Já há um laboratório internacional para a imprensa do antigo império

Um congresso internacional vai analisar a muitas vozes a imprensa periódica colonial do tempo do império português. Será “como um laboratório”, em Maio, em Lisboa.

Fotogaleria
Acção Colonial, número comemorativo da Exposição Colonial do Porto, 1934 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA
Fotogaleria
Índia, Suplemento Português Quinzenal, 15 de Agosto de 1932 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA
Fotogaleria
Duas Pátrias, Revista Documentária Luso-Brasileira, 1955-1956 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA
Fotogaleria
Gazeta das Colónias, Lisboa, 10 de Julho de 1924 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA
Fotogaleria
Portugal Colonial, Revista Mensal de Propaganda e Expansão do Império Português, Março de 1931 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA
Fotogaleria
Cabo Verde, Boletim de Propaganda e Informação, Praia, 1 de Outubro de 1949 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA
Fotogaleria
Boletim da Sociedade Luso-Africana do Rio de Janeiro, Maio de 1931 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA
Fotogaleria
O Século, Suplemento dedicado ao Império Colonial Português, 1940 HEMEROTECA MUNICIPAL DE LISBOA

O que se vê, quando se olha para a imprensa do antigo império colonial português? O que nos mostram os seus artigos, as suas páginas, as suas múltiplas figurações? Um grupo de investigadores decidiu pôr mãos à obra e arriscar o que até aqui ninguém ainda fizera: organizar um congresso para analisar o assunto sob os mais variados ângulos. O congresso, internacional, intitulado Política e Cultura na Imprensa Periódica Colonial vai realizar-se em Lisboa, nos dias 22 a 25 de Maio, e concretiza essa ambição.

Sandra Ataíde Lobo e Adelaide Vieira Machado, investigadoras e ambas da comissão organizadora do congresso, contam ao PÚBLICO como tudo começou. “Desde 2013-14”, diz Sandra, “que andamos a germinar esta ideia da criação de um grupo de estudos ligado à imprensa periódica colonial do tempo do império português. E tínhamos noção de que se tornaria importante pôr investigadores que estudam as diversas regiões, a partir de uma óptica de nação, a terem um olhar mais transversal entre si.” Foi assim que nasceu o GIEIPC-IP (Grupo Internacional de Estudos da Imprensa Periódica Colonial do Império Português), sigla à qual se ligaram outras, como o CHAM (Centro de História d’Aquém e d’Além-Mar, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas / NOVA e da Universidade dos Açores) o CEI-IUL (Centro de Estudos Internacionais, Instituto Universitário de Lisboa), o CEC-FLUL (Centro de Estudos Comparatistas, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) o CEsA-ISEG (Centro de Estudos sobre África, Ásia e América Latina, Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa), a BNP (Biblioteca Nacional de Portugal), a Fundação Mário Soares e o Centro de Documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra. A este “exército” de instituições juntam-se, no esforço do congresso, o Arquivo Nacional Torre do Tombo, a CPLP e os projectos Pensando Goa e Memórias de África e do Oriente.

Vontade e dificuldades

Tudo isto para quê? Sandra Lobo: “Nós, no grupo de estudos, pensamos o congresso como um laboratório, com duas vertentes extremamente fortes. A primeira é o ensaio da formação de uma comunidade internacional com ambições nesta matéria. A segunda é como é que investigadores de diversos países vão trabalhar um objecto que é a imprensa colonial portuguesa, a partir de realidades académicas distintas.” Investigadores esses que aderiram com muito empenho ao projecto, acrescenta Adelaide Machado: “Todos responderam positivamente. Quer portugueses que trabalham fora, quer estrangeiros que trabalham em Portugal, quer pessoas que andam fora e dentro, sobretudo historiadores, querem juntar-se a este projecto com muito boa vontade.” Mesmo assim, subsistem dificuldades. “Muitas vezes a comunidade científica está numa plataforma e a maneira de concretizar, na prática, das instituições está entre nações, não acima das nações, no sentido de facilitar essa conexão e permitir o nascimento de um património diferente.”

Mesmo assim, o grupo apostou na aproximação entre investigadores, só dificultada pelos custos das deslocações, apesar do importante apoio logístico e financeiro dos três centros de investigação que organizam (CHAM, CEC e CEI) e de todos os que se lhes associaram. “É um projecto de aprofundamento democrático”, diz Sandra. “E é benéfico para as instituições dialogarem com os investigadores”. Num congresso onde se cruzam História, literatura, ciência e jornalismo, valoriza-se um património a que não se dava tanta atenção. Adelaide Machado sublinha o esforço e empenho dos intervenientes: “Todos foram procurar o que tinham e, assim, coisas esquecidas estão a voltar.”

Visão multidisciplinar

No congresso, estarão em análise “jornais, revistas, boletins, anais, publicados nas colónias; títulos publicados em metrópoles europeias dedicados a pensar as matérias coloniais, em que essas matérias se evidenciem essenciais aos debates internos, ou que mereçam locais específicos dentro desses periódicos; periódicos publicados em espaços não coloniais ou pós-coloniais, quando dedicados às matérias coloniais.” E tudo isto numa visão multidisciplinar, das linguagens coloniais até às do anticolonialismo.

A decorrer em espaços da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ISCTE e Biblioteca Nacional, o congresso conta com 17 painéis e 113 comunicações, uma exposição virtual (“Jornais e Revistas Coloniais”) e uma mesa-redonda (“Memórias do Jornalismo (anti)colonial”), entre várias iniciativas. A conferência de abertura, dia 22, estará a cargo de Jeanne Marie Penvenne, professora de História, Relações Internacionais e Estudos Africanos da Tufts University, Medford, Massachusetts (Estados Unidos); e a de encerramento, dia 24, caberá a Rochelle Pinto, investigadora do Nehru Memorial Museum and Library, de Nova Deli, Índia.

Rectificação: Por lapso, as imagens que acompanham este artigo foram identificadas inicialmente como tendo sido cedidas pelo Arquivo Nacional Torre do Tombo, quando, na verdade, pertencem à Hemeroteca Municipal de Lisboa. As nossas desculpas pela troca, involuntária.