Passos confirma adiamento da venda do Novo Banco

Primeiro-ministro avançou antes do Banco de Portugal fazer o anúncio formal, previsto para as 17h.

Pedro Passos Coelho diz que as empresas exportadoras parecem aguardar que resto da economia saia da crise
Foto
Pedro Passos Coelho diz que as empresas exportadoras parecem aguardar que resto da economia saia da crise Daniel Rocha

Numa acção de Campanha em Portalegre Passos Coelho confirmou o adiamento da venda do Novo Banco.

"Uma vez que o Banco de Portugal entende que esta não é a melhor oportunidade, nós respeitamos a decisão do Banco de Portugal", afirmou Passos.

O líder da coligação Portugal à Frente voltou a negar qualquer pressão do Governo sobre o Banco de Portugal.

Passos Coelho afirmou ainda que o Banco de Portugal se decidiu adiar a venda do Novo Banco “teve em conta o impacto que isso iria ter no sistema bancário”.

“Se o Banco de Portugal entende que a melhor oportunidade para não causar esse prejuízo é realizar a venda do banco depois da realização dos stress tests, eu respeito essa decisão do Banco de Portugal e espero que ela possa ir ao encontro de melhores decisões para a venda do banco”, disse.

Passos Coelho insistiu que a venda do Novo Banco não terá custos para os portugueses: “Se houver algum resultado negativo na venda do Novo Banco, face ao que foi o valor da sua capitalização, esse custo terá de ser suportado pelo sistema financeiro português, portanto pelos bancos portugueses. Desejamos que não exista esse prejuízo ou que, ao existir, seja o menor possível.”

Sugerir correcção