do maior santuário xiita na cidade de Mashhad (e que é também uma das mais ricas organizações do país); o que fez com que fosse visto como um potencial sucessor ao ayatollah Khamenei.