“Cinema com Terra” leva a agricultura e a ruralidade ao Porto

Ciclo de cimena traz para as telas do cinema Passos Manuel, no Porto, documentários sobre ecologia.

Foto
Os organismo geneticamente modificados são um dos temas deste ciclo de cinema sobre ecologia João Henriques

Há espaço no cinema para filmes que tratem sobre a agricultura, a ruralidade, a saúde e alimentação? Sim há, e estes estão à mostra a partir desta quinta-feira no cinema Passos Manuel, no Porto.

A 2ª mostra “Cinema com Terra” traz até à cidade Invicta em seis sessões, ao longo de três dias - desde quinta-feira, 31 de Março, até sábado, 2 de Abril – um conjunto de filmes que mostram uma renovação cinematográfica ao nível do documentário contemporâneo, que demonstra que os cineastas cada vez mais revelam interesse artístico e cívico pela ecologia.

Este ano, a cabeça de cartaz desta mostra é a jornalista de investigação e realizadora francesa Marie-Monique Robin, vencedora de diversos prémios e condecorada com a Legião de Honra pelo Governo francês, que estará presente neste ciclo durante os dois dias em que serão exibidos filmes da sua autoria. 

Durante o dia de abertura do programa, que decorre esta quinta-feira, pelas 18h, os filmes em cartaz são todos produzidos em Portugal e por portugueses, com documentários de Carlos Eduardo Viana, Gonçalo Mota, Sara Baga e José Vieira, que tratam a realidade rural e agrícola no nosso país a partir de aldeias de diferentes pontos do país. Uma verdadeira lição de como manter terrenos agrícolas, fazer cultivos à moda antiga e até mesmo de como preservar sementes naturais.

Os dias de sexta-feira e de sábado são dedicados à exibição de filmes de Marie-Monique Robin, que, "embora com imagens por vezes cruas, apresenta a ecologia pelo seu lado positivo e não catastrofista, já que visa sempre lançar os debates públicos e promover as lutas cívicas", explica a organização, a cargo das associações Colher Para Semear e Campo Aberto.

Entre os filmes que serão exibidos está o conhecido documentário O Mundo Segundo a Monsanto, sobre a multinacional norte-americana que é hoje líder mundial do comércio de Organismos Geneticamente Modificados e que é considerada, pelo movimento ecologista mundial, como um dos grandes poluidores da era industrial. Graças a este documentário e ao livro homónimo, que está traduzido em 15 línguas, o debate sobre os transgénicos e a agroquímica mantém-se vivo: a Greenpeace enviou-o a todos os deputados franceses e, frequentemente, a autora apresenta-os em muitos dos países mais afectados pela introdução dos transgénicos. o programa completo pode ser consultado aqui

O abandono dos territórios agrícolas e o desaparecimento das tradições rurais, assim como a preocupação crescente com a degradação do meio ambiente têm despertado o interesse de muitos realizadores e produtores que, através do documentário, têm chamado a atemção para a situação actual da agricultura e da ecologia.

Em Portugal, há 20 anos que se realizam filmes sobre estas temáticas. A ideia surgiu no seio da associação Colher Para Semear – Rede Portuguesa de Variedades Tradicionais, que está directamente ligada às práticas agrícolas e à produção de alimentos, ideia a que aderiu a Campo Aberto – Associação de Defesa do Ambiente, com sede no Porto.