Marcelo na festa do 105.º aniversário de Manuela de Azevedo

O Presidente da República juntou-se a todos os que celebraram esta quarta-feira o 105.º aniversário da jornalista. A celebração incluiu conversas sobre o jornalismo e um conjunto de memórias de uma carreira que se iniciou na década de 1930.

Foto
Manuela de Azevedo foi em 2015 condecorada pelo antigo Presidente da República Aníbal Cavaco Silva COLECÇÃO DO MUSEU NACIONAL DA IMPRENSA

A jornalista e escritora Manuela Azevedo apagou hoje as velas dos seus 105 anos colocadas num bolo em forma de máquina de escrever e perante um coro, que incluiu a voz do Presidente da República, com quem trabalhou. Entre os episódios que contou, em Lisboa, com uma invejável lucidez e descrições visuais, Manuela Azevedo recordou as viagens que fez com Marcelo Rebelo de Sousa quando os dois partilhavam o ofício de jornalismo.

“Fizemos algumas viagens juntos. Sempre nos demos muito bem e há uma gaffe que eu cometi, numa viagem de avião para o Norte da Europa. Ele ia com o Adelino [Cardoso do Diário Popular] e eu que não sabia do passado de ambos [tinham trabalhado juntos em Moçambique] e disse que os extremos tocam-se, porque o Adelino era da extrema-esquerda e o outro da direita e eles não gostaram”.

“Estamos aqui não por fazer 105 anos, mas por ser a Manuela Azevedo”, garantiu Marcelo Rebelo de Sousa, na cerimónia organizada pelo Museu da Imprensa e Sindicato dos Jornalistas, até ser interrompido pela aniversariante para comentar que “é muito ano para uma pessoa só”. “Não é não. É uma idade rara, mas muito boa”, retomou o Presidente da República para acrescentar que o dia serviu para agradecer à jornalista e a condecorar com a Ordem da Instrução Pública já que a centenária recebeu outras condecorações pelo Mérito, Liberdade e Luta pela Liberdade em 1995 e 2014.

A condecoração foi acordada com o primeiro-ministro, António Costa, cuja mãe trabalhou com Manuela de Azevedo e serviu para o único comentário de Marcelo não dedicado à homenageada. “Ele [António Costa] era para ter vindo cá, mas não pôde, porque o Presidente acaba por ter menos trabalho que o primeiro-ministro e o primeiro-ministro estava ocupado hoje de manhã."

Já na viagem às suas memórias, Manuela de Azevedo relatou uma reportagem sobre barracas, “antes do 25 de Abril [de 1974]”, nas chamadas furnas de Monsanto, na zona de Lisboa. “E o que eram as furnas de Monsanto? Eram buracos nas rochas, com o chão cheio de poças de água e lama. E criancinhas, seminuas, descalças, brincavam ali enquanto um velho tuberculoso, que tinha acabado uma espécie de cama ou beliche na própria rocha, ia cuspindo a sua miséria para o chão”, relatou.

Manuela de Azevedo congratulou-se pelo alojamento posterior dessas 40 pessoas e aproveitou para dar a sua definição de jornalismo. “O jornalismo não é só aquele que diz que morreram tantas pessoas num desastre. O jornalismo é o defensor da objectividade, de focos, de problemas sociais".

Já diante dos caçadores do cachalote da Madeira tinha dito que a “função do jornalista não é olhar às dificuldades, mas [que] o objetivo é informar”.

A carreira feita a escrever começa em 1935 com artigos censurados, quando a partir de Viseu escreveu sobre a eutanásia. Onze anos depois assinava a manchete do Diário de Lisboa - “Fui criada de Sua Majestade” – que incluía textos escritos porque Manuela de Azevedo se disfarçou de aspirante de criada e entrou na Quinta da Piedade (Sintra), onde a família do rei Humberto II, de Itália, morava desde a deposição. Esses textos foram vendidos à imprensa estrangeira o que valeu “umas tantas libras” e a admiração de leitores por um pormenor: “Era não terem água corrente, com a água para os banhos a ir numa chaleira. E foi sensação em todo o mundo”, contou.

Ser mulher numa profissão de homens até foi “muito fácil”, garantiu Manuela de Azevedo, que comentou como o “decano Norberto de Araújo no Diário de Lisboa” a ‘baptizou’ de “lagartixa, por "mexer em toda a parte à procura de assuntos". Revelando que “a vista lhe falhou”, Manuela de Azevedo diz que só lê actualmente os títulos, mas prepara actualmente um livro porque as letras sempre foram a sua vida.

Sugerir correcção