Anunciado fecho da empresa que detém jornais Sol e i

Decisão do grupo liderado por Álvaro Sobrinho foi transmitida esta segunda-feira aos trabalhadores. Novo projecto jornalístico integrará apenas um terço dos actuais efectivos

Foto
ENRIC VIVES-RUBIO

Os accionistas do diário i e do semanário Sol decidiram encerrar a empresa detentora dos dois títulos, a Newshold, liderada pelo empresário Álvaro Sobrinho, ex-presidente do BES Angola. Em seu lugar surgirá um novo projecto jornalístico que deverá manter os títulos mas que acolherá apenas um terço dos efectivos da actual estrutura. O plano passa por despedir cerca de 120 pessoas e manter apenas 66 trabalhadores, com salários inferiores aos actuais.

A decisão foi anunciada esta segunda-feira num plenário de trabalhadores. A nova publicação incluirá uma edição diária e outra semanal, ao sábado, o que pode implicar a manutenção dos títulos de um ou de ambos os jornais, mas com um projecto totalmente reformulado. Na origem do fecho, que foi marcado para 15 de Dezembro, estão os elevados prejuízos dos dois jornais, que em 2014 foram da ordem dos 4,4 milhões de euros no Sol e dos 3,8 no i. Quer numa quer noutra empresa registavam-se já atrasos no pagamento de ordenados.

No plenário foi também anunciado que os salários de Novembro dos profissionais das duas publicações serão pagos até ao final da semana, enquanto o subsídio de Natal será entregue até à época festiva. O PÚBLICO tentou contactar com a Newshold, mas sem sucesso. A presidente em exercício do Sindicato de Jornalistas, Ana Luísa Rodrigues, já repudiou a situação e alerta os trabalhadores para que não assinem, "no calor do momento", documentos que lhes sejam apresentados e que lhes possam mais tarde vir a retirar direitos - nomeadamente autorizações que dispensem a empresa de apresentar uma caução para os créditos devidos aos trabalhadores.

"O que está a acontecer é uma machadada na diversidade da paisagem informativa em Portugal", observa Ana Luísa Rodrigues. "Não se faz um diário e um semanário com menos de 70 pessoas". Os dirigentes sindicais vão agora pedir uma reunião à administração da Newshold e outra à pessoa envolvida na manutenção dos dois títulos, o administrador executivo Mário Ramires - que irá integrar a estrutura accionista do novo projecto -, com vista à preservação dos dois jornais, assim como dos postos de trabalho, "renunciado à solução mais fácil do encerramento e do despedimento".

Os números mais recentes da Associação Portuguesa de Controlo de Tiragens (APCT), relativos ao período entre Janeiro e Agosto deste ano, indicavam que, no segmento circulação impressa, o i foi o único jornal a ter subidas entre os cinco generalistas, passando para 3969 exemplares este ano, mais 530 que em 2014 (quota de 2%). O diário tinha encerrado 2014 com uma média de circulação paga de 4118 exemplares por dia. No segmento digital, o diário conseguiu 64 vendas digitais, o triplo do conseguido no período homólogo do ano passado, que concluiu com menos de duas dezenas de assinaturas digitais.

Na circulação impressa, nos primeiros oito meses do ano, o Sol caiu dos 21.705 para os 20.015 (-7,79%). O semanário tinha fechado 2014 com uma média de vendas de 23 mil jornais por semana, o que representou uma quebra homóloga de 2,7%.

i foi fundado em 2009 pelo grupo Lena, que o vendeu dois anos depois, tendo passado pelas mãos do empresário Jaime Antunes e do dono de uma gráfica antes de ser comprado pelo grupo de media luso-angolano. Já o Sol nasceu em 2006, tendo sido sempre dirigido pelo ex-director do Expresso José António Saraiva – que irá continuar ligado ao novo projecto, tal como a directora-adjunta do i, Ana Sá Lopes. Os seus accionistas iniciais eram o empresário de Tondela Joaquim Coimbra, o BCP, a Imosider e quatro jornalistas fundadores, entre os quais Saraiva e Ramires.  Depois de uma crise financeira o semanário foi vendido, em 2009, à Newshold, que chegou a ter uma quota na Cofina, proprietária do Correio da Manhã, e a manifestar interesse na privatização da RTP.

Álvaro Sobrinho foi indiciado por branqueamento de capitais no âmbito de um inquérito do Departamento Central de Investigação e Acção Penal, tendo recentemente visto o Tribunal da Relação de Lisboa criticar a investigação e levantar-lhe um arresto de bens que havia sido decretado pelo juiz Carlos Alexandre.