Step-up: a cadeira de rodas que sobe passeios

Step-up é o nome da cadeira de rodas que sobe passeios, escadas e outros obstáculos do dia-a-dia e está a ser desenvolvida por um músico e uma start-up israelita

Foto
Step-up

Step-up foi uma ideia do músico Ilan Aviv que surgiu devido à deficiência motora que afecta os seus sogros. Sem qualquer experiência na área medicinal ou de produção start-up, decidiu tentar melhorar a qualidade de vida dos seus entes queridos sendo que o produto pode ajudar mais cidadãos que sofram do mesmo problema.

Levou a sua ideia à ZAE, empresa conhecida pelos seus investimentos e desenvolvimento de projectos em variadas áreas, que abraçou a sua iniciativa: já tinha várias soluções de cadeiras de rodas — nomeadamente uma "low cost", leve e desenhada especialmente para crianças de terceiro mundo com o suporte máximo de 40 kg — vendo no seu projecto potencial suficiente para o abraçar.

Segundo o The Jerusalem Post, o projecto permite aos cidadãos com capacidades motoras reduzidas circular por todos os pavimentos sem necessitar de rampa para deficientes nos edifícios, seja em autocarros, passeios, escadas, etc.

Foto
Cadeira de rodas low-cost

“Eles ensinaram-me tudo sobre desenvolvimento de produto e, quando vi finalmente o protótipo a trabalhar, sabia que era exactamente aquilo que queria”, explicou Ilan Aviv ao Globes.

O projecto consiste, basicamente, num par de arcos que são colocados na cadeira de rodas eléctrica, sem modificar a sua estrutura ou capacidade de movimentação. Quando o utilizador se depara com uma escada ou passeio, os arcos estendem-se para o degrau juntamente com as rodas frontais ficando as rodas traseiras paradas, havendo uma suspensão da cadeira no ar. De seguida, os arcos da roda traseira puxam a cadeira de rodas para a frente (ainda suspensa no ar) e quando ultrapassado o obstáculo, tanto os arcos como a cadeira de rodas, voltam à posição normal.

Além do seu fácil manuseamento, esta cadeira de rodas inclui um sensor tecnológico que permite o utilizador ascender ou descender os obstáculos até 20 cm contrariamente às outras cadeiras de rodas que requerem manuseamento manual. Todo o sistema está desenvolvido para que não haja qualquer balanceamento que prejudique a estabilidade do utilizador sem que a cadeira esteja estável.

Com o orçamento que ronda os 1.300 a 1.800 euros, o projecto está a ser desenvolvido e ainda não está no mercado, visto que, tanto a empresa como o criador da ideia continuam a tentar arranjar a financiamento para todos os custos que a inovação requer.