E Eddie Redmayne destapou a mulher

Em Eddie Redmayne é um sereníssimo espectáculo (quase feliz, quase infantil, e “quase” porque a história é de dor e de turbulência interior...) como Einar Wegener, que se transformou em Lili Elbe, uma das figuras pioneiras do transgender

Fotogaleria
The Danish Girl revelou-se o filme-acontecimento de Veneza dr
Fotogaleria
Em The Danish Girl Eddie Redmayne é um sereníssimo espectáculo dr
Fotogaleria
Eddie Redmayne em The Danish Girl dr
Fotogaleria
O actor Eddie Redmayne na sessão de fotografias em Veneza AFP PHOTO / GIUSEPPE CACACE
Fotogaleria
Os actores Eddie Redmayne, Matthias Schoenaerts, Amber Heard, Alicia Vikander e o realizador Tom Hooper AFP PHOTO / TIZIANA FABI
Fotogaleria
Juliette Binoche no lançamento de L'Attesa em Veneza REUTERS/Stefano Rellandini
Fotogaleria
Juliette Binoche no lançamento de L'Attesa em Veneza . REUTERS/Stefano Rellandini
Fotogaleria
Kristen Stewart na sessão de fotografias do filme Equals REUTERS/Stefano Rellandini

Em vez de imitar uma mulher, ele iria destapar uma feminilidade escondida, disse a Eddie Redmayne, na rodagem de Os Miseráveis (Les Misérables) (2012), Tom Hooper, quando lhe entregava o argumento de The Danish Girl (A Rapariga Dinamarquesa) sobre Einar Wegener, pintor dinamarquês (1882-1931) que um ano antes de morrer se tornou Lili Elbe, uma das primeiras pessoas no mundo a submeter-se a intervenção cirúrgica de alteração de sexo – e como o realizador acreditava, de forma “instintiva”, na “fluidez” do actor Eddie Redmayne, na sua capacidade de se deixar atrair pelo seu lado feminino.

Isto aconteceu bem antes do Óscar por A Teoria de Tudo (2014), de James Marsh, em que Eddie interpretou Stephen Hawking e levou para casa o prémio. Por isso – realçou Eddie na conferência de imprensa em Veneza em que A Rapariga Dinamarquesa (concurso) se revelou o filme-acontecimento – não se tratou de continuar uma espécie de desafio transformativo, de ir mais longe numa olimpíada de actor; estiveram ligados ao projecto outros intérpretes (incluindo Nicole Kidman para fazer de Einar/Lili) e realizadores, Eddie foi tendo conhecimento deles, mas só quando Hooper se fixou é que aceitou, e depois foram quase quatro anos de preparação, de pesquisa, de mergulho no meio transgender.

Isto não é um pormenor, isto é a pedra de toque de A Rapariga Dinamarquesa Explica o sereníssimo espectáculo (quase feliz, quase infantil, e “quase” porque a história é de dor e de turbulência interior...) que é Eddie Redmayne: como Einar fez com Lili Elbe, que vivia dentro dele, Eddie não se transforma, Eddie parece que deixa sair – e este destapar afasta-se de um qualquer virtuosismo ofegante, como o de A Teoria de Tudo, filme de que A Rapariga Dinamarquesa, nesse sentido, não poderia ser, e ainda bem que assim é, mais diferente.

Vamos então a ele: realizador do oscarizado, e tremendamente paroquial, O Discurso do Rei (2010) e do grotesco Os Miseráveis, Hooper consegue transcender o provincianismo, não se distrair muito com o decorativismo e até, com delicadeza, mandar para trás o decoro para concentrar-se de forma intensa numa história de amor.

Porque é esta a superação: A Rapariga Dinamarquesa (The Danish Girl) não vampiriza um desafio transgender, reinventa-se com a aventura de um casal. Há-de reparar-se como nos diálogos a expressão “the danish girl” do título é usada uma vez para se referir não a Einar/Lili, mas a Gerda Wegener (1886-1940), a mulher, também pintora. Foi nos jogos caseiros, quando Einar acedia a posar para a mulher, para os retratos femininos que ela pintava, que Lili começou a aparecer. E Gerda, mulher à frente do seu tempo, estaria sempre com o marido até ao fim, até ele ser Lili. E depois do fim – continuaria a pintar Lili nos seus quadros mesmo depois da morte desta –, porque estava presa a uma criação mútua, o casal, a entidade que afinal os superava aos dois.

A cumplicidade, em A Rapariga Dinamarquesa, entre Eddie Redmayne (Einar/Lili) e Alicia Vikander (Gerda) na forma como partilham, na construção do “seu” casal, a inconsciência do pioneirismo (não havia respostas naqueles primeiros tempos, nem se sabia quais eram as perguntas), já levou a que se fale na extensão do favoritismo de Eddie para a sua colega Alicia, um prémio de interpretação ex-aequo. O que será difícil sobretudo porque aconteceu isso mesmo o ano passado com Adam Driver e Alba Rohrwacher, o casal de Hungry Hearts, de Saverio Costanzo. E há outra actriz a dar que falar: Juliette Binoche, numa primeira-obra, L’Attesa, de Piero Messina (o primeiro título da representação italiana em concurso).

Há algum tempo que não se via Binoche assim, tão seca, tão despida de maneirismos e tão esculpida pela luz e pela sombra de forma essencial – uma fotogenia reencontrada na idade madura. Interpreta o papel de uma mulher sacudida por um golpe emocional brutal, a morte do filho, que nos dias a seguir ao funeral ignora a existência do luto – é nesses dias que chega à Sicília, onde tudo se passa, a namorada francesa do filho, que nada sabe do que aconteceu.

O filme conta essa coexistência, esse tempo atordoado de Binoche, que não consegue encontrar o momento de sair da escuridão e acender a luz. Na conferência de imprensa, quando lhe perguntaram como é que um intérprete interpreta o “mistério”, Binoche acabou por revelar a tensão que existiu entre ela e o realizador no início da rodagem porque Messina queria impor logo o seu ponto de vista, sufocando-a, segundo ela, e assim pondo em risco a fragilidade de renda que é o trabalho num filme.

Ao dizer isso, Binoche acabou por ir directo ao problema de L’Atesa: todas as modulações secretas e imponderáveis são sufocadas por uma queda sinfónica que Messina revela e pela necessidade de mostrar gesto grande e mostrar-se realizador – e como ficou irritado quando lhe perguntaram se era influência de Paolo Sorrentino, de quem foi assistente em This Must Be the Place e em A Grande Beleza...!

Antes disso, na competição, houve Equals, de Drake Doremus, um daqueles nomes com a etiqueta de “promessa indie”. Um festival participa na construção de um star system autoral, porque é dele que se alimenta, e só isso justifica o mal-entendido e que é a inclusão deste filme. Numa projecção de um futuro distópico, os seres humanos foram castrados das suas emoções mas acontece o desejo (entre Kirsten Stewart e Nicoulas Hoult). Mas olhem, isso já aconteceu, THX 1138, de George Lucas (1971), e Equals parece ser uma adolescente e embaraçosa imitação.