Deputado do PS prepara candidatura independente a Barcelos

É a resposta à direcção nacional do PS. Domingos Pereira demite-se de todos os cargos que tem no partido, mas mostra-se “inteiramente disponível para continuar a pertencer ao grupo parlamentar do PS. Bancada não comenta.

Foto
Domingos Pereira ameaça PS com candidatura autárquica em Barcelos Nuno Ferreira Santos

O deputado socialista, Domingos Pereira, que viu o seu nome chumbado pela Comissão Política Nacional (CPN) do PS como candidato à Câmara de Barcelos, considera “uma inevitabilidade” avançar como candidato independente e admite anunciar a candidatura já em Fevereiro.

“Estou a analisar uma eventual candidatura que será anunciada até à primeira quinzena de Fevereiro”, declarou hoje ao PÚBLICO Domingos Pereira, após ter anunciado, em conferência de imprensa, a demissão dos três cargos que ocupava no partido: presidente da concelhia de Barcelos, presidente da mesa da federação de Braga e membro da CPN.

“Demiti-me por uma questão de ética, por entender que não estão reunidas as condições políticas para exercer estes cargos uma vez que foram desrespeitadas deliberações de órgãos legitimamente eleitos na concelhia e que foram rectificados por unanimidade pela distrital do PS de Braga”, declarou o deputado e ex-vice-presidente da Câmara de Barcelos. Na base desta posição está a avocação do processo de escolha do candidato à autarquia de Barcelos por parte da CPN.

O nome de Domingos Pereira foi aprovado pela concelhia, órgão ao qual presidia, em Junho de 2016, e esta escolha abriu um conflito no PS local. Uns dias antes, o presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, retira os pelouros ao seu vice-presidente, Domingos Pereira, e em resposta a esta posição, a concelhia socialista decida retirar a confiança política ao presidente do executivo. O PS local mergulha assim numa crise política profunda, cujo desfecho pode levar o partido a perder a câmaras nas eleições autárquicas deste ano.

Na conferência de imprensa, o até líder da concelhia socialista afirma estar “inteiramente disponível para continuar a pertencer ao grupo parlamentar do PS, não recorrendo ao mecanismo de deputado independente”.

O PÚBLICO contactou o grupo parlamentar do PS no sentido de perceber se há condições para Domingos Pereira continuar como deputado do partido depois de anunciar a candidatura como independente a Barcelos, mas para já ninguém quis comentar. A expulsão de militantes que concorram com candidaturas autárquicas alternativas às listas do partido está prevista nos estatutos do PS.

O ex-vice-presidente da Câmara de Barcelos empenhou-se em fazer passar a ideia de que é e vai continuar a ser socialista, pelo que poderá optar apenas por “suspender” o cartão de militante para um dia regressar ao PS.

Inconformado com a decisão da CPN ter avocado os processos autárquicos das concelhias de Barcelos e Fafe, que discordam que os actuais presidentes de câmara se recandidatem, Domingos Pereira insurge-se contra o que diz serem práticas centralistas. “Os socialistas de Barcelos não se revêm nas práticas centralistas desta direcção nacional do partido. Estou há 30 anos no PS e nunca tinha visto isto”, disse, acrescentando: “Há uma alargadíssima franja do partido que me apoia”.