Livro póstumo de Günter Grass lançado na Alemanha

Vonne Endlichkait [Da Finitude], um volume de prosas breves e poemas que o Nobel da Literatura Günter Grass concluiu pouco antes de morrer, em Abril passado, chega esta sexta-feira às livrarias alemãs.

Günter Grass em 2009
Günter Grass em 2009 REUTERS/Thomas Peter
A capa do livro
A capa do livro
Fotogaleria

“Günter Grass deixou-nos uma comovente despedida”, diz Gerhard Steidl, responsável da editora alemã Steidl, de Göttingen, que lança esta sexta-feira um livro póstumo do Nobel da Literatura, Vonne Endlichkait [traduzível por Da Finitude], uma compilação de prosas breves, poemas, cartas de amor e outros textos.

O autor de O Tambor ainda continuava a trabalhar nesta sua obra de despedida poucos dias antes de morrer, a 13 de Abril passado, aos 87 anos. E Gerhard Steidl acredita que o romancista “conseguiu mais uma vez escrever um grande livro”, que descreve como “um impressionante jogo de poesia, prosa e ilustração”.

Com 176 páginas, capa dura, e desenhos a lápis do próprio autor, Vonne Endlichkait – Grass, nascido em Danzig, optou por grafar o título no dialecto da Prússia oriental – inclui páginas repassadas de felicidade, mas também sátiras sociais e alusões à decadência física, à morte e ao problema de Deus, adianta ainda a editora.

A Steidl apostou numa primeira tiragem de 50 mil exemplares, com o preço de capa de 28 euros, e prevê que a edição inglesa do livro venha a ser lançada no Outono de 2016.

Dieter Stolz, responsável pelas edições de Grass na Steidl, diz que o livro é “uma experiência literária em que cada texto em prosa é combinado com um poema e um desenho”. E desse conjunto de elementos breves “emerge uma narrativa muito clara”, acrescenta Stolz, que não acredita que venha a aparecer mais algum original desconhecido de Grass. Mas a editora tenciona publicar uma escolha dos diários do escritor, que dará prioridade aos seus comentários de natureza política.

A imprensa alemã divulgou já alguns excertos de Vonne Endlichkait , incluindo quatro versos do poema Mutti (Mãezinha), dedicado à chanceler Angela Merkel, que aqui deixamos em versão portuguesa muitíssimo livre : “Fá-lo com qualquer um, espreme-o até ao tutano e deixa-o pendurado num cabide, amarfanhado e murcho/ E agora até os socialistas se lhe meteram na cama/ a troco do pão seco da esmola (…)”.

Considerado um dos maiores escritores de língua alemã e a consciência crítica da Alemanha do século XX, Günter Grass estreou-se com a obra-prima O Tambor (1959) e publicou mais de 70 obras. Recebeu o prémio Nobel da Literatura em 1999.