Governo venezuelano suspende racionamento da eletricidade em Caracas

O executivo liderado por Nicolás Maduro decidiu também que não aplicará o plano a hospitais, aeroportos e organismos de segurança.

Foto
O governo de Caracas ajustou o plano de poupança de energia AFP

O Governo venezuelano anunciou sexta-feira à noite que a cidade de Caracas será excluída do novo plano nacional de racionamento de eletricidade, por ser a sede dos órgãos de poder públicos. "Há circuitos nos quais não se aplicará o plano, tais como hospitais, aeroportos, organismos de segurança. No Distrito Capital, por ser a sede dos poderes públicos, também não se aplicará o plano", anunciou o ministro da Energia Elétrica, Luís Motta Dominguez, na sua conta no Twitter.

O anúncio teve lugar horas depois de o Governo liderado pelo Presidnete Nicolás Maduro ter apresentado um novo plano de racionamento de energia elétrica, que passa também pelo corte de fornecimento doméstico, durante quatro horas diárias, durante 40 dias, a partir de segunda-feira. O racionamento poderá prolongar-se até o nível da principal barragem do país, El Guri, que está em mínimos históricos, recuperar ou até começar a época das chuvas (finais de Maio).

Segundo o ministro, a suspensão será feita ao longo do dia, em blocos de quatro horas, estando o serviço eléctrico garantido para todos os venezuelanos apenas entre as 20h e a meia-noite.

A 6 de Abril, o Presidente da Venezuela anunciou a redução do horário de atendimento da administração pública, que passou a funcionar apenas até às 13h, e decretou que até Junho as sextas-feiras são dias em que não se trabalha, para poupar energia.

Em Março, Nicolas Maduro decretara dias feriados o período entre 19 e 27 de Março, coincidindo com a época da Páscoa, para poupar água e energia.