A garraiada em Coimbra vai mudar pelos direitos dos animais

O Conselho de Veteranos e a Associação Académica de Coimbra reconhecem alterações na sociedade relativamente à tauromaquia.

O Conselho de Veteranos e a Comissão da Queima das Fitas consideram que está a haver uma "mudança na sociedade".
Foto
O Conselho de Veteranos e a Comissão da Queima das Fitas consideram que está a haver uma "mudança na sociedade". DR

O Conselho de Veteranos (CV) da academia de Coimbra revelou esta segunda-feira que o programa da garraiada da Queima das Fitas poderá vir a ser alterado a fim de salvaguardar os direitos dos animais. Considerada ao longo do século XX como um "abraço de Coimbra à Figueira da Foz", a lide de toiros jovens na arena desta cidade é integrada ano após ano no cartaz da Queima das Fitas conimbricense, levando centenas de jovens à Praia da Claridade.

Ainda não foram tomadas decisões, mas o dux veteranorum, João Luís de Jesus, que preside aos trabalhos do CV, disse à agência Lusa que estão a ser ponderadas alterações ao programa que possam responder "ao que a sociedade está a questionar" sobre as actividades tauromáquicas.

João Luís de Jesus disse que o assunto foi abordado recentemente numa reunião promovida pela plataforma cívica "Não Lixes...", dinamizada pelo activista Fernando Jorge Paiva. Nos últimos anos, esta plataforma tem procurado sensibilizar os organizadores e participantes da Queima, e outras festas académicas, de Coimbra para a necessidade de mudar comportamentos, designadamente ao nível do consumo excessivo de bebidas alcoólicas, com vandalismo, utilização de palavrões nos cânticos de rua e atentados contra o ambiente, como o lançamento de carrinhos de supermercados para o rio Mondego.

Luís Lobo, da Associação Académica de Coimbra e Presidente da Comissão Organizadora da Queima das Fitas (COQF), adiantou ao PÚBLICO que a comissão está “a estudar possibilidades para reestruturar a actividade da garraiada”, para ir de encontro às mudanças na sociedade, tal como disse o dux veteranorum. Explica o estudante de Coimbra que “Queima das Fitas sem tradição não é Queima das Fitas”, e que por isso não é sua intenção "acabar com a garraiada”, mas antes analisar outras formas de realizar esta actividade.

A COQF vai reunir com diversas associações para estudarem a questão da garraiada, nomeadamente com o movimento cívico Queima das Farpas, que vem lutando pela abolição da garraiada na Queima das Fitas de Coimbra. Durante os últimos anos, a Queima das Farpas tem promovido iniciativas e lançado petições contra a garraiada nas festas académicas de Coimbra, com a petição deste ano a já reunir quase 4 mil assinaturas.

O partido Pessoas Animais Natureza (PAN), que participou na reunião organizada pela “Não Lixes…”, anunciou esta segunda-feira em comunicado que "acaba de abrir um diálogo positivo e construtivo” com o Conselho de Veteranos sobre as actividades académicas em torno da garraiada.

"A cidade e a academia, à semelhança da iniciativa da sua congénere do Porto, podem também posicionar-se na linha da frente no que diz respeito ao bem-estar e à protecção animal", defende o PAN. O Magnum Consillium Veteranorum, do Porto, já retirou o seu apoio à realização da Garraiada integrada na Queima das Fitas do Porto, após uma mobilização estudantil contra a mesma.

João Luís de Jesus confirmou à Lusa que "houve esses contactos" com os representantes do PAN presentes no encontro, quando "a sociedade está a ver com outro olhar" as actividades tauromáquicas. Importa "fazer evoluir" o programa da garraiada na Figueira da Foz, com "uma solução para isso que terá de se ponderar", preconizou.

"Coimbra sempre se colocou na vanguarda das grandes transformações socioculturais e avanços civilizacionais vividos em Portugal", realça o PAN, concluindo que as práticas da garraiada colidem com "este quadro de pensamento e de actuação", quando na sociedade surgem "várias posições" contra manifestações de "violência gratuita para com os animais" associadas a eventos académicos.