Queimar sapatilhas, o novo protesto anti-Trump

A marca de calçado desportivo New Balance manifestou satisfação pela vitória de Donald Trump, e os clientes responderam nas redes sociais.

Foto

A marca de sapatilhas New Balance está a passar um mau bocado graças à eleição de Donald Trump. Não propriamente por ele ter vencido as eleições dos EUA, mas por ter manifestado publicamente satisfação pela sua vitória.

Para muitos, a New Balance tornou-se num símbolo de apoio a Trump e começaram a surgir imagens nas redes sociais de pessoas a lançarem para o lixo, ou a queimarem as sapatilhas desta marca.

Tudo começou quando uma jornalista do The Wall Street Journal, Sara Germano, começou a publicar no site do jornal reacções de várias empresas norte-americanas à vitória de Trump. A da New Balance não podia ser mais elogiosa. “A administração de Obama não quis ouvir e, francamente, com o Presidente Trump julgamos que as coisas vão avançar na direcção certa.”

Muitos revoltaram-se e prometeram nunca mais usar sapatilhas desta marca. Outros pegaram fogo aos sapatos, outros deitaram-nos pela janela, no lixo ou na sanita.

A marca tentou depois emendar os estragos alegando que a declaração que espoletou a polémica era sobre a Parceria Trans-Pacífico (TPP), que ainda não foi aprovada, e que, na opinião da empresa, é prejudicial à economia americana, nomeadamente, às empresas norte-americanas.

Citada pelo Wall Street Journal, a New Balance diz em comunicado: "Como a única grande empresa que ainda produz calçado desportivo nos EUA, a New Balance tem uma perspectiva única no acordo. Nós queremos produzir mais nos EUA, não menos".