Alqueva acrescentou 340 milhões de euros à agricultura portuguesa

O Governo está a negociar empréstimos para levar a rega a mais 50 mil hectares. O Alqueva aumentou o valor bruto da produção em 340 milhões de euros. Um estudo prova que, com as novas áreas regadas, o impacte do projecto na economia agrícola aumenta 35%.

Com novo investimento a área irrigada pode crecer mais de 40%
Foto
Com novo investimento a área irrigada pode crecer mais de 40% Nuno Oliveira/Arquivo

O Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva tornou-se um grande negócio para o Alentejo, para a agricultura e para o país. O negócio, que acrescentou 340 milhões de euros de valor bruto de produção da zona irrigada, é tão bom que o Governo quer agora alargá-lo com o crescimento da área regada em mais cerca de 50 mil hectares.

O plano de expansão de 120 para 170 mil hectares de área regada vai implicar um investimento de 220 milhões de euros e, para o justificar, o Governo encomendou um estudo à empresa de consultadoria Mateus e Associados que deixa no ar uma série de números esmagadores: face à realidade do Alentejo antes da barragem (o primeiro bloco de rega entrou em funcionamento em 2002), o crescimento da área regada vai, num ano cruzeiro, aumentar o valor bruto de produção em 504%, ou seja, mais 458 milhões de euros; o VAB, valor acrescentado bruto (o valor da produção menos custos intermédios como fertilizantes, sementes ou mão-de-obra), cresce 945% (mais 343 milhões de euros); e o número de postos de trabalho exigidos pela agricultura intensiva do regadio implicará a criação de mais 10.147 postos de trabalho.

PÚBLICO -
Foto
Obras de construção da barragem em Dezembro de 2002 Miguel Silva/Arquivo

Que o Alqueva tinha mudado a face do Alentejo e criado uma mola para um novo fôlego da agricultura portuguesa, já se sabia. Mas, pela primeira vez, uma equipa dirigida pelo economista Augusto Mateus dedicou-se à tarefa de medir com precisão o impacte económico dessa mudança. As conclusões são claras. A obra custou 2,4 mil milhões de euros e as receitas fiscais da fase de construção ascenderam a 680 milhões de euros – o que, como assinala José Pedro da Costa Salema, presidente da EDIA, empresa que gere o Alqueva, deu para pagar a contrapartida nacional para a obra, que foi principalmente financiada por fundos da União Europeia. E a plena utilização da área de regadio está já a gerar um valor de produção na ordem dos 339,7 milhões de euros e um VAB de 245 milhões. Estes valores mostram que o Alqueva multiplicou por dez a riqueza (o VAB) produzida na região irrigada e criou mais 7517 postos de trabalho.

Para se perceber o alcance da revolução do Alqueva há que considerar o poder que a água tem na agricultura. Antes, os cerca de 120 mil hectares que este ano foram, pela primeira vez, completamente regados estavam dedicados a pastagens, à cultura de trigo em sequeiro ou a amendoal ou olival de baixas produtividades. A chegada da água mudou tudo. Actualmente, a área do Alqueva deixou de ter trigo e passou a ser ocupada por milho regado (15% da área). O olival de regadio explodiu e ocupa hoje a maior fatia do perímetro do empreendimento (40%). Há também explorações dedicadas à fruta, aos hortícolas, à beterraba ou a culturas impensáveis há pouco tempo, como a papoila, um investimento dos escoceses da Macfarlan Smith para a produção de morfina. No Baixo Alentejo há quem aposte na plantação de romaneiras. A seca persistente na Califórnia tornou o amendoal uma cultura com um retorno entusiasmante.

A chegada da água fez com que o Alentejo se destacasse nos indicadores que assinalam a profunda mudança estrutural da agricultura portuguesa nas últimas décadas. Como no resto do país, o número de explorações diminuiu entre 1989 e 2013, mas, ao contrário do resto do país, a superfície total das explorações e a superfície agrícola utilizada aumentaram 6,5 e 5%, respectivamente – em Portugal houve uma redução de 13 e 9% nos dois indicadores. Com menos explorações, a área das que persistiram quase duplicou – ronda os 57 hectares. Em boa medida porque, com a água, entraram em cena empresas agrícolas com gestão profissional, capacidade financeira e escala para competir no mercado interno e internacional – no Alentejo havia no ano passado 3946 sociedades agrícolas, o triplo das existentes em 1989.

A chegada de uma vaga de empresas à zona de influência do Alqueva foi decisiva para a mudança. Ao todo, estas empresas e os proprietários alentejanos que foram capazes de apanhar o comboio da modernização investiram 414 milhões de euros desde 2007, principalmente em equipamentos de rega. Os resultados estão à vista: António Vieira Lima consegue colher oito toneladas de arroz em cada um dos dois hectares cultivados, quase o dobro da média nacional; a Sovena plantou na região o maior olival da Europa e construiu o lagar de azeite do Marmelo, o mais avançado do planeta, onde processa 6700 toneladas por ano; a Agromais saiu da sua zona tradicional, a Lezíria do Tejo, foi para o Alqueva plantar milho e diz que é naquele perímetro de rega que “está o futuro da agricultura portuguesa”. Nos últimos 15 anos, a produção de azeite impulsionada pelo projecto cresceu 350%, a beterraba cerca de 350% e o milho 150%.

PÚBLICO -
Foto
Rega com água da barragem de Alqueva em 2003 Rui Gaudêncio

Estes valores (aos quais há a acrescentar o impacte do turismo, a produção de energia ou o abastecimento humano) foram suficientes para o Governo dar luz verde ao projecto de alargamento da área regada. Ao contrário das previsões iniciais, as culturas instaladas no perímetro do Alqueva não exigem consumos de água muito elevados – o olival ou amendoal, por exemplo, requerem menos água que o milho ou as hortícolas. A reserva do Alqueva dá, assim, para irrigar novos blocos. Fez-se a conta e há mais 50 mil hectares que se podem juntar aos 120 mil já servidos pelas redes montadas na última década pela EDIA. Os proprietários ou investidores têm pressionado para que a segunda fase avance (ver entrevista ao lado). E os números da Augusto Mateus e Associados tiraram todas as dúvidas que pudessem subsistir.

Com um investimento que representa menos de 10% do custo da primeira fase, a área irrigada pode crescer um pouco mais de 40%. E se o seu potencial muda ainda mais radicalmente o cenário do Alentejo (e da agricultura portuguesa) em relação à planície seca de outrora, os seus ganhos face à situação actual, com a rega de 120 mil hectares, são relevantes: o valor bruto de produção cresce 119 milhões de euros, o valor acrescentado bruto aumenta 89 milhões de euros e criam-se mais 2630 postos de trabalho. Se as negociações com o Banco Europeu de Investimentos e a Comissão Europeia (no âmbito do Plano Juncker) derem certo, os novos blocos podem começar a gerar receitas já a partir de 2020.

Sugerir correcção