Novo site da Protecção Civil: gerir ou disponibilizar informação?

Página electrónica da Autoridade Nacional da Protecção Civil tem gerado muitas reacções críticas.

Foto
Os fogos florestais deste ano têm tido menos visibilidade nos meios de comunicação Rui Gaudêncio (arquivo)

O novo site da Autoridade Nacional da Protecção Civil (www.prociv.pt), relançado este mês, tem gerado muitas reacções críticas junto de alguns dos principais utilizadores, nomeadamente jornalistas e investigadores.

Duarte Caldeira, presidente do conselho directivo do Centro de Estudos e Intervenção em Protecção Civil, dá voz a estes protestos e lamenta que se tenha inundado a página com informação e se tenha retirado alguns dados essenciais, como a fita do tempo dos incêndios mais graves.

“Este site foi construído para gerir informação e não para disponibilizar informação”, acusa Caldeira, que lamenta que os dados não estejam “explícitos” e tornem muito mais difícil acompanhar a evolução dos incêndios.

O antigo presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses acredita que a mudança se inscreve numa nova estratégia de comunicação e que tal explica, em parte, porque os fogos florestais deste ano têm tido menos visibilidade nos meios de comunicação.

As ocorrências consideradas “importantes” são cada vez menos, o que se pode explicar em parte pelo facto do anterior Governo ter alterado os critérios que determinam essa classificação. Antes havia dois critérios alternativos “duração superior a três horas” ou “mais de 15 meios de protecção e socorro envolvidos”. Agora os requisitos são cumulativos.