Hospital da Guarda abre inquérito depois de morte de bebé

A grávida esteve alegadamente à espera de assistência de um especialista durante cerca de uma hora e meia. Hospital tem 12 obstetras, mas cinco são "tarefeiros" e um apenas faz ecografias

ADRIANO MIRANDA
Foto
ADRIANO MIRANDA

O hospital da Guarda vai abrir um inquérito para averiguar eventuais responsabilidades dos médicos na morte de um bebé na quinta-feira, depois de uma mulher grávida de 39 anos e na fase final da gestação ter dado entrada na Unidade de Saúde Local (ULS) com perdas de sangue e de ter alegadamente esperado durante cerca de 1h30 pelo atendimento de um obstetra. A Inspecção-Geral das Actividades em Saúde e a Entidade Reguladora da Saúde vão também tentar perceber o que aconteceu e se terá havido negligência neste caso. A ULS da Guarda tem 12 obstetras, mas cinco são "tarefeiros" e um apenas faz ecografias, segundo adiantou a unidade.

As versões da família da mulher e do hospital não coincidem. Cláudia, já com 37 semanas de gravidez, deu entrada no serviço de Urgência do Hospital Dr. Sousa Martins, na Guarda, às 9h30 desse dia e foi registada quatro minutos depois, segundo precisou a ULS em nota de imprensa. "Estava com perdas de sangue pouco significativas, tendo de imediato feito registo RCT às 9h34m", refere a nota. Este é um exame de cardiotocografia que é habitualmente feito ao longo da gravidez e permite avaliar a frequência cardíaca (batimentos) do bebé.

Sem adiantar qual foi o resultado do exame, o hospital sublinha apenas que foi depois realizada uma ecografia fetal que "confirmou a morte do feto". Quanto tempo passou entretanto? "É isso que está a ser averiguado, estão a ser ouvidos os profissionais, há discrepância de timings", explicou ao PÚBLICO a assessoria de imprensa da ULS, que apenas adiantou que havia dois obstetras de serviço, o mínimo exigido por lei para que um bloco de partos possa funcionar em Portugal. 

Inquérito externo

A uma hora que não é especificada, Cláudia "foi encaminhada para o Bloco Operatório e submetida a uma cesariana", acrescenta o hospital na nota, novamente sem detalhar quanto tempo passou entre o primeiro exame e segundo exame e até à entrada no bloco.

Segundo o Jornal de Notícias, que divulgou o caso esta sexta-feira, Cláudia, que ia ser mãe pela primeira vez após sucessivos tratamentos para engravidar, tinha o parto agendado para o próximo dia 27. Terá, segundo os seus familiares, estado à espera do médico mais de hora e meia, depois de a equipa de enfermagem ter procedido ao registo dos batimentos cardíacos e chamado o obstetra. Este médico reformado, apesar de supostamente estar no hospital, apenas terá respondido à emergência tarde demais.

Em conferência de imprensa, Carlos Rodrigues, presidente do conselho de administração do hospital da Guarda, disse que a unidade vai abrir um inquérito “com três especialistas de obstetrícia e uma jurista”, todos externos à equipa do hospital e nomeados pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro. Carlos Rodrigues escusou-se, porém, a esclarecer pormenores relacionados com a assistência prestada e insistiu em aguardar pelos resultados da investigação. “Compreendo a vossa vontade de saber, mas não posso estar a dizer algo que não está provado ainda”, justificou, afirmando que estavam no hospital dois médicos obstetras e recusando explicar a hora a que foi feita a ecografia à paciente.

A decisão de avançar com o inquérito surge depois do relatório inicial de averiguações para apuramento de responsabilidades do departamento de saúde materno-infantil. O inquérito deverá avançar entre sábado e segunda-feira. A ARS do Centro garante que “serão apuradas todas as responsabilidades e respectivas consequências resultantes do processo de inquérito”.

Com 572 partos em 2016, a ULS da Guarda tem actualmente 12 obstetras, sete dos quais efectivos, sendo os restantes contratados a empresas de prestação de serviços. Um destes apenas faz ecografias, segundo adiantou a ULS ao PÚBLICO. São estes médicos que asseguram o funcionamento durante 24 sobre 24 horas, sete dias por semana, do bloco de partos. "São sempre desejáveis mais recursos humanos, no entanto, [estes] s��o suficientes para o trabalho a desenvolver", consideram os responsáveis da unidade de saúde.

O problema da falta de recursos humanos é um dos motivos que tem levado a que, ciclicamente ao longo dos últimos anos, tenha sido equacionada a hipótese de concentração das três maternidades que existem nesta região. Mas a escolha entre as que devem ficar abertas e as que devem fechar tem desencadeado grande polémica e as três mantêm-se em funcionamento, ainda que com poucos médicos especialistas, explicou um responsável do bloco de partos da Covilhã. Neste hospital trabalham 14 obstetras e o número é considerado insuficiente para assegurar o trabalho sete dias por semana.