Britânicos viram as costas à União Europeia e entram em território desconhecido

"Brexit" vence referendo com 52% dos votos, segundo resultados provisórios. Libra cai para valores mínimo em 31 anos.

Partidários da saída festejam a vitória
Foto
Partidários da saída festejam a vitória Reuters

Desafiando os avisos económicos e as previsões, os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido deve sair da União Europeia, dando um passo que nunca foi dado por nenhum outro país em meio século de história da instituição. Mais de 17 milhões de britânicos (52%) votaram a favor do “Brexit”, segundo os resultados oficais anunciados ao início da manhã desta sexta-feira. A ruptura com Bruxelas demorará anos a concretizar-se, mas a decisão bastou para fazer cair a libra para mínimos em décadas.

Ao abrigo do artigo 50.º do Tratado de Lisboa, cabe ao Governo britânico notificar oficialmente o Conselho Europeu da decisão de abandonar a comunidade – um passo que não se sabe ainda quando será dado – e estipula um prazo de dois anos para a conclusão das negociações. Se não houver acordo por essa data, a saída pode concretizar-se sem acordo, a menos que a totalidade dos restantes Estados decida prolongar as discussões. As atenções nas próximas horas vão estar, por isso, centradas na reacção dos principais líderes europeus a uma decisão com consequências para a estabilidade de toda a União Europeia.

Na primeira reacção ao veredicto dos britânicos, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, admitiu que este é um “momento político grave, até mesmo dramático”, de consequências ainda imprevisíveis, mas garantiu que a UE “está preparada para reagir a este cenário negativo”. “Em nome dos 27 e sete líderes quero dizer que estamos determinados em manter a nossa unidade a Vinte e Sete. Para nós, a união é o garante do nosso futuro em comum”.

Horas antes da abertura oficial dos mercados europeus, a libra caiu já para valores mínimos desde 1985, naquela que é a maior queda da cotação da moeda britânica de que há registo, maior ainda do que no auge da crise financeira, em 2008. Quedas idênticas são esperadas nesta sexta-feira não só na bolsa londrina, como nas praças europeias.

Siga o "Brexit" ao minuto

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou a demissão. Nigel Farage, o líder do partido anti-europeu UKIP, declarou este “o dia da independência do Reino Unido” e disse acreditar que outros países vão seguir o mesmo caminho: “A UE está a falhar, a UE está a morrer”.

Cameron garantiu, por várias vezes, que não se demitiria em caso de derrota, mas a sua autoridade – sobre o Partido Conservador e o Governo, ambos dividido neste referendo – está agora em questão. Quinta-feira à noite, mal as urnas encerraram, 80 deputados conservadores que fizeram campanha pela saída divulgaram uma carta afirmando que Cameron “tem o dever e tem mandato” para continuar à frente do executivo, mas não é certo até que ponto o primeiro-ministro terá condições políticas para, como afirma, liderar as negociações com a UE.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, terá também de enfrentar questões internas, depois de ter sido acusado por vários responsáveis do seu partido de pouco empenho na campanha a favor da permanência. Questões mais difíceis de responder quanto foi nos bastiões do Labour no Norte de Inglaterra – uma região onde há muito o UKIP tem vindo a fazer ganhos – que se verificaram algumas das maiores votações a favor da saída. 

Recusando comentar estas divisões, Corbyn defendeu que a prioridade do Governo deve ser iniciar o quanto antes as negociações para garantir a defesa “dos trabalhos e dos direitos dos trabalhadores britânicos”. Reconhecendo que o descontentamento com a imigração alimentou o voto eurocéptico, Corbyn pediu também a criação de um “fundo de compensação” para as regiões economicamente mais deprimidas do país que receberam nos últimos anos um número elevado de trabalhadores vindos de outros países.

Os resultados contrariam as últimas sondagens, incluindo a que foi divulgada pela Sky News após o fecho das urnas. Mas cedo na noite eleitoral se começou a perceber que os resultados poderiam ser diferentes – passava pouco da meia-noite quando os resultados oficiais de Sunderland, no Norte de Inglaterra, atribuíram uma vitória folgada à saída, com 61% dos votos. Com todos os votos contados, verifica-se que só a Escócia, a Irlanda do Norte e Londres votaram maioritariamente a favor da permanência, mas os seus votos não foram suficientes para contrariar a maior mobilização dos eleitores do “Brexit” nas restantes regiões de Inglaterra e no País de Gales.      

A líder do governo autónomo escocês, Nicola Sturgeon, disse já que a votação “deixa claro que o povo escocês vê o seu futuro como parte da UE", deixando no ar a possibilidade de os nacionalistas escoceses decidirem pela repetição do referendo à independência.

Na Irlanda do Norte, o Sinn Féin fez também saber que “este resultado intensifica o argumento a favor da unificação da Irlanda”, uma alusão que promete gerar calafrios juntos dos partidos unionistas com que o partido republicano partilha o Governo em Belfast.