Primeiro grupo de refugiados yazidis chega a Portugal, "uma terra de liberdade"

Governo não irá limitar liberdade de circulação de quem foge da guerra. "Não temos em Portugal campos de refugiados. Nunca iremos ter", disse Eduardo Cabrita.

Fotogaleria
Este é o primeiro grupo de 90 refugiados yazidi que chega à Portela, rumo a Guimarães, e é composto por seis famílias. Rui Gaudêncio/Público
Fotogaleria
O grupo de 24 pessoas, com origem iraquiana, será instalado em Guimarães. Rui Gaudêncio/Público

O primeiro grupo de refugiados yazidi que escolheu vir para Portugal já chegou a Lisboa. O grupo de 24 pessoas, com origem iraquiana, foi recebido por Eduardo Cabrita, ministro-adjunto, e Paula Oliveira, vereadora para a acção social da Câmara Municipal de Guimarães, cidade onde se vão instalar.

“Quisemos que fosse o berço da nacionalidade a acolher o primeiro grupo, que tanto quis vir para Portugal”, afirmou Eduardo Cabrita. Este é o primeiro grupo de 90 refugiados yazidi que chega à Portela, rumo a Guimarães. Composto por seis famílias (oito mulheres, sete homens e nove menores) e um adulto isolado, é um grupo mais pequeno do que o que se previa inicialmente. Eram esperadas 30 pessoas, mas uma família de seis elementos cancelou a viagem por motivos de saúde.

O ministro-adjunto aproveitou a chegada dos refugiados para salientar o sucesso dos programas de acolhimento em Portugal. Para este grupo, em particular, estão preparados um “conjunto de mecanismos específicos de acolhimento que incluem apoio social, psicológico, linguístico – e não está em causa apenas o árabe, mas também a língua própria falada pela comunidade – num trabalho de preparação que decorreu ao longo de meses”, afirma, salientando também a cooperação com a comunidade local.  

“Não temos em Portugal campos de refugiados. Nunca iremos ter”, diz. “Portugal é uma terra de liberdade. As pessoas chegam a Portugal precisamente porque vêm de situações traumáticas, de guerra e perseguição”, como é o caso dos yazidi, uma minoria religiosa perseguida na Síria e no Iraque pelo auto-proclamado Estado Islâmico. E tal como chegam, são livres de sair.

“Portugal não tem uma estratégia que leve a uma limitação da sua liberdade de circulação. Queremos que sejam bem acolhidos e se integrem na sociedade portuguesa até poderem voltar para os seus países de origem”, explica Eduardo Cabrita. 

Desde o início do programa, a 15 de Dezembro de 2015, chegaram 1150 pessoas. Só a Guimarães chegaram 43 refugiados desde 2015, mas cerca de 20 já abandonaram. Alguns dos cidadãos isolados, que chegaram numa primeira fase do projecto, “cidadãos livres”, como lembra a vereadora de acção social da câmara de Guimarães, “abandonaram voluntariamente o projecto”. 

“As taxas de saída são semelhantes às que existem em países como o Luxemburgo ou a Suíça”, lembra o ministro-adjunto. E Portugal é destacado pelas Nações Unidas como um dos países onde o processo de integração funciona de maneira mais eficaz: “um processo considerado de referência no quadro da ONU”.

O segredo do sucesso, para Eduardo Cabrita é o facto de os que chegam serem integrados nas comunidades. “E, ao contrário de outros países europeus, não existirem manifestações de xenofobia”, explica.

O próximo grupo de refugiados yazidi a chegar ao país – e desta vez com crianças e jovens do programa de acolhimento de menores não acompanhados – “não chegará antes de Abril”, afirma Eduardo Cabrita, e vão ser acolhidos na zona de Lisboa.

“Tenho muitos sonhos em Portugal”

O grupo de yazidis chegou esta segunda-feira, por volta das 14h50, mais de uma hora depois do previsto, e vinha acompanhado pelos membros da Organização Internacional para a Migração (OIM). O voo, vindo de Atenas, fez escala em Roma antes de chegar ao Aeroporto Humberto Delgado.

O grupo manteve-se junto o tempo todo e a única coisa que os distinguia dos demais passageiros era o facto de não trazerem bagagem, apenas um saco onde se lia “OIM”. O grupo era composto por várias crianças, algumas de colo e outras que já andavam pelo próprio pé, uma mulher em cadeira de rodas, vários casais e um homem que empunhava um cartaz onde se lia “Thanks, Portugal. I love you”, ou, em português “Obrigado Portugal. Amo-te”. Quase todos sorriam.

Cada um terá, certamente, uma história diferente. Em comum, todos têm o facto de terem escolhido Portugal para refazerem a sua vida. Um deles, o único que viajava sozinho e que o PÚBLICO não identifica por razões de segurança e privacidade, contou aos jornalistas um pouco da jornada que o levou até Lisboa. O yazidi, 34 anos, nasceu no Iraque mas foi obrigado a abandonar o país porque estava a ser perseguido pelo auto-proclamado Estado Islâmico.

“O Estado Islâmico não tolera a nossa religião nem a nossa Nação”, explica.“Perdi toda a minha família para o Estado Islâmico”: pais, irmãos e irmãs. Fugiu sozinho “a pé, e às vezes, de carro”, por estradas perigosas e sem documentos. Partiu do Iraque para a Turquia, e depois para Salonica, na Grécia, onde esteve mais ou menos um ano.

Esta segunda-feira, chegou a Lisboa com destino a Guimarães. De Portugal, sabe que é “um lugar com História e pessoas muito simpáticas e educadas”. “Tenho muitos sonhos em Portugal”, afirma. Conta-nos que espera aprender a língua e poder continuar os estudos – e diz que é aqui que quer começar o doutoramento que ficou por fazer no Iraque.

Ao longo da conversa, repetiu várias vezes os agradecimentos: “Estou muito feliz. Nasci hoje. Sinto-me seguro. Obrigada por tudo”.