Há uma torre que mostra como os sobreiros ajudam a Terra a respirar

Por cada tonelada de cortiça produzida, os sobreiros limpam do ar 73 toneladas de dióxido se carbono. Desde 2009 que uma torre plantada num montado numa herdade em Coruche vigia o ecossistema terrestre e atmosfera.

Foto
Montado de sobro Danil Rocha

Quando abrir a próxima garrafa de vinho lembre-se que aquela rolha que acabou de sacar representa um pouco da ajuda que o sobreiro dá ao planeta para que respire melhor. Mais concretamente, essa rolha sequestrou da atmosfera 250 gramas de dióxido de carbono (CO2), um gás com efeito de estufa também lançado pelas actividades humanas. Esta é uma das conclusões de um grupo de cientistas do Centro de Estudos Florestais do Instituto Superior de Agronomia (ISA), em Lisboa, que anda há sete anos a medir, numa herdade em Coruche, as trocas de CO2 e água entre o ecossistema terrestre e a atmosfera. Os resultados comprovam que o montado de sobreiro é um sumidouro de carbono activo.

De 15 em 15 dias Filipe Costa e Silva, investigador do ISA, sobe ao topo da torre de 22 metros de altura, “plantada” num montado de sobro da Herdade da Machoqueira do Grou, em Coruche (Santarém). Recolhe os dados, calibra os equipamentos, repara eventuais avarias causadas pelo mau tempo e desce.

As visitas à torre podem ser mais espaçadas nos períodos de férias, com intervalos de três semanas ou um mês. Mas, a escalada da estrutura metálica é uma rotina desde 2009. Lá em cima, sete metros acima da copa das árvores, funciona uma estação meteorológica e os aparelhos, um analisador de gases e um anemómetro sónico, que servem para medir, de meia em meia hora, as trocas de dióxido de carbono e água entre o ecossistema e a atmosfera.

PÚBLICO -
Foto
A torre de medições no montado de sobro DR

Os dados recolhidos por este equipamento que há sete anos faz medições em contínuo trouxeram algumas surpresas, conta Filipe Costa e Silva ao PÚBLICO. Por um lado, foi possível quantificar o sequestro de CO2 neste montado de sobro: por cada tonelada de cortiça produzida, há 73 toneladas de dióxido de carbono sequestradas. Ou, fazendo outras contas, um hectare destes sobreiros consegue sequestrar 14,7 toneladas de CO2 por ano.

Porém, este montado não é um montado qualquer. Este é, reconhece Filipe Costa e Silva, o melhor dos cenários. O local escolhido pelos investigadores, numa herdade com quase 2500 hectares, dos quais mil são de montado de sobreiro, é um montado certificado que “obedece às regras de boas práticas de gestão florestal, vegeta em boas condições de solo e de clima sem deficiências hídricas excessivas durante o Verão”.

Um Outono na Primavera

A sede do sobreiro no Verão e a sua resiliência leva-nos a outra conclusão do trabalho. “Os dados que temos indicam que a máxima actividade fotossintética nos sobreiros é atingida quando se inicia o período crítico de deficiência em água para as plantas: no Verão”, assinalam os investigadores do ISA numa nota enviada ao PÚBLICO sobre o projecto, que acrescenta ainda: “Nesta altura, as árvores e os arbustos estão, na generalidade, num período de latência/dormência, mas o sobreiro não.” Esta árvore tem um ritmo diferente das outras. Segundo Filipe Costa e Silva, o pico da capacidade de sequestro de CO2 dos sobreiros regista-se em Julho, quando as outras árvores já “dormem”, e só depois abranda.

“É espantoso porque o sobreiro apresenta mesmo o seu pico de crescimento em Julho”, frisa. Este pico de actividade em pleno Verão tem uma explicação. É que o sobreiro sofre uma espécie de Outono na Primavera. É confuso? “O sobreiro muda completamente a sua folhagem na Primavera, entre Abril e Maio. Apesar de ser uma espécie de folha persistente, nessa altura as folhas caem num mês ou dois. É um Outono na Primavera. Como pedem as folhas, renovam a copa e as milhares de novas folhas que nascem nas árvores vão ficar totalmente expandidas no fim de Julho e funcionam ao seu máximo nesse período“, esclarece o investigador do ISA.

Mas há mais. Os investigadores perceberam também que estas árvores se adaptam a alturas críticas, como anos de seca. Os registos mostram que em anos secos, como o de 2012, o sequestro de CO2 não foi significativamente afectado. A explicação desta vez não está na copa da árvore mas no eficiente sistema radicular dos sobreiros, que conseguem ir buscar água a lençóis freáticos em profundidade.

As medições na torre de fluxos de carbono também sugerem algumas conclusões sobre o impacto do descortiçamento – que normalmente é feito num sobreiro “adulto”, por volta dos seus 30 anos de existência, de nove em nove anos. “Durante os anos climáticos contrastantes de 2014 e 2015, estudaram-se detalhadamente os efeitos do descortiçamento sobre a vitalidade das árvores. Ainda que preliminares, os resultados sugerem que, mesmo num ano seco, o impacto do descortiçamento é reduzido em termos de sequestro de carbono do ecossistema, comprovando a extraordinária resiliência dos sobreiros quer ao clima quer aos efeitos da gestão humana”, referem os investigadores do ISA.

PÚBLICO -
Foto
Daniel Rocha

Por esta altura, deve estar perfeitamente convencido de que o CO2 é algo muito mau que deve ser totalmente eliminado da atmosfera. Está errado. “O CO2 é nocivo porque é um gás com efeito de estufa, mas também é a base para a fotossíntese que permite que existam plantas. Ou seja, é preciso que exista algum”, explica Filipe Costa e Silva.

Por outro lado, há outras árvores além do sobreiro que também sequestram o CO2. O eucalipto, por exemplo, em bastante menos tempo (porque cresce muito mais rapidamente do que o sobreiro) consegue sequestrar três vezes mais CO2. Então, afinal, o montado é importante, ou não, para o sequestro do CO2? Sim, explica o investigador do ISA, porque, além do sequestro que estas árvores conseguem fazer, os sobreiros também funcionam como armazéns usando os seus tecidos, as folhas, a madeira e as raízes para guardar CO2.

“A importância do montado em relação ao CO2 é mais o que ele representa só por lá estar. Se o ecossistema se degradar, vamos assistir a grandes libertações de CO2”, diz Filipe Costa e Silva. Assim, o sequestro de carbono representa “apenas” o fluxo que vai sendo acrescentado, ano após ano, a este armazém. Lembre-se agora que o sobreiro é uma árvore que pode durar mais de 200 anos. Isto faz com que seja um poderoso armazém de CO2 e, nota o investigador, “uma barreira às alterações climáticas”.

Esperar pela floresta

O projecto do ISA faz parte de várias redes de infra-estruturas de investigação portuguesas e internacionais – entre as quais a rede global Fluxnet, que reúne os dados de mais de 600 torres idênticas espalhadas pelo mundo que vigiam a respiração do planeta, medindo as trocas entre os ecossistemas terrestres e a atmosfera. A nível europeu integra também o ICOS, um consórcio que junta informações de vários países sobre o ciclo de carbono e os gases com efeito de estufa.

Em Portugal, os investigadores do ISA colaboram com outras universidades e institutos e, recentemente, este trabalho passou a fazer parte do programa Porbiota, que coordena vários projectos de investigação sobre biodiversidade.

Todo este estudo, lembra Filipe Costa e Silva, começou com uma colaboração entre o Centro de Estudos Florestais, a Associação de Produtores Florestais e a empresa Amorim Florestal. Os empresários queriam reagir com dados científicos às conclusões de uma investigação que apontava para problemas ambientais ligados à pegada de carbono deixada pelo uso das rolhas da cortiça. Passados alguns anos, os cientistas clarificaram o papel dos sobreiros no combate às alterações climáticas com o sequestro de CO2 e também já mostraram que o descortiçamento não afecta esse desempenho.

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

António Gonçalves Ferreira é um dos proprietários da Herdade da Machoqueira do Grou e diz que a equipa do ISA “pode ficar o tempo que quiser”. Acolheu o projecto de braços abertos e agora até espera vê-lo crescer de um caso inédito no país para uma escala regional. O plano, conta, é conseguir financiamento para instalar mais duas “antenas” de monitorização do montado de sobro, uma no litoral e outra no interior.

“Queremos replicar este projecto e fazer uma monitorização em tempo real dos montados a nível regional, em mais localizações, para gerar quase um sistema de avisos aos produtores de cortiça relativamente ao estado do montado no decorrer do ano, sobretudo nas épocas críticas de início e fim da extracção”, refere ao PÚBLICO António Gonçalves Ferreira.

O proprietário da herdade é também presidente da União da Floresta Mediterrânica e faz parte da equipa de coordenação do Centro de Competência do Sobreiro e da Cortiça. Sobre o falado declínio do montado de sobro, acredita que vamos a tempo de reagir. “O declínio do montado é uma fase. Qualquer ser vivo tem várias fases. Em Portugal, temos uma grande área na fase adulta e temos alguns problemas de declínio. Devemos lidar com esse problema, pensando também que 10% de áreas de novos povoamentos serão suficientes para contrabalançar os 20 % de área em declínio mais acentuado, e temos de investir fortemente na melhoria da vitalidade dos povoamentos que estão agora numa fase adulta”, diz.

É preciso saber esperar pela floresta, avisa. “As coisas têm uma idade útil e um tempo. E o tempo na floresta não é compatível com a noção de tempo que temos hoje em dia, é tudo para ontem e não sabemos esperar. Na floresta, e principalmente na floresta de sobreiros, temos de saber esperar.”

O sobreiro sempre foi economicamente importante para Portugal. É a espécie dominante nos montados, cobrindo 23% da área total de floresta e é responsável por 54% da produção mundial de cortiça (o que representará 34% do total das exportações florestais nacionais).

Antes de alguém divulgar números sobre a sua capacidade e eficiência no sequestro de CO2, já se sabia a importância que o montado, um ecossistema ímpar no mundo, tem na protecção do solo contra a desertificação. Por essas e por outras, desde 2011, e após um projecto de resolução aprovado por unanimidade na Assembleia da República, o sobreiro, sobro, sobreira, ou chaparro, como lhe quiserem chamar, foi consagrado como a Árvore Nacional de Portugal. Não é só uma árvore na floresta.

[email protected]