Torne-se perito

Força Aérea interceptou dois bombardeiros russos em espaço aéreo português

Aeronaves entraram no espaço aéreo de responsabilidade portuguesa sem autorização. Acompanhamento de F-16 foi feito por razões de segurança.

Fotogaleria
MIGUEL MADEIRA
Fotogaleria
Tupolev TU-95 Bear a ser abastecido REUTERS
Fotogaleria
F-16 da força aérea norueguesa acompanha um Tupolev TU-95 Bear em 2014 Reuters

A Força Aérea Portuguesa (FAP) interceptou na madrugada de quarta para quinta-feira da passada semana dois bombardeiros russos que entraram no espaço aéreo de responsabilidade portuguesa sem autorização.

A intercepção dos bombardeiros Tupolev TU-95 Bear foi feita por dois F-16 da FAP por razões de segurança de aviação civil, já que estes bombardeiros não emitem qualquer sinal nem respondem a contacto rádio, sendo uma espécie de aviões “invisíveis” conforme explicou ao PÚBLICO o coronel Rui Roque, chefe de Gabinete de relações públicas da FAP.

Os bombardeiros entram no espaço aéreo de responsabilidade portuguesa a norte do país voaram até a zona de Sagres e inverteram a marcha novamente para norte, tendo sido sempre acompanhados pelos dois F16 portugueses. As duas aeronaves nunca violaram o espaço de soberania portuguesa.

O espaço aéreo de soberania nacional compreende todo o território continental e o das regiões autónomas, mais 12 milhas marítimas à volta destas áreas. Qualquer entrada não autorizada tem de ser imediatamente repelida pois é considerada uma ameaça à soberania.

Já o espaço aéreo de responsabilidade é espaço internacional que está, porém, sob o controlo de Portugal, em matéria de segurança do trefego aéreo e de busca e salvamento, face a diversos acordos internacionais. Compreende uma área de quase 5 milhões de quilómetros quadrados. Este espaço tem duas regiões de intervenção, Santa Maria (Açores) e Lisboa. Os F-16 que interceptaram os bombardeiros russos saíram da Base Aérea n.º 5 em Monte Real, Leiria, depois de estes não responderem às chamadas dos controladores aéreos militares portugueses, no Comando Aéreo em Monsanto, em Lisboa.

Como sempre acontece, a missão foi comunicada e feita ao abrigo dos acordos da NATO.

A FAP sublinha que a intercepção foi “essencialmente feita por razões de segurança” da aviação civil. Durante o acompanhamento, as aeronaves russas não fizeram qualquer ameaça nem foram hostis. 

O Tupolev TU-95 Bear é um bombardeiro estratégico já bastante antigo (o primeiro data de 1952 tendo entrado em acção a partir de 1956) e foi muito usado durante a Guerra Fria. Actualmente ainda se encontra ao serviço em alguns países.

Sugerir correcção