Alfama não se quer ser uma Disneyland para turista ver

A Associação e População de Alfama organizou um debate sobre o futuro do alojamento no bairro. Moradores e académicos discutiram as consequências do boom turístico.

Foto
Público/arquivo

Todos têm uma certeza: Alfama não se pode tornar em mais uma Disneyland. "É difícil lutar contra os Santos Populares e a Marcha", brinca Maria Lurdes Pinheiro, presidente da Associação do Património e População de Alfama (APPA), que está à frente da organização do debate "Alfama: Turismo, tradição e futuro", que decorreu no sábado, no Museu do Fado, em Lisboa. 

As ruas do bairro típico lisboeta estão repletas de bandeiras coloridas, do cheiro a sardinhas e a marcha do bairro foi apresentada no sábado, pela primeira vez. "Já temos moradores de Alfama na plateia", afirma mais tranquilizada Maria de Lurdes Pinheiro. "Por enquanto", diz um dos moradores.

Quem já está no auditório do museu presencia o permanente olhar curioso de turistas que através das janelas envidraçadas tentam compreender o que se passa. De facto, é mesmo sobre eles que se fala. O boom turístico, o desalojamento de moradores do bairro e a sua possível descaracterização foi o foco escolhido numa conversa entre residentes e o mundo académico.

"Nós não somos contra o turismo, mas temos de dar oportunidade a quem quer viver no bairro", afirma Maria de Lurdes Pinheiro no arranque do debate. "Qualquer dia, os turistas são vizinhos uns dos outros". Revelando que a APPA não tem nenhum remédio para a situação, quer que esta seja uma conversa que transporte medidas para o poder político. "Não queremos que quando acabar o boom turístico fiquemos sem ninguém no bairro".

Adília Rivotti trabalhou 15 anos em Alfama, como assistente social no Gabinete de Reabilitação Urbana e ainda se lembra quando, em 1992, desceu pela primeira vez o Beco de Santa Helena e avistou o bairro. Agora antropóloga, é uma das oradoras convidadas. "O bairro sempre integrou gente nova. Muitos dos alfacinhas de Alfama são da província", afirma. De acordo com a antropóloga, Alfama sempre foi uma terra de migrantes e isso nunca foi problema.

Ao PÚBLICO, Adília Rivotti explicou que há uma diferença."Não é o mesmo haver um jovem ou alguém de outro ponto da cidade que venha viver para Alfama ou haver pessoas a alugar à quinzena e à semana". A antropóloga fala no "turismo imobiliário" e na falta de ligação que se cria no bairro. "A rotação é tão rápida que ninguém se conhece e não se cria uma relação". Há uma desvirtuamento do que o bairro é e, "às tantas, temos aqui uma Disneyland".

Turismo mata o turismo?

De acordo com a antropóloga, "o sangramento de gente" em Alfama, começou com a inversão do projecto de reabilitação do bairro. Quando o bairro iniciou o processo de reabilitação, em 1986, havia o objectivo de preservar e fazer permanecer a população local, a partir de 2004, tudo mudou. "Saiu muita gente". Houve uma retirada da intervenção pública no bairro, em que a câmara não assegurou muitos edifícios. "Daqui a nada o que os turistas procuram já lá não está. Os poderes políticos devem ser chamados a falar sobre a matéria".

Foi também esse o ponto focado pelo sociólogo José Luís Casanova. " A ideia é básica, quando o turismo é de mais mata o turismo". Para o sociólogo deve existir um debate entre os residentes, os trabalhadores do bairro e os responsáveis políticos. "É uma decisão do bairro sobre o que quer ser", afirmou sobre a participação dos moradores. Como forma de alerta sobre a falta de participação cívica, deu o exemplo da mudança de paisagem do litoral algarvio. "É o que acontece quando as pessoas não fazem nada", salientou.

Não descartou a importância do turismo na actividade económica do bairro, até porque, "as pessoas encontram no turismo uma tábua de salvação". Acrescenta que as crises económicas são épocas frágeis e as forças envolventes tentam sempre fazer com que as pessoas se sujeitem a alugar as casas a preços maiores e a alugá-las a turistas.

É por isso que José Ferreira, Domingos Silva e João Almeida fizeram questão de estar presentes na primeira fila do auditório. Na casa dos 70 anos, vivem no bairro desde crianças e vêem com preocupação o abandono de habitantes do bairro e a dificuldade que os mais novos têm em arranjar casa. José Ferreira levantou a voz no debate e referiu o caso de "uma senhora que se sentiu mal e ninguém a acudiu, pois não havia ninguém no prédio".

Domingos Silva nem quer imaginar quando terminar a lei das rendas, em vigor nos últimos cinco anos, e os senhorios tiverem oportunidade de levantar o valor. "Em princípio, os velhos não podem sair, mas se o valor aumentar para uns 500 euros eles não conseguem pagar", afirma com indignação João Almeida. Vive no mesmo prédio de Domingos Silva e se já coabitaram mais 15 famílias, hoje são apenas eles os inquilinos.

Num debate que não gerou muitas sugestões, a presidente da APPA, Maria de Lurdes Pinheiro anunciou que a associação irá organizar mais uma conversa sobre o tema em Setembro, num dia a anunciar. "É para se ir falando e discutindo". 

Texto editado por Bárbara Wong