Jovens com pais desempregados têm mais fragilidades psicológicas e educacionais

Estudo de investigadora revela o impacto da recessão na estrutura familiar e na saúde mental.

Estudo defende intervenções urgentes para proteger adultos e jovens do impacto da recessão económica
Foto
Estudo defende intervenções urgentes para proteger adultos e jovens do impacto da recessão económica joana freitas

Os jovens que vivem com pais desempregados revelam maiores fragilidades ao nível do bem-estar psicológico e têm piores expectativas educacionais, sendo que as raparigas são mais vulneráveis a esta situação, revela um estudo sobre crise económica, desemprego e família.

O estudo da autoria da investigadora Diana Frasquilho vai ser discutido durante o fórum Crises Socioeconómicas e Saúde Mental que decorre esta quinta-feira e sexta-feira na Fundação Calouste Gulbenkian.

O trabalho centrou-se no impacto da recessão económica, em particular do desemprego, na estrutura familiar e na saúde mental e bem-estar de adultos desempregados e dos adolescentes que vivem com pais desempregados.

Entre os principais resultados do estudo, ressalta o facto de os jovens que vivem com pais desempregados, quando comparados com os que vivem com pais empregados, relatarem significativamente piores resultados ao nível do bem-estar psicológico e de expectativas educacionais, "percepcionando as repercussões da crise económica de forma mais intensa".

Os factores de maior vulnerabilidade são o desemprego paternal, a baixa situação socioeconómica, ser rapariga, os jovens mais novos e os rapazes mais velhos cujo pai está desempregado.

As pessoas desempregadas e os seus familiares constituem um grupo da população mais afectado pelas consequências da recessão económica, tais como dívidas, já que os adultos desempregados têm uma "alta prevalência de sofrimento psicológico e de insatisfação com a vida".

Estes factores foram particularmente notórios em mulheres desempregadas, idosos, pessoas com baixa escolaridade, solteiros, pais e mulheres cujos parceiros não tinham emprego. "A pior saúde mental foi também mais prevalente nos adultos desempregados com menor capacidade em estruturar o seu tempo e naqueles com maior privação financeira", acrescenta o estudo.

Além da "diminuição substancial" das despesas do agregado familiar, o desemprego foi também responsável por alterações no relacionamento familiar (mais atrito e parentalidade mais rigorosa), bem como alterações no bem-estar psicológico dos pais e dos filhos (maior preocupação, irritabilidade, raiva e tristeza).

O estudo salienta, contudo, que "a qualidade das relações familiares parece moderar a associação entre o desemprego parental e o bem-estar psicológico dos jovens". Ou seja, as relações familiares – bem como a capacidade financeira e a estruturação do tempo – são apontadas como "factores modificáveis" e, por isso, potencialmente moderadores desta relação entre bem-estar psicológico e desemprego parental, desde que sejam alvo de intervenções que as transformem positivamente.

Nesse sentido, o estudo defende intervenções urgentes para proteger adultos e jovens durante esta "recessão económica histórica" e para diminuir as desigualdades na saúde e as despesas sociais. "A identificação destes factores modificáveis associados ao bem-estar dos adultos, família e filhos no contexto de desemprego é essencial, sobretudo porque Portugal enfrenta uma recessão económica histórica apresentando uma das mais elevadas taxas de desemprego na Europa, e porque as intervenções para proteger adultos e jovens durante este período em particular, são urgentemente necessárias", refere.

Além de poderem diminuir as desigualdades na saúde e as despesas sociais para o país, estas intervenções poderão maximizar as oportunidades de vida, assumindo "um papel fundamental para alcançar uma população mais saudável e produtiva".

Sugerir correcção