Aberta via segura para civis fugirem de Falluja

Calcula-se que nas últimas 24 horas tenham abandonado a cidade iraquiana cerca de quatro mil pessoas. Forças governamentais mantêm cerco.

Membro das forças de segurança iraquianas nos arredores de Falluja
Fotogaleria
Membro das forças de segurança iraquianas nos arredores de Falluja Alaa al-Marjani / Reuters
Fotogaleria
Grupo de habitantes de Faluja que conseguiram fugir da cidade e chegar a uma zona controlada pelo exército MOADH AL-DULAIMI/AFP

Milhares de pessoas têm conseguido abandonar a cidade iraquiana de Falluja nas últimas horas, depois de as forças governamentais terem conseguido abrir uma via terrestre segura no sábado.

A rota chama-se al-Salam, que significa “paz”, e é isso que pode representar para as dezenas de milhares de civis que permanecem em Falluja — cidade que nas últimas semanas tem sido alvo de uma ofensiva conjunta do exército iraquiano, forças paramilitares xiitas e serviços de contra-terrorismo. As Nações Unidas estimam que estejam na cidade cerca de 90 mil civis sem hipótese de sair e sem acesso a água e comida.

Há duas semanas que as forças leais ao governo do primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, entraram em Falluja e mantêm a cidade cercada. O objectivo da operação é retirar o controlo da cidade — a apenas 50 quilómetros a oeste de Bagdad — ao autoproclamado Estado Islâmico, que a tem sob seu poder desde Janeiro de 2014.

A abertura do entroncamento de al-Salam tem permitido a fuga de milhares de civis. “Já havia vias de saída anteriormente, mas esta é a primeira a estar completamente protegida e é relativamente segura”, disse à Reuters o porta-voz das forças iraquianas, Yahya Rasool.

Nas primeiras 24 horas após a abertura da estrada, cerca de quatro mil pessoas conseguiram fugir de Falluja, confirmou o porta-voz do Conselho Norueguês para os Refugiados, Karl Schembri. “Esperamos que milhares sejam capazes de sair nos próximos dias”, acrescentou. O exército não avançou qualquer estimativa quanto ao número de civis que usaram a saída.

A via através do cruzamento de al-Salam foi assegurada depois de os militares terem feito recuar os militantes do EI dos bairros localizados na margem ocidental do rio Eufrates, explicou o porta-voz do exército.

Desde que a ofensiva iraquiana começou, a 23 de Maio, já fugiram da cidade 20 mil civis, segundo a ONU, muitas vezes em condições muito perigosas por causa da falta de saídas seguras. Há relatos de pessoas que morreram afogadas quando tentavam atravessar o Eufrates a bordo de frigoríficos vazios ou armários de madeira, que serviam de embarcações improvisadas.

Para além do cerco, sobre os civis paira também o perigo dos combates no centro de Falluja. As organizações internacionais temem que os militantes do Estado Islâmico usem civis como escudos humanos.

A tomada de Falluja tem uma dupla importância para o governo iraquiano. Por um lado, priva o Estado Islâmico de uma base estratégica a partir de onde tem lançado atentados na capital do país. Por outro, uma vitória no terreno vem também dar alguma margem de manobra ao primeiro-ministro, Haider al-Abadi, para reduzir o nível de contestação que o seu governo enfrenta.

As dúvidas que neste momento se levantam dizem sobretudo respeito à gestão de Falluja pós-libertação. A cidade de maioria sunita era um bastião do regime de Saddam Hussein e foi lá que a resistência à invasão norte-americana de 2003 foi maior. Acima de tudo, teme-se uma repetição dos erros dos últimos anos, em que poucos anos depois de ter sido libertada, Falluja voltou a cair em mãos extremistas. A cidade tornou-se num terreno fértil para organizações como a al-Qaeda e, posteriormente, o Estado Islâmico — que a tomou em Janeiro de 2014, meio ano antes de fundar um “califado” no Iraque e na Síria.

Para a coligação internacional que tem bombardeado as posições do Estado Islâmico nos dois países é Mossul o grande objectivo no teatro iraquiano. No terreno, as forças iraquianas e os seus aliados peshmerga continuam a progredir, tendo alcançado Hajj Ali, uma aldeia nas margens do rio Tigre e muito próxima da cidade de al-Qayyarah — o derradeiro bastião jihadista antes de Mossul.