O espírito do leão

Através de uma narrativa histórica sobre um rei branco no Vale do Zambeze, Khosa retrata um tempo formador da moderna identidade moçambicana

Foto
Ungulani Ba Ka Khosa evoca neste seu novo livro, sob vários aspectos, o romance seminal da moderna literatura africana: Quando Tudo Se Desmorona, de Chinua Achebe

Em Choriro, o escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa (n. 1957) — nome tsonga de Francisco Esaú Cossa — narra a história de um rei branco no Vale do Zambeze na segunda metade do século XIX, Luís António Gregódio, a quem todos chamavam Nhabezi, o curandeiro, “por mostrar grandes habilidades no trato de ervas e mezinhas”. O português Gregódio fora um antigo caçador profissional de elefantes, “um branco que se ambientou na língua e nos costumes”, e que se tornou dono e senhor de vastas terras na confluência dos rios Lângua e Zambeze numa época que ficou conhecida pelos historiadores como “período mercantil” — quando as explorações portuguesas começaram a espalhar-se pelo Sul de África. Gregódio conseguiu juntar em seu redor uma população de indivíduos de várias etnias da região e escravos fugidos dos prazos (terras da Coroa portuguesa que eram exploradas pelos prazeiros, colonos brancos e também indianos), e foi-lhe ofertada a filha de um rei local, que se tornou a sua primeira mulher. Foi celebrando várias alianças matrimoniais com os reis vizinhos e, com o tempo, as populações passaram a prestar-lhe tributo de rei, o rei Nhabezi.

Partindo de uma personagem histórica, documentada em arquivo, Ba Ka Khosa retrata de maneira notável (quer do ponto de vista histórico quer etnográfico) o conflito entre a identidade pré-colonial e a da época colonial, ou seja um tempo formador da identidade moçambicana moderna. Não é a primeira vez que Ungulani — que é historiador de formação — recorre à História (mas não só) para apoiar uma narrativa ficcionada. Fê-lo antes no seu romance de estreia, Ualalapi(Caminho, 1991) — considerado por muitos como um dos mais importantes romances africanos de sempre —, ao retratar, em “contos contínuos”, o declínio e a queda do império de Gaza com base na figura histórica do imperador Ngungunhane (a quem os portugueses chamaram Gungunhana). Uma “metaficção historiográfica”, disseram alguns. Então, numa escrita veloz, violenta e crua, perpassada de aforismos, Ba Ka Khosa intertextualizou fragmentos de documentação histórica com uma narrativa ficcional que parecia procurar o suporte na tradição oral, para desmitificar um herói nacional descrevendo-o como um homem cruel, violento e sanguinário. Em Choriro (palavra que, na língua local, significa choro, lamento), esse uso de materiais narrativos (embora existindo) não é posto de maneira tão evidente. Mas continua o aparente “conflito” entre a História (uma certa verdade oficializada) e a tradição oral, a escrita e a fala que perpetua, que tem a função de passar o testemunho, como se pode ver neste excerto: “A princípio a relação tendeu a azedar-se por Alfai querer registar em letra os procedimentos do fabrico da pólvora e das gogodelas, facto que irritou Thyago, pois só a ele, e poucos outros, cabia passar o testemunho.”

Sob vários aspectos, Choriro (bem como outras obras de Ba Ka Khosa) parece evocar o romance seminal da moderna literatura africana, Quando Tudo Se Desmorona, do nigeriano Chinua Achebe (Mercado das Letras, 2008): o incorporar da tradição oral africana (deixando com isso algumas histórias em aberto) numa arte com origem europeia (o romance); um olhar lançado de “dentro”, em oposição clara às narrativas feitas pelos colonos (que sempre olharam, irremediavelmente, África de “fora”); e o conflito identitário em tempos de começo de colonização. Ao contrário do referido romance do autor nigeriano, em Choriro é o homem branco, o rei Nhabezi, quem quer entrar no mundo dos negros (mesmo após a morte): “Quer acredites ou não, o meu mundo é este, Chicuacha. A minha carne desfar-se-á nestas terras, e o meu espírito, transformado em espírito de leão, rugirá por estas selvas.” Como se acreditava que acontecia com os reis negros ao morrerem. A isto Chicuacha, também ele branco e antigo padre, responde: “O teu mundo não é deste reino.”

Ungulani Ba Ka Khosa faz aqui uma espécie de elegia de um tempo, e cria uma galeria de personagens complexas, entre conselheiros, mulheres e guerreiros, que conseguem mostrar o fundo ancestral da identidade africana. Para um leitor europeu, este romance é atravessado por muitos elementos fantásticos; mas o “fantástico”, como notou Matusse, é uma “noção relativa” porque parte de um modelo racionalista ocidental, que aqui, obviamente, não tem cabimento.