Entrevista

Ramalho Eanes: “Ou saltamos para o futuro ou acabamos por perdê-lo”

O ex-Presidente participou na campanha de Sampaio da Nóvoa, em Castelo Branco, na manhã desta terça-feira.

Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

No seu distrito, Eanes regressa ao passado. Já por aqui passou, nesta exacta fábrica Centauro que produz refrigeradores, em Fevereiro de 1982. Era Presidente da República e veio inaugurar o complexo, como mostra uma placa evocativa. Os donos oferecem-lhe uma foto emoldurada da placa. Eanes agradece, mas pede licença para a oferecer a Sampaio da Nóvoa, o candidato que está ao seu lado. “Fica aí, como prova de exigência”, diz, a sorrir. Nóvoa responde: “E de responsabilidade.”

Eanes é um dos apoiantes de peso da candidatura de Nóvoa. Ele que foi um Presidente com difíceis relações com o PS, e na passada eleição apoiou Cavaco Silva. Questionado pelos jornalistas, no final da visita, Eanes admitiu que via “semelhanças” entre ambos. Mas também “muitas diferenças”.

Numa curta entrevista ao PÚBLICO, explica a razão do seu apoio ao ex-reitor da Universidade de Lisboa, num dia que Nóvoa dedica a visitar "bons exemplos" de projectos económicos e industriais.

Quando é que percebeu que Sampaio da Nóvoa é o seu candidato ideal?
Conheço o professor Sampaio da Nóvoa há bastante tempo. Conheço a sua biografia. Entendo que é um homem que conhece muito bem a História. E que percebe muito bem por que é que Portugal entrou numa situação de “eclipse” como dizia [António] Sérgio. Naturalmente, conhece o Mundo e o país e sabe como podemos sair daqui. É um homem de missão mas é um homem normal, igual aos outros. É excelente na sua profissão. E sabe que só é possível modificar a economia de um país com inovação, conhecimento, através do ensino.

Chegou a dizer que esta eleição tem uma importância decisiva para o futuro. Porquê?
Eu acho que sim. Quando se olha para a Europa e para o país, constata-se que o tempo que se vive é de crise. Uma crise profunda. Mas os tempos de crise são também tempos de oportunidade e tempos de promessa. O que é necessário é aproveitá-la. Nós estamos num momento decisivo. Ou saltamos para o futuro ou acabamos por perdê-lo. E perdê-lo agora seria muito complicado...

O que espera desta candidatura?
Os portugueses têm vindo a afastar-se da política. Muitos cidadãos desistiram de ser actores do acontecimento público. Espero que esta campanha mobilize esses que se afastaram para que percebam que a sociedade só muda, o país só encontra uma via sustentada de desenvolvimento, se eles participarem. Essa participação exige mobilização, reivindicação e exige, quando for necessário, revolta. Uma revolta democraticamente entendida.  Espero que haja a possibilidade de mobilizar os portugueses. E que eles possam exigir que os governantes tomem decisões importantes e transparentes.