Semana cultural da UC reflecte sobre o papel do livro em Coimbra

Universidade de Coimbra aproveita para mostrar colecções que normalmente não estão em exposição.

A Biblitoeca Joanina é talvez o mais notável exemplar europeu de uma biblioteca universitária barroca
Foto
Biblioteca joanina celebra 300 anos em 2016 Carla Carvalho Tomás

São dois meses de conferências, ciclos de cinema, espectáculos de dança, teatro e exposições que já não cabem numa semana. A duração desta 18º edição da Semana Cultural da Universidade de Coimbra (UC) foi aumentada para acolher tanta iniciativa.

O tema que serve de mote ao programa, “O Livro: No princípio, era o conhecimento”, serve, segundo a vice-reitora para a cultura da UC, Clara Almeida Santos, como pretexto para reflectir não só sobre o papel do livro na actualidade e sua materialidade, mas também sobre o diálogo inter-religioso e inter-cultural.

A escolha do tema prende-se igualmente com a efeméride da autorização régia de D. João V para a construção da Casa da Livraria da Universidade – que é hoje a Biblioteca Joanina cujos 300 anos se assinalam em 2016.

A “semana mais longa do mundo”, como é apelidado pela vice-reitora o conjunto de eventos que começa a 1 de Março e termina a 1 de Maio, é da responsabilidade da UC com o contributo de vários agentes culturais da cidade e conta com um orçamento de 50 mil euros.

“Há uma vontade da UC em [durante este período] abrir as suas colecções ao público”, em “mostrar algumas coisas que aqui existem e que, por falta de condições não estão em exposição”, explica a vice-reitora em declarações ao PÚBLICO, à margem da apresentação do programa.

Entre a programação, Clara Almeida Santos refere várias colecções de antropologia, botânica ou física que normalmente não estão abertas ao público mas que a UC “tem interesse em promover”.

“A UC não é só a Biblioteca Joanina e o Pátio das Escolas”, desenvolve, explicando que “ter as salas [dessas colecções] abertas ao público implicaria muitos recursos da universidade”. Em períodos de maior restrição orçamental, a UC concentra esforços na sua missão estatutária, aponta Clara Almeida Santos, “que é a transferência de conhecimento”.

No entanto, reconhece que a classificação da universidade como património da humanidade pela UNESCO reforça a responsabilidade da instituição para com os seus visitantes.

A Semana Cultural da Universidade de Coimbra assinala também os 726 anos da Universidade Coimbra, celebrado a 1 de Março. Relaccionado com o tema, vão estar também expostos vários documentos e livros antigos, como uma bíblia hebraica do século XV.