Hamilton Rostam
Foto
Hamilton Rostam

Megafone

3Pês: Leithauser e o velho amigo Rostam em disco que palpita

Promo, Palco e Pista: os 3Pês de António Barroso. Sugestões musicais para este fim-de-semana, de 11 a 13 de Agosto

Sou do tempo de namorar os discos, ainda em vinil, nas montras das lojas, do “flirt” em cabinas ou simples "headphones" durante uns minutos, o que podia demorar dias ou um par de meses até juntar os escudos necessários à compra. Hoje faço-o em redes online, com os áudios e vídeos disponíveis. E dei comigo enamorado pelo novo trabalho de Leithauser + Rostam e de Weyes Blood.

Promo

Hamilton Leithauser (The Walkmen) e Rostam (Vampire Weekend) resolveram materializar anos de amizade e colaborações na música em “I Had A Dream That You’re Mine”, álbum trabalhado entre Julho de 2014 e Fevereiro deste ano, com lançamento marcado para outubro. “A 1000 Times”, que esta semana foi dado a conhecer nas redes sociais, prova que Hamilton era o “som” de “The Walkmen” e Rostam Batmanglij virou-se para “malhas” mais rock. Não deixei, no entanto, de me lembrar de Leonard Cohen quando ouvi o primeiro single, “In a Black Out”, o que só abona a favor de um disco cujo restante conteúdo é alvo de expectativas elevadas.

É difícil fugir à memória dos acordes de Virginia Astley em todo o fabuloso “Hope in a Darkened Heart”, de 1986, quando queremos ouvir algo que nos refastele em searas douradas, a levar com as brisas de Agosto e pólen de girassol, ou a chapinhar em pequenas represas, onde se semienterram garrafas de verde branco, do de agricultor, para refrescar na corrente. Mas, eis que, 30 anos depois, encontro esta tal de Weyes Blood e percebi que a culpa é minha: afinal, houve mais verões.

Na verdade, ela – que nasceu Natalie Mering, norte-americana, da Califórnia – chegou em 2011 com meia-dúzia de canções num primeiro registo digital, “The Outside Room”, somando-lhe outro, já com formato físico em 2014, “The Innocents”, do qual recordo “Bad Magic”. A sua bela e perturbante vocalização surge agora mais madura em “From Front Row Seat To Earth”, com lançamento marcado para finais de Outubro e com “Seven Words” como primeira amostra.

Outras frescuras deste Verão lançadas esta semana: “Olympic Village, 6AM”, tema dos Belle And Sebastian inspirado no ideal olímpico, colocado online esta semana, que coincidiu com os primeiros dias dos Jogos no Rio de Janeiro, e “Anyware” e “Lense”, para a estreia dos Motion Graphics, novo projecto de Joe “White” Williams.

Palco

Sexta (22h00), Bombino sobe ao palco do Teatro Circo, em Braga, para apresentar o seu mais recente trabalho, “Azel” (2016). Virtuoso na guitarra, Omara “Bombino” Moctarin traz blues, rock e reggae envoltos em sonoridades do Níger, seu país-natal, para fazer ouvir o que apelida de “tuareggae”. “Inar” é um bom exemplo disso tudo.

Com festivais para todos os gostos, de norte a sul, sugiro uma passagem “musculada” pelo SonicBlast, na praia de Moledo (Caminha), com Black Bombaim, Stoned Jesus, Black Wizards e Killimanjaro, entre outros (sexta e sábado).

Sábado, no Café da Casa da Música (Porto), é noite de despedida de Los Waves, banda dos portugueses José Tornada e Jorge da Fonseca, que anunciaram o fim há pouco tempo, mesmo depois de terem lançado, em Abril, “Don’t Wanna Be In Love”. O concerto é gratuito e refrescante.

Pista

Sexta-feira (dia 12), há soul onde Camilo e Plácido foram julgados. Parece literário, só que não. É música, é um dj set da Alexandra Gonçalves (Rádio Nova) no piso AM do Rádio (salas do antigo tribunal criminal do Porto), em que os mínimos são de bater o pezinho e os máximos de manear as ancas como nas mais frenéticas sessões gospel.