Actriz presa nas memórias e nas ausências de Al Berto

Quase 20 anos depois, Zia Soares volta a levar Al Berto ao palco. Até 30 de Dezembro, a actriz enreda-se nas palavras de Luminoso Afogado.

Fotogaleria
PAULIANA VALENTE PIMENTEL
Fotogaleria
PAULIANA VALENTE PIMENTEL

Al Berto morreu em Junho de 1997. Na altura, Zia Soares era uma jovem actriz do Teatro Praga que decidira avançar para a sua primeira encenação. Propôs-se levar à cena Lunário, um dos textos em prosa de Al Berto, e contactou o escritor – então já numa fase de terminal da doença que o vitimaria – para discutir com ele a adaptação para o palco. Visitou-o algumas vezes, falaram com frequência ao telefone, e, na noite em que o autor de O Medo desapareceu, a actriz deixou-se cair no sono, como habitualmente, com o rádio ligado. Havia de acordar em sobressalto com a notícia da morte – ainda hoje uma memória associada a um plano de suspensão da realidade, algures entre o sonho de travo amargo e a verdade quase etérea.

Agora, ao mergulhar num outro livro de Al Berto, Luminoso Afogado, que põe em cena de 7 a 30 de Dezembro no Teatro da Trindade, em Lisboa, Zia teve de confirmar com amigos que essa memória era real e não uma ficção criada ao longo dos anos. A voz da rádio e a voz do próprio escritor ecoam na forma como, emaranhada em redes de pesca, diz o texto de Luminoso Afogado, o primeiro de uma série de monólogos a que os actores da companhia Teatro Griot se dedicarão nos próximos tempos. Na intensa luta física a que a actriz se entrega deitada sobre as redes, Zia assume uma voz que tenta ela própria desembaçar-se de memórias e de ausências, mas em que o movimento muitas vezes apenas sublinha a incapacidade de se libertar.

“Este texto está muito presente em vários momentos da minha vida”, confessa. “Deixo-o num sítio, nunca mais me lembro dele e ou porque estou a arrumar, ou por qualquer outra razão, vai aparecendo.” Daí que, confrontada com a ideia de avançar para um monólogo, a sua escolha tenha recaído num texto não dramático. E avançou cheia de conceitos, ideias e narrativas de que teve de se desfazer quando chegou a hora de abordar as palavras com o palco em mente. “Abriram-se tantas possibilidades e houve tantas coisas que não tinha ouvido ou percebido que toda esta adaptação do texto se tornou muito interessante”, conta com alguma surpresa. “Normalmente sou muito, muito ansiosa como actriz e aqui aconteceu o oposto, tudo se foi construindo porque o texto é tão claro, tão lúcido, e cria tantas imagens…”.

Uma partitura musical

Para encontrar o tom certo e trabalhar consigo a musicalidade e o ritmo das frases, Zia Soares chamou, à vez, os músicos Filipe Raposo e Chullage. Com o pianista ligado ao jazz e à música de raiz portuguesa, a actriz procurou descobrir os refrães do texto; com o rapper, lançou-se à procura da forma como cada palavra poderia ressoar no parágrafo seguinte. “Há todo um trabalho muito técnico, quase de spoken word e de ecos, que trabalhei com eles de forma muito intensa”, diz. Ambos haviam de espantar-se, sublinhando que Al Berto “sabia mesmo o que fazia – isto tem realmente uma partitura musical”.

É essa partitura que Zia Soares vai desenrolando no meio das redes de pesca que trouxe do Barreiro, depois de ser levada a um armazém e convidada a abastecer-se de quanto material precisasse. Mas as redes, tal como o texto também sugere, não pararam de se acumular. “As últimas chegaram ainda molhadas”, como se reforçassem a urgência das palavras de Al Berto e a sua contínua necessidade de se libertarem.