“Tenho dois adversários: a abstenção e Marcelo Rebelo de Sousa”

Sampaio da Nóvoa faz campanha em seis distritos, em dois dias.

Fotogaleria
Sampaio da Nóvoa em campanha na manhã desta segunda-feira Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Na creche da Santa Casa da Misericórdia de Oliveira de Azeméis há uma “árvore dos desejos”, um placard com um triângulo de folhas verdes a imitar a copa de um pinheiro, onde as crianças e os pais dizem, numa palavra, o que os faria felizes. Uma delas repete um dos desejos expressos pelo candidato presidencial Sampaio da Nóvoa que atravessa, demoradamente, o edifício inaugurado em 1999 por Ferro Rodrigues: Igualdade.

O candidato cruza-se com a turma do pequeno Danilo, quando as crianças sobem a escada, em fila indiana, para o refeitórios onde os espera um “arroz de pescada malandrinho com cenoura”. Talvez por isso, ou porque as escadas estão cheias de adultos desconhecidos (uns vestem fato e gravata, outros carregam máquinas fotográficas e de filmar), não há grande conversa entre os eventuais futuros eleitores e o candidato. Mas na parede do corredor das salas é possível saber que o que faria Danilo feliz era receber como prenda “aquelas duas coisas para enfiar na pistola": "Aquilo que eu já vi na televisão”. A sua colega Maria Neves é mais concreta: “Uma viola, um piano, um tambor.”    

Na noite anterior, em Viseu, debaixo de um dilúvio, Nóvoa explicara a ligação entre os desejos das crianças e a sua candidatura. O que o fez avançar, revelou, foi a necessidade de contrariar “a ideia de que os nossos filhos vão viver inevitavelmente pior que nós”. “Vim em nome de um país futuro”, disse.

Na manhã desta segunda-feira, antes de visitar a Misericórdia de Oliveira de Azeméis, o candidato conheceu o país presente, na feira de Espinho. Queixas e mais queixas, numa enorme venda semanal reduzida a uma pálida expressão do que já foi. “Estamos todos a ir ao fundo de um poço”, queixa-se uma das vendedoras ao candidato, que a ouve, acenando com a cabeça e prometendo fazer “tudo o que puder”.

A feira é um teste, difícil. Se, por um lado, Nóvoa já não passa despercebido, e quase toda a gente o identifica, por outro lado essa notoriedade (desejada pela candidatura) cola-lhe o rótulo óbvio: “político”. “Só se lembram de vir à feira nas eleições”; “eu não vou votar em ninguém”.

Por isso, o candidato elege a abstenção como o seu primeiro “adversário” nestas eleições. “Tenho dois adversários: a abstenção e Marcelo Rebelo de Sousa”, afirma, aos jornalistas. Fazendo o balanço da manhã, em terras do distrito de Aveiro, Nóvoa elogiou “a enorme generosidade das pessoas” que encontrou e a “grande mobilização em torno da candidatura”. Isso, acredita, “traduzir-se-á certamente em votos”, no dia 24.

Para Nóvoa, a “proximidade” é uma imagem que quer deixar junto dos eleitores. Porque a um candidato, defende, “não basta falar, precisa de ouvir as pessoas”.

Ao segundo dia de campanha oficial, Nóvoa completa um percurso em seis distritos. O domingo começou em Seia, na Guarda, depois continuou na capital do distrito, rumou a Mangualde, prosseguiu em Viseu e pernoitou em Espinho, já no distrito de Aveiro. Esta segunda-feira começou na feira de Espinho, continuou em Oliveira de Azeméis, passou pelas festas de São Gonçalinho, em Aveiro, de onde rumará, ao fim do dia, a Coimbra. Mas o dia só terminará na Covilhã, distrito de Castelo Branco.

Sugerir correcção