Entrevista

"Antes, um terço dos doentes deixava de trabalhar"

Rui Tato Marinho, hepatologista no Hospital de Santa Maria (Lisboa) e vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia, admite que o preço dos medicamentos é caro mas lembra que os novos fármacos salvam vidas.

Foto
Rui Tato Marinho: “Foi uma revolução quando se descobriu o teste e o vírus” Nuno Coimbra

Quando ouviu falar do vírus pela primeira vez?
Há uma história engraçada. Em 1974, num artigo publicado na revista Lancet, um autor escreve que deve haver um vírus que não é nem A nem B, deve ser C. Só que isto não pega, como em muitas coisas da medicina. Passou então a ser denominado “não-A não-B”. Mas a história do tratamento já tem 30 anos, fazíamos injecções com interferão e a percentagem de cura era de 6%. O problema é que até 1989 não havia teste. Foi uma revolução quando se descobriu o teste e o vírus.

Quantos doentes existem em Portugal?
Neste momento só há dois países com estatísticas fiáveis, os EUA e França. Para Portugal há estudos que apontam para 1% da população. Mas apenas temos dados concretos na população de toxicodependentes. Nos cerca de 30 mil em seguimento, no grupo dos que consomem por via injectável, 81% estarão infectados, segundo o SICAD. Há alguns anos, foi criada uma comissão de acompanhamento no Infarmed, fizeram-se inquéritos nos hospitais que tratavam doentes e foi então que surgiu o tal número dos 13 mil [pacientes]. Em Portugal haverá cerca de 250 médicos a tratar hepatites, não só hepatologistas, mas também infecciologistas e especialistas de medicina interna

Foi um processo longo, a negociação para a introdução da inovação terapêutica?
Durante dois ou três anos houve uma geração intermédia de medicamentos que não foram aprovados, o que gerou uma certa ansiedade por parte dos doentes. Mas isso passou. É importante dizer que Portugal, neste momento, tem duas das melhores coisas do mundo: o transplante de fígado, que chega para aí a 250 pessoas por ano, e o acesso de toda a gente ao tratamento, mesmo que não tenha doença grave.

Mas não acontece o mesmo noutros países?
Não. Os espanhóis, por exemplo, de uma maneira geral, só têm para os casos mais graves e para as mulheres grávidas.

Estes fármacos foram revolucionários?
Sim, foram revolucionários. A Gilead tomou a dianteira, mas agora há vários, da BMS [Bristol-Myers Squibb), da AbbVie, da Janssen, da Merck, os preços vão baixando. Neste momento há cinco [laboratórios] com fármacos comercializados. Antes, a combinação de uma injecção de interferão por semana, que se prolongava por um ano, um ano e meio, provocava efeitos secundários - cansaço, irritabilidade, anemia, alterações da tiróide, depressão, queda de cabelo. Um terço dos doentes [mais graves] deixava de trabalhar. Alguns comparavam o tratamento a quimioterapia.

Chegou a curar doentes tratados em ensaios clínicos?
Sim, a primeira vez que ouvi falar em comprimidos para tratar hepatite C foi em 2010, quando veio cá um americano da Abbvie. Ele perguntou se acreditávamos que fosse possível curar a hepatite C sem interferão. Se você vem cá do outro lado do Atlântico falar com portuguesitos é porque sim, respondi. Os ensaios clínicos foram entretanto aparecendo. Em 2013, também foi um murro no estômago, começámos a fazer os comprimidos sem interferão. Tive os primeiros resultados uma semana ou 15 dias depois, andava embasbacado pelos corredores do hospital, os doentes estavam com cargas víricas baixíssimas ou nulas. Até se dizia então: isto é igual à banha da cobra, cura tudo, não tem efeitos secundários, apesar de ser um bocadinho mais caro.

Por que é que os preços variam consoante os países?
Os países andam a velocidades diferentes. A Suíça tem uma estratégia, está fora da União Europeia, e aprovou logo. A Alemanha quase não discute o preço, tem os seguros. Nos EUA, andava na altura toda a gente muito feliz, porque estavam a curar os doentes e era muito pior para os seguros se tivesse que pagar mortes. Porque isto salva vidas.

Houve muitas pessoas que morreram enquanto esperavam?
Não, não vou dizer isso. Prefiro ser positivo e afirmar que temos duas das melhores coisas do mundo. E olhar para o futuro. Agora, estou a fazer ensaios com medicamentos ainda sem nome. Quanto mais se tem, mais se quer. Queremos encurtar tempo de tratamento para oito semanas, tratar também pessoas já com doença muito avançada. Estudos internacionais indicam que 20% dos doentes a aguardar por transplante saem da lista de espera, porque melhoram. Esta história é um bocado parecida com o que se passou com a vacina da hepatite B. Quando apareceu, em 1986, o Estado dizia que era muito cara, que devia ser só para grupos de riscos. É como os telemóveis, como os computadores: no princípio são muito caros. Todo o negócio deste mundo capitalista é assim.