Editorial

As Filipinas em mãos criminosas

Não foi preciso Donald Trump para o mundo de hoje se habituar a ver coisas que até aqui tinha por impensáveis. Nas Filipinas, país com uma história sangrenta, acaba de ser eleito Presidente um homem que se assume como criminoso. Chama-se Rodrigo Duterte, tem 71 anos, e disse durante a campanha qualquer coisa como isto: “Esqueçam as leis de Direitos Humanos. Se eu chegar ao palácio presidencial, farei o que fiz enquanto autarca. Vocês, traficantes de droga e os que não fazem nada, bem podem desaparecer. Porque enquanto autarca eu matar-vos-ia.” Além disso, ao falar de um freira que foi assassinada num motim prisional em Davao, em 1989, disse (e há um vídeo a prová-lo) que ela era tão bonita que ele não se importava de ser o primeiro a violá-la. Mesmo assim foi eleito, com 38,6% e 15,8 milhões de votos. Confiam nele, diz-se, para dirimir um conflito com a China. Se o fizer da mesma forma que apoia esquadrões da morte, teme-se o pior.