Iñárritu e DiCaprio arrebatam os BAFTA

O Renascido ganha os prémios principais da indústria audiovisual britânica.

Foto
Leonardo DiCaprio na cerimónia em Londres DR

The Revenant: O Renascido e Alejandro González Iñárritu e Leonardo DiCaprio continuam a posicionar-se na linha da frente para a cerimónia dos Óscares, com o filme novamente em destaque na série de prémios que antecedem os da Academia de Hollywood, marcados para o final do mês. Desta vez, o filme realizado pelo mexicano e que tem como protagonista DiCaprio ganhou cinco prémios, incluindo os de melhor filme, melhor realizador e actor em Londres, na cerimónia dos British Academy of Film and Television Arts (BAFTA) de domingo à noite.

Além de O Renascido, os prémios britânicos para o cinema e televisão foram distribuídos por Mad Max: Estrada da Fúria, que recolheu a maior parte dos prémios das categorias técnicas, e por Quarto, Steve Jobs, A Ponte dos Espiões e Brooklyn, tendo Carol ficado excluído depois de partir como o mais nomeado, com nove nomeações (as mesmas que A Ponte dos Espiões).

À quarta foi de vez para Leonardo DiCaprio, escreve a imprensa britânica sobre os prémios, destacando que o actor norte-americano já tinha estado três vezes em Londres para a cerimónia dos BAFTA com os filmes O Aviador, The Departed – Entre Inimigos e O Lobo de Wall Street, sem nada ganhar. Ao receber o prémio, Leonardo DiCaprio disse ter sido muito influenciado na sua carreira por actores britânicos como Tom Courtenay, Gary Oldman, Peter O'Toole e Daniel Day Lewis. O actor agradeceu também à mãe por o ter ajudado a transformar-se numa superestrela, apesar de ter nascido num bairro difícil, e desejando-lhe um feliz aniversário.

“Não estávamos à espera disto tudo esta noite. Já falámos várias vezes como foi difícil fazer este filme, e foi mesmo, mas estamos tão orgulhosos”, disse depois aos jornalistas.

Alejandro González Iñárritu, cujo filme Birdman no ano passado ganhou os Óscares de melhor realizador e melhor filme, descreveu a vitória como "esmagadora", segundo a BBC, acrescentando que o "talento e empenho" de DiCaprio neste "projecto arriscado" conseguiram "manter o filme a respirar".

The Revenant: O Renascido é um drama biográfico que conta a história do pioneiro Hugh Glass, um caçador e explorador abandonado depois de ter sido atacado por um urso. O filme é a luta desesperada pela sobrevivência no Inverno extremo do Wyoming do século XIX.

Há uma semana, Iñárritu conseguiu vencer pela segunda vez os prémios da Guilda dos Realizadores, vistos como um dos indicadores mais precisos para os Óscares entregues em Los Angeles a 28 de Fevereiro , depois de DiCaprio ter conquistado o prémio da Guilda dos Actores oito dias antes. Já em Janeiro, tinha conseguido os Globos de Ouro de melhor realizador, melhor filme dramático e melhor actor dramático.

Nos BAFTA, o filme de Iñárritu ganhou ainda nas categorias de fotografia e som.

Os protestos contra uma indústria demasiado branca que prometem dominar a cerimónia dos Óscares tiveram uma pequena representação em Londres à porta da Royal Opera House, onde decorreu a cerimónia: “A indústria da televisão e do cinema é masculina, branca e velha. Com medo da diversidade, oportunidade e inclusão” #baftablackout. As piadas sobre o tema tornaram-se irresistíveis durante a entrega dos prémios: o actor Sacha Baron Cohen, relata o Guardian, disse que estava a apresentar “o prémio para melhor actriz branca”, que foi para Brie Larson pelo seu papel de uma mãe presa em Quarto.

Kate Winslet ganhou o seu terceiro BAFTA pelo papel de uma executiva da Apple em Steve Jobs, tendo a actriz destacado no seu discurso de vencedora de melhor actriz secundária que tinha sido “um ano extraordinário para as mulheres”. Mais tarde, esclarece o jornal britânico, explicou como nunca esquece o “conselho” que recebeu aos 14 anos de um professor de teatro nestas ocasiões — podia ter sucesso desde que fosse nos papéis para meninas gordas. “Nestes momentos sinto sempre que qualquer jovem que tenha sido desmoralizada por um professor, um amigo e mesmo um dos pais não deve ligar nada, porque foi o que eu fiz — continuei e ultrapassei os meus medos e inseguranças.”

O britânico Mark Rylance recebeu o primeiro BAFTA — de melhor actor secundário — pelo seu papel como espião russo em A Ponte dos Espiões, de Steven Spielberg.

Mad Max: Estrada da Fúria, de George Miller, conseguiu quase todos os prémios nas categorias técnicas, sendo o segundo vencedor da noite com quatro prémios, nas categorias de montagem, maquilhagem e cabeleireiro, design de produção (direcção artística) e ainda de guarda-roupa.

Brooklyn, de John Crowley, ganhou na categoria de melhor filme britânico. Com argumento de Nick Hornby e baseado no romance homónimo de Colm Tóibín, conta uma história de emigração irlandesa para os EUA.

O prémio de documentário foi para Amy, de Asif Kapadia, sobre a vida de Amy Winehouse, enquanto Ennio Morricone ganhou, aos 87 anos, um prémio para a banda sonora para o filme de Quentin Tarantino Os Oito Odiados.

Star Wars: O Despertar da Força ganhou o prémio para os efeitos visuais e John Boyega, o britânico que faz de Finn no filme, foi escolhido como estrela emergente, no único prémio decidido pelo público.