Habitantes de Évora vão ter comboios de mercadorias a passar à cabeceira da cama

A autarquia só soube do traçado final do eixo ferroviário Sines-Caia em final de Janeiro e critica que tráfego de carga, que pode incluir produtos perigosos, vá atravessar zonas habitadas a cada 20 minutos.

Fotogaleria
Traçado marco a vermelho DR
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Tanto a Câmara de Évora como a população do concelho sempre pugnaram pela materialização do eixo ferroviário de mercadorias entre Sines e Badajoz, demonstrando, por diversas vezes, o seu apoio. Agora, a comunidade alentejana enfrenta uma situação que está a provocar mal-estar e revolta. “O comboio é importante para o país, mas não neste sítio”, observa a presidente da União de Freguesias do Bacelo e Senhora da Saúde, Gertrudes Pastor, sintetizando desta forma o estado de alma dos moradores que vivem nos bairros de Évora que irão ter o traçado da nova via férrea mesmo ao lado das suas casas.

As razões da sua apreensão surgem depois de saberem que as composições de carga podem chegar aos 750 metros de comprimento e vão circular, em média, de 20 em 20 minutos a cerca de dez  metros de residências. “A população passa a ter comboios a circular junto à cabeceira da cama”, diz o presidente do município, Carlos Pinto de Sá (CDU), ao PÚBLICO, quando descreve o impacto do ramal ferroviário para os habitantes de vários bairros de Évora.

O autarca garante que só teve conhecimento por onde ia passar o traçado do eixo ferroviário Sines-Badajoz “há algumas semanas”. Quando os técnicos e responsáveis do município se debruçaram sobre o projecto, verificaram que o traçado significava um “corte brutal feito dentro da cidade de Évora”. Pinto de Sá diz já ter inquirido a tutela sobre as razões de uma tal opção. O autarca recebeu uma resposta taxativa – “A decisão está tomada e não há nada a fazer” –, assumindo a sua incompatibilidade com “factos consumados”.
“O traçado foi estabelecido, em 2007, pelas entidades responsáveis na altura após a realização dos obrigatórios estudos, nomeadamente de impacto ambiental”, respondeu o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas ao PÚBLICO, quando questionado sobre a forma como geriu os contactos com o actual executivo da Câmara de Évora na discussão deste projecto. Num comentário às críticas da autarquia, a tutela refere que “está a analisar” o dossier que lhe foi endereçado pela Câmara de Évora, “tendo em vista a concessão de uma audiência”. E mais não adiantou.

Nos documentos enviados pelo município alentejano consta uma apreciação crítica ao aproveitamento do ramal ferroviário entre Évora e Estremoz. Nas explicações prestadas ao PÚBLICO, Pinto de Sá presume que o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas pretende fazer o “aproveitamento do ramal de Estremoz que é domínio público ferroviário”, mas com um custo que tanto o município como a população não estão dispostos a aceitar.

A população não compreende que esta solução ferroviária — que está dimensionada para um intenso movimento de tráfego pesado que o autarca diz poder vir a ser de 56 comboios diários com uma extensão que pode chegar aos 750 metros — aproveite um traçado onde actualmente circulavam quatro automotoras por dia. “É inexplicável que num território onde não é difícil encontrar terrenos livres e espaços abertos se opte por uma solução destas, a qual terá de funcionar por pelo menos um século”, assinala Pinto Sá.  

A mesma opinião é partilhada por Gertrudes Pastor, que já realizou vários plenários com os moradores dos bairros mais afectados pela ferrovia. “As pessoas estão apreensivas, porque lhes são vedadas acessibilidades ao resto da cidade e à qualidade de vida que desfrutam neste momento”, frisa a autarca.

A  passagem dos comboios vai implicar a colocação de barreiras de som, um muro que irá cortar vistas e acessos que apenas se farão através de passagens superiores, a única alternativa que será disponibilizada às pessoas, na sua maioria com problemas de mobilidade. Isto significa, diz a presidente da união de freguesias, “andar mais de um quilómetro para passar de um lado para o outro do bairro”. Acresce ainda que os transportes públicos serão interditados.

O município já enumerou um conjunto de situações que classifica como anómalas, se a solução apontada para o actual ramal ferroviário que liga Évora a Estremoz não for abandonada. A opção “compromete o crescimento” de Évora para nascente e divide a cidade, “isolando bairros através da supressão de ligações” rodoviárias existentes.   

A circulação de carga implica uma “elevada perda da qualidade de vida dos habitantes por causa dos ruídos e vibrações”, inerentes ao transporte ferroviário de mercadorias, as quais, “nalguns casos, serão perigosas”, devendo ser encarada a “susceptibilidade de derrames”, alerta a autarquia.

Neste ponto, a câmara faz referência ao cumprimento do “Regulamento Relativo ao Transporte Ferroviário Internacional de Mercadorias Perigosas”, que impõe áreas a isolar em função do grau de perigosidade da mercadoria, que podem variar de 30 metros a um quilómetro, este último aplicado a matérias mais perigosas.

Ora, a área de isolamento de um quilómetro “seria impraticável por representar metade da cidade de Évora e parte do centro histórico”, adverte a autarquia, chamando a atenção para as consequências, caso ocorra um acidente ferroviário com matérias perigosas “dentro da área urbana”. 

Pinto de Sá deixa um recado: “Quando se pensa num investimento estruturante, não podemos considerar apenas o investimento directo, temos de considerar tudo aquilo que é o impacto desse investimento.” Tendo isto em conta, o autarca diz que, para responder às preocupações da população de Évora, bastaria alterar “menos de 10% da linha, o que não implicaria alterações substanciais ao nível do orçamento, mas apenas ao nível do projecto”.