Orquestra Jazz de Matosinhos vai tocar no Blue Note, em Nova Iorque

Banda dirigida por Pedro Guedes e Carlos Azevedo actuará pela primeira vez no mítico clube ao lado do guitarrista norte-americano Kurt Rosenwinkel.

Fotogaleria
Orquestra Jazz de Matosinhos DR
Fotogaleria
Carlos Azevedo e Pedro Guedes em Nova Iorque, aquando do concerto da OJM com Lee Konitz DR
Fotogaleria
Lee Konitz no concerto com OJM na Casa da Música, em 2006 Adriano Miranda
Fotogaleria
Orquestra Jazz de Matosinhos Fernando Veludo/NFactos
Fotogaleria
Orquestra Jazz de Matosinhos Fernando Veludo/NFactos

“Este ano é em cheio!”. A exclamação é de Pedro Guedes, pianista e compositor, a comentar a nova viagem da (sua) Orquestra Jazz de Matosinhos (OJM), que esta semana vai regressar a Nova Iorque para actuar, pela primeira vez, no Blue Note, um dos palcos consagrados do jazz mundial.

Depois de ter iniciado o ano com um espectáculo na Konzerthaus de Viena, a OJM vai agora retomar a parceria com o guitarrista norte-americano Kurt Rosenwinkel, para uma semana de concertos – de 17 a 22 de Maio, com duas actuações diárias – no famoso palco de Greenwich Village. E, mais lá para a frente, pisará novos palcos internacionais, entre Belgrado e Barcelona.

Este “ano em cheio” é, pois, mais um passo na “estratégia de internacionalização da música, e dos músicos, da OJM”, acrescenta Pedro Guedes – que com Carlos Azevedo divide a direcção musical desta formação que ambos criaram em 1999, com o apoio da Câmara Municipal de Matosinhos.

A nova semana de concertos no Blue Note segue-se a quatro visitas anteriores da formação à costa Este dos Estados Unidos, em que actuaram noutros espaços de Nova Iorque – Birdland, Jazz Standard, Jazz Gallery e Iridium –, e também no Beantown Jazz Festival de Boston. “São momentos bons; é a oportunidade de relembrar situações anteriores, e voltarmos várias vezes a um lugar como Nova Iorque faz crescer a nossa música”, diz Pedro Guedes. “Espero que seja a última vez antes da próxima”, acrescenta.

A estreia da OJM na Big Apple aconteceu em 2007, quando participou no JVC Jazz Festival, no Carneggie Hall. Dois anos depois, tocou na mesma cidade com o consagrado saxofonista Lee Konitz, com quem viria a gravar o seu segundo disco, Portology – depois de um primeiro registo com outro músico norte-americano, Orquestra Jazz de Matosinhos invites: Chris Cheek (2006).

A terceira gravação da OJM foi com novo músico norte-americano: o guitarrista Kurt Rosenwinkel, com quem registaram Our Secret World (2010). É este trabalho que está na base do reportório que a OJM e Rosenwinkel vão agora tocar no Blue Note. “É uma parceria musical que temos com um grande guitarrista e um grande compositor”, diz Pedro Guedes. “Com ele, estamos sempre a criar novos temas e novos arranjos”, acrescenta o maestro da orquestra, que divide com Carlos Azevedo – e também com o saxofonista francês Ohad Talmor – o rearranjo de vários temas que integram Our Secret World, e que vão ser apresentados no Blue Note, como Zhivago, Secret of the old, Turns, ou Path of the heart.
 
No cartaz em que anuncia a nova semana de concertos da OJM com Kurt Rosenwinkel, o bar nova-iorquino realça que o saxofonista “tem-nos dado uma música que nos conta histórias de uma forma extraordinária e com um alcance imaginativo fora do vulgar”. E cita declarações do próprio Rosenwinkel a recordar a sua colaboração com a banda portuguesa de jazz, e a intensa semana de gravações, em Setembro de 2009, que dariam lugar a Our Secret World. “O que fez o projecto funcionar foi a atitude e o entusiasmo de todos os músicos. Senti verdadeiramente que toda a gente me estava a apoiar, a apoiar a minha música, e realmente a dar o seu melhor. Foi um grande desafio para eles, e eles estiveram mais do que à altura. O espírito que esteve presente durante todo esse trabalho foi fantástico”, disse o saxofonista.

Depois desta nova semana em Nova Iorque, e no que diz respeito a experiências internacionais, Pedro Guedes cita futuras actuações em Espanha, perto de Alicante, com a cantora Maria João, em Agosto; seguindo-se Belgrado, capital da Sérvia, com o pianista João Paulo Esteves da Silva; e, mais para o final do ano, o regresso ao Festival Internacional de Jazz de Barcelona, onde a OJM é formação residente desde há dois anos. Nessa altura – avança Pedro Guedes –, a orquestra vai apresentar um projecto novo, com o pianista norte-americano Fred Hersch.

Também 2017 promete vir a ser um “ano cheio” para a OJM, pois está agendada para a primeira metade do ano a conclusão das obras de restauro e modernização da antiga fábrica da Real Vínicola em Matosinhos, que será a sede da orquestra, além da Casa da Arquitectura. “É um espaço fantástico, que será muito importante para a evolução do nosso projecto para o futuro”, antecipa Pedro Guedes, fazendo notar que, a partir dessa altura, a OJM terá as melhores condições para conciliar a continuidade da aposta na internacionalização com um “trabalho de interacção com a comunidade”, que está também no programa original da orquestra matosinhense.