Cinco casos de sarampo em Portugal

Quatro dos casos foram detectados em Março. Um dos casos teve origem na Venezuela. O director-geral da Saúde revelou "grande preocupação".

A doença é evitável através da vacinação
Foto
A doença é evitável através da vacinação Marco Duarte/ARQUIVO

Portugal regista desde o início do ano cinco casos de sarampo, estando a sua origem a ser investigada, disse à Lusa fonte da Direcção-Geral da Saúde (DGS), nesta quinta-feira. De acordo com Teresa Fernandes, da Direcção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde da DGS, um dos casos situa-se no Norte e quatro no Algarve, estes últimos detectados no mês de Março.

A mesma fonte adiantou que um dos casos teve origem na Venezuela, estando a origem dos outros ainda a ser investigada. A evolução dos doentes, maioritariamente crianças, está a ser positiva.

O director-geral da Saúde, Francisco George, disse que existe "uma grande preocupação" com os cinco casos de sarampo registados em Portugal, porque a doença estava eliminada do país "devido a um programa eficaz" de vacinação. "Estamos realmente preocupados, porque o sarampo estava eliminado e tínhamos sido, até aqui, um país livre da doença, devido ao programa de vacinação, sobretudo das crianças, com uma vacina que deve ser administrada aos 12 meses de idade", disse à agência Lusa Francisco George, onde participa num encontro promovido pelo Rotary de Albufeira, no Algarve.

Teresa Fernandes reiterou a necessidade das crianças e adultos serem vacinados nos prazos previstos do Plano Nacional de Vacinação. "Não deve haver atrasos na vacinação. A primeira dose é aos 12 meses e tem de ser administrada aos 12 meses. A segunda dose é aos cinco anos e é aos cinco anos que deve ser administrada", afirmou.

Na semana passada, tinham sido confirmados dois casos de sarampo: a pessoa que veio da Venezuela e ainda um bebé com 11 meses, que ainda não tinha idade para ser vacinado. A subdirectora geral da Saúde, Graça Freitas, afastava qualquer cenário de surto de sarampo no país.

Ainda assim, a nível europeu, foram registados mais de 500 casos de sarampo desde Janeiro deste ano, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde.

Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no Verão passado, ainda que considere que a vacinação continue a ser essencial. Esta patologia vírica é altamente contagiosa, a sua evolução é habitualmente benigna, mas, nos raros casos muito graves, pode resultar em sequelas neurológicas ou mesmo morte.