“O cyberbullying deve ser tratado como o que realmente é: violência”

Investigadora alerta para os perigos da partilha de informação na Net: 11% dos universitários assumem ter sido vítimas.

PSP pede a quem receber mensagem para fazer queixa formal
Foto
A investigadora da Universidade do Minho alerta para o "reality show à escala planetária" criado pela internet. Manuel Roberto

Caso de vídeo sexual divulgado, roubo de contas, insultos e tortura psicológica, criação de contas falsas (entre elas “um blog para gozar”) e divulgação não autorizada de dados pessoais e imagens. O que têm em comum estes casos? Todos se passaram na Internet. Todos atingiram estudantes universitários. Foram todos apelidados de cyberbullying.

Luzia de Oliveira Pinheiro estudou durante seis anos este tema, a intimidação e a perseguição na internet (cyberbullying e cyberstalking), até terminar a tese de doutoramento na Universidade do Minho. Resultado: 11% dos estudantes universitários afirma terem sido vítimas de cyberbullying. Vítimas de insulto, difamação, intimidação, ameaça ou perseguição intencional e sistemática na Internet.

Estas conclusões resultam de 193 inquéritos digitais a jovens das Universidades do Minho e da Beira Interior, entre Janeiro e Março de 2013 e integram a tese de doutoramento Cyberbullying e Cyberstalking de Luzia de Oliveira Pinheiro, homologada há duas semanas.

Porém, a autora do estudo adverte: os dados não podem ser generalizados. A amostra permite tirar conclusões, mas nunca generalizar os resultados para um universo de portugueses com acesso à Internet em casa que supera os 70%.

Entre aqueles questionados em inquéritos digitais, outros 11% pensam que talvez já tenham sido vítima deste tipo de bullying. Um crime de intimidação, encarado por muitos como uma moda do século XXI, que Luzia de Oliveira Pinheiro se recusa a desvalorizar. “O cyberbullying deve deixar de ser visto como um tabu social para que possa ser tratado como o que realmente é: violência.”

A autora reconhece que a Internet desinibe comportamentos, “leva à publicação por impulso, pouco ou nada ponderada”. Enquanto vítimas, os inquiridos admitiram ter vergonha, tanto de terem sido alvo de cyberbullying, como pelo conteúdo partilhado sobre eles. Os próprios acreditam serem pessoas desprevenidas e inconscientes, que desvalorizavam o perigo das relações online e que se expuseram demasiado.

E porquê? Para a autora do estudo, algumas das pessoas “agiram propositadamente para se sentirem famosas”. O desejo de reconhecimento e a reputação assumem uma importância extrema nestes meios, numa fase da vida marcada pela consolidação das relações entre amigos e pela preocupação com a entrada no mercado de trabalho. Outras terão sido vítimas por descuido.

A velocidade a que a informação circula na rede pode abalar de forma extrema a reputação. É um ambiente em que “tudo que entra na Internet, fica na Internet” e em que não há espaço nem tempo para deletes. “Na internet qualquer boato, qualquer conteúdo se espalha em segundos. As imagens e os vídeos, de um momento para o outro, todos podem ver. A reputação é incrivelmente abalada, perdida”, explica a autora.

Vítimas do próprio comportamento

Quanto à Internet, os inquiridos consideram-na um espaço em que se sentem livres que oferece uma privacidade única e um mundo exclusivo de amigos e contactos pessoais. A autora do estudo salienta, porém, que a Internet cria “uma proximidade que não é real”  tendo as vítimas demonstrado comportamentos inconsequentes. Expuseram-se ainda a factores de risco sem muitas vezes “medir as consequências” e “revelaram detalhes privados de forma excessiva, o que, além de as tornar alvos fáceis, também faz com que elas sejam vítimas de si mesmas”.

A autora alerta: os efeitos do cyberbullying podem ser graves. “Além de perder a reputação, a vítima pode ser estigmatizada pela sociedade, auto estigmatizar-se, entrar em depressão ou mesmo suicidar-se”, adverte a investigadora da Universidade do Minho, com base em sete casos que recolheu em blogs e redes sociais.

“Na internet é mais rápido e fácil destruir a reputação de alguém” do que frente a frente. Exemplos concretos: uma das sete histórias que a investigadora conta é a de Laura Barns, estudante do ensino secundário, californiana. Laura pôs termo à vida três dias depois de um vídeo seu “numa situação socialmente embaraçosa” ter sido publicado e divulgado pela comunidade a que pertencia. Laura acabou por ceder perante os insultos e o gozo de que foi alvo na internet. Como em vida, o vídeo do seu suicídio foi divulgado nas redes sociais. Em 2014, a história de Laura Barns deu origem a um filme. Unfriended deixa a mensagem: “Online as suas memórias duram para sempre”. 

Reality show online

Para a autora da tese, a Internet protagoniza um reality show à escala planetária, em tempo real, 24 horas, sete dias por semana. Os efeitos desta exposição constante contribuem para que a vítima, de acordo com o estudo, possa ser “prisioneira do seu próprio descuido ao qual se junta a vontade de alguém se aproveitar disso”. A informação pessoal é, neste cenário, a arma do agressor.

Quando se questiona, porque é que alguém praticou cyberbullying, a resposta de Luzia de Oliveira Pinheiro é categórica: “porque podia”. A autora acredita que “a culpa não é da Internet, é das pessoas”. “Cabe às pessoas pensar na hora de partilhar online, de se informarem. As pessoas têm de conviver com a realidade da existência do cyberbullying e da possibilidade de terem de lidar com ele.”

Ainda que o estudo tenha sido realizado em ambiente universitário, a investigadora acredita que qualquer pessoa é vulnerável, “tenha a idade que tiver”. Durante de seis anos de estudo, Luzia conclui que “qualquer pessoa pode praticar e ser vítima de cyberbullying.”

Os distúrbios psicológicos, a má formação cívica e a vontade de descarregar a agressividade são motivos que podem levar alguém a ser cyberbully. Também pode estar na causa deste tipo de comportamentos o excesso de tempo livre, o prazer com o sofrimento dos outros e situações de brincadeira. A autora acredita que muitos agressores o fazem “para experimentar e ver como é”.

Texto editado por Pedro Sales Dias