Último uniforme de Hitler leiloado em Munique por 275 mil euros

Venda de peças que pertenceram a dirigentes nazis rendeu mais de 600 mil euros.

Adolf Hitler
Foto
Adolf Hitler Reuters

Um comprador misterioso totalmente vestido de negro, que se apresentou como cidadão argentino, comprou, no passado sábado, num leilão em Munique, várias peças que pertenceram a Hitler e a outros líderes nazis, pagando no final mais de 600 mil euros.

Entre os objectos arrematados, de acordo com a reportagem do jornal alemão Bild citada pelas agências Reuters e AFP, estava o casaco do último uniforme utilizado pelo líder nazi, pelo qual foi paga a quantia de 275 mil euros, mas também um par de calças com bolsos em couro – “para que ele pudesse transportar discretamente uma arma”, segundo explicou a leiloeira Hermann Historica –, que valeram 62 mil euros, e ainda placas de uma radiografia que lhe foi feita após a tentativa frustrada de assassínio em Julho de 1944.

Entre os 169 itens vendidos estavam também uma caixa de latão que guardou a cápsula de cianeto que Hermann Göring engoliu quando aguardava julgamento em Nuremberga, em 1946, que foi arrematada por 26 mil euros, um relógio de aviador (42 mil euros) e ainda roupa íntima de seda daquele que foi um dos braços direitos de Hitler (três mil euros).

Segundo o relato do jornal Bild, “o comprador da segunda fila” licitou as várias peças que adquiriu usando o número 888, escolha a que não terá sido allheio o facto de o número 88 ser idolatrado pelos simpatizantes nazis por significar, no alfabeto, o lugar da letra “H”  de Heil Hitler.

O dito argentino, que se expressou num inglês carregado de sotaque espanhol, “seria um homem ao serviço de um coleccionador particular”, admite o tablóide alemão – que contornou a proibição de cobertura mediática do leilão enviando um repórter disfarçado de cliente da casa leiloeira. A Argentina foi o país escolhido por muitos nazis que conseguiram fugir da Alemanha após a derrota em 1945.

A realização deste leilão foi criticada pelo Conselho Geral dos Judeus da Alemanha, que na véspera o classificou como uma iniciativa “escandalosa e desprezível” – segundo a AFP, também o prefeito de Munique expressou o seu descontentamento perante a venda.

Em comunicado divulgado no seu site, a casa Hermann Historica justificou o leilão explicando que só vende objectos da História contemporânea da Alemanha, e destinados a museus, arquivos e coleccionadores sérios, “para ajudar a compreender os acontecimentos da era nazi e fazer com que eles não voltem a repetir-se”, cita a AFP.

As peças leiloadas em Munique faziam parte da colecção pessoal do ex-médico urologista do Exército dos Estados Unidos John K. Lattimer (1914-2007), que acompanhou os acusados nazis no decorrer dos Julgamentos de Nuremberga (1945-46).