Como há dez anos, vai voltar a haver 24 e Prison Break na TV

Séries que se tornaram marcas fortes, com uma ajuda do binge watching, regressam à televisão – 24 ainda é só um piloto, mas Prison Break é uma série-acontecimento.

Foto
DR

As negociações e os rumores eram constantes e confirmaram-se na sexta-feira: duas das séries marcantes do início dos anos 2000 estarão de volta, crime, tensão e fantasma do terrorismo garantidos, mas em formatos diferentes. O universo securitário de Jack Bauer pode regressar com um 24 sem Jack Bauer, e a fuga de dois irmãos de Prison Break terá o elenco original mas será uma chamada “event series” – ou seja, terá duração limitada, à semelhança de Heroes Reborn ou do regresso iminente de Ficheiros Secretos.

A Fox olha para dois dos seus maiores sucessos dos últimos 15 anos – 24 estreava-se em 2001, com os atentados de 11 de Setembro a pairar, e Prison Break em 2005 – com o plano de aproveitar a força das suas marcas. “Com o elevado volume de conteúdos televisivos nas generalistas, na televisão por subscrição e no streaming, ter brand recognition é apelativo para” os canais em sinal aberto, contextualiza a revista Variety. Isto acontece numa altura em que a televisão por subscrição e novas plataformas como o streaming do Netflix ou da Amazon ganham pontos não só junto da crítica e no circuito de prémios, mas também nas audiências (séries consideradas de nicho como o terror de The Walking Dead, do AMC, ou a fantasia de Guerra dos Tronos, da HBO, estão entre as mais vistas).

Sobre 24: Legacy, o processo está apenas no início e a CEO do canal, Dana Walden, frisou à Variety que a equipa quer que a personagem principal “seja tão diferente de Bauer quanto possível”, deixando em aberto que o protagonista pode ser “um actor afro-americano ou latino”. À revista Hollywood Reporter, fontes próximas do projecto indicam que nenhuma das personagens de 24 voltará.

Está encomendado o episódio-piloto, que deve ser filmado ainda neste Inverno e que se centrará num herói do Exército dos EUA que regressa ao seu país precisando da ajuda do CTU onde Bauer trabalhou para se manter a salvo e, claro, para evitar o plano de um atentado terrorista no país. Na produção estará a equipa de 24, Howard Gordon, Evan Katz, Brian Grazer e Manny Coto. 24 foi também um telefilme com Kiefer Sutherland como Bauer, Redemption, e uma série-acontecimento, 24: Live Another Day, de 12 episódios.

O formato de event series está a ser explorado pela Fox neste mesmo mês de Janeiro em que se prepara o regresso de Ficheiros Secretos (seis episódios, que em Portugal se estreiam dia 24 no canal Fox, dois dias depois da première nos EUA), e terá continuidade com outro sucesso do canal, Prison Break. Uma série bem recebida na sua primeira temporada, em 2005, e que, à medida que se espraiava até à sua quarta e última tranche de episódios, foi perdendo espectadores e o favorecimento da crítica.

Contudo, foi uma das séries bafejadas pelo fenómeno do binge watching e o advento dos serviços de streaming, chegando mesmo a públicos mais jovens graças à sua presença no Netflix, por exemplo. Em 2012, foi a série mais consumida em formato binge watch (muitos ou todos os episódios de uma só vez) em serviços de vídeo on demand. “Prison Break teve esta óptima oportunidade de ser vista por todo um novo público [no Netflix]”, dizia no Verão passado Dana Walden, citada pelo diário britânico Independent.

Agora, conforme a Fox anunciou sexta-feira no encontro da Television Critics Association, tornou-se oficial o seu regresso, dez novos episódios segundo o que tinha sido já avançado em Agosto de 2015 , com Wentworth Miller e Dominic Purcell (os irmãos Michael Scofield e Lincoln Burrows, e independentemente do seu destino no final da quarta temporada) e com o seu criador Paul Scheuring ao leme. No encontro dos críticos de televisão do Verão de 2015, a série tinha sido vagamente descrita como “um bocado uma sequela” a ter lugar “uns anos depois” do final da quarta temporada. Não foi apresentada data de estreia da série, mas é dada como possível para as grelhas de 2016/17.

Sugerir correcção