O dia em que Portugal deu o salto para o mundo

Na madrugada de 21 de Agosto de 1415 uma poderosa armada com 20 mil homens preparava-se para conquistar Ceuta. Era o princípio de uma aventura que deixou marcas profundas no futuro e na identidade de Portugal.

Fotogaleria
A batalha em Ceuta nos azulejos de Jorge Colaço instalados na Estação de São Bento, no Porto Diogo Baptista
Fotogaleria
Vista aérea de Ceuta na actualidade Desmond Boylan/Reuters
Fotogaleria
Fotogaleria

Na madrugada de 21 de Agosto de 1415, quando o sol começou a nascer, os habitantes de Ceuta podiam ver na linha do horizonte que se perdia no mar um cenário tão grandioso como assustador.

A pouca distância da costa, mais de 200 naus, fustas e galés preparava-se para desembarcar os primeiros soldados da expedição de uns 20 mil homens que D. João I, rei de Portugal, tinha armado para conquistar a cidade. Pela primeira vez na sua história de menos de quatro séculos, os portugueses arriscavam sair do seu ancoradouro europeu e conquistar um pedaço do continente africano que, sob diferentes conceitos e ideologias, haveria de permanecer no seu consciente colectivo até 1974. Poucas datas da história nacional encerram o mesmo peso e o mesmo significado desse dia de há 600 anos, quando Ceuta caiu nas mãos dos portugueses após uma batalha que durou entre as seis da manhã e as sete e meia da tarde.

Sabe-se pela Crónica da Tomada de Ceuta escrita por volta de 1450 por Gomes Eanes de Zurara que D. João I pensava numa operação militar no exterior das suas fronteiras desde 1409. Por essa altura, o rei já sabia da iminência de um tratado de paz que poria fim a um quarto de século de hostilidades abertas ou veladas com Castela. Com a assinatura do tratado de Ayllon, a 31 de Outubro de 1411, as tréguas com o inimigo castelhano são prolongadas até à maioridade do rei Juan II, em 1419, o que permitia a D. João I pensar em novas ousadias. As oportunidades com que se confrontavam não eram muitas. O alvo das suas ambições podia ser o reino de Granada, o último bastião mouro na Península Ibérica, a Itália ou o Norte de África. No primeiro caso, qualquer movimento enfureceria os castelhanos, que pela tradição da Reconquista tinham direito natural a conquistar os territórios a sul das suas fronteiras. As ilhas italianas ficavam longe e obrigavam a verter sangue cristão. África era por todas as razões o destino mais lógico nas conjecturas do rei que, desde muito cedo encontrou nos seus filhos mais velhos, D. Duarte, D. Henrique e D. Pedro, um apoio entusiástico.

O projecto da conquista de Ceuta ter-lhe-á sido apresentado pelo seu vedor da Fazenda, João Afonso de Alenquer (1395-1433), conhecedor das riquezas da cidade. Ceuta, diria Alenquer citado por Zurara, “é uma muito notável cidade e muito azada para se tomar”, para lá de ser “muito rica e muito formosa”. Determinado o destino, era necessário começar as preparações no maior segredo. Para começar, era preciso conhecer o terreno. Uma missão que foi entregue em 1412 ao prior do Hospital, D Álvaro Gonçalves Camelo e ao capitão de mar e anadel-mor dos besteiros, Afonso Furtado. Sob o disfarce de uma viagem à Sicília, ambos passam por Ceuta numa clara operação de espionagem. No regresso, trazem informações sobre as praias para o desembarque, as muralhas, a localização das suas 70 portas e postigos. O prior fez até uma maqueta para mostrar “os lugares por onde a cidade podia receber combate”, escreveu Zurara.

O rei começa então a fazer contas. Preocupava-se com os gastos da operação e com a sua viabilidade – ou pelo menos, para sublinhar o seu zelo e reflexão, foi essa a ideia que Zurara quis inscrever na História. D. João I afligia-se com a falta de dinheiro e com os limites para lançar novos impostos – seria um “escândalo para o povo”; com a distância de Ceuta e ausência de meios de transporte para lá chegar; com a falta de gente; com a incerteza sobre o futuro das relações com Castela; com as dúvidas sobre os proveitos a tirar da conquista; e com suspeitas sobre os custos de manutenção da praça. Era uma agenda difícil de gerir.

A corrida contra o tempo
Garantido o apoio dos filhos, o rei procura obter a aliança do Condestável, D. Nuno Álvares Pereira, que após Aljubarrota se tornara na estrela do regime, e da sua mulher, Filipa de Lancastre. Após a sua anuência, D. João manda apressar os preparativos no início de 1414. Até ao ataque faltava mais de um ano e meio e o sucesso da sua estratégia só seria possível se as operações permanecessem na maior das discrições. Em Julho desse ano, porém, os planos reais saem do círculo estrito dos seus colaboradores e tiveram de ser discutidos com o seu Conselho. No dia 23 de Julho, uma parte dos 32 conselheiros do rei é convocada para Torres Vedras. D. João trata então de “propor este feito [a conquista de Ceuta]e determinar o termo certo em que com a graça de Deus hajamos de partir”.  Os conselheiros apoiam o plano. No final são obrigados a jurar segredo sob o Santo Lenho de Vera Cruz e o Livro dos Evangelhos, informa-nos Zurara.

Começa então a corrida contra o tempo. O conde de Barcelos, D. Afonso, filho bastardo do rei, fica a gerir o recrutamento no Entre o Douro e Minho. O infante D. Henrique responsabiliza-se pelas tropas das Beiras e Trás-os-Montes que embarcariam no Porto – excedeu-se ao mandar todos os capitães vestirem-se de libré. D. Pedro trataria da mobilização das tropas a sul, que se concentrariam em Lisboa. D. João ficaria a supervisionar o processo e a gerir a provisão das armas. De alguma forma, toda a burocracia do Estado se envolveu nas preparações. A D. Duarte couberam os encargos da governação do país – com tanto empenho que caiu na depressão.

Estava em curso a criação de uma força naval formidável para o tempo. Os historiadores falam entre 190 e 270 barcos, que transportariam 20 mil homens. Toda a frota nacional é convocada e modernizada e são contratados 13 barcos da Biscaia, 22 alemães e flamengos, quatro bretões e 10 britânicos. Para lá dos barcos, do estrangeiro começaram a chegar aventureiros em busca de façanhas e glória - três fidalgos franceses, um barão alemão com 40 escudeiros, um nobre inglês que “suportava à sua conta quatro ou cinco naus guarnecidas de archeiros e outras gentes”, de acordo com o historiador Carlos Guardado da Silva. Nos estaleiros nacionais a azáfama é tão impressionante que dá nas vistas. A grande frota dos portugueses e o seu destino incerto tornaram-se conversa corrente nas cortes europeias. D. João trata de apaziguar Castela, jura paz eterna com Aragão e tergiversa com o rei Yussuf III de Granada, que se apressa a tentar uma política de apaziguamento com Lisboa. 

Fernando de Aragão desconfia e envia um espião, Ruy Diaz, para tentar perceber o que estava a acontecer. As informações que recebe dão conta de uma enorme mobilização no país, de mais de 100 barcos já reunidos e da espera de muitos mais. Mas apesar de se ter reunido com o rei e com altas figuras do Estado, Ruy Diaz não consegue saber o destino da frota. Talvez “tenha sido manipulado e voluntariamente desinformado pelos veteranos dirigentes portugueses”, escreve Luís Miguel Duarte no seu livro recente, Ceuta, 1415, Seiscentos Anos Depois. Só na sua carta despachada para Aragão depois da partida da frota admite que o seu destino seria Gibraltar ou Ceuta. Para alimentar estas incertezas, D. João I envia uma embaixada ao duque da Holanda e da Baviera, Guilherme IV, desafiando-o para a guerra (havia queixas de ataques de barcos holandeses aos mercadores nacionais), o que era uma forma de “encobrir”, no termo de Zurara, o destino da frota.

A poucos meses da partida, um surto de peste dificulta os planos. Uma das suas vítimas é a rainha Filipa, que perece a 19 Julho de 1415. Num conselho régio realizado em Alhos Vedros discutiu-se o adiamento da operação. A peste era um mau prenúncio e uma ameaça para as tropas que se concentravam. O condestável quis adiar a partida. O rei, forçado pelos seus filhos, teve de desempatar com o seu voto que qualidade. Por essa altura tinha-se já chegado a um ponto de não retorno.

A frota de D. Henrique sai do Porto, cidade onde nascera, a 13 ou 14 de Julho. “Todas as naus e galés e outros navios eram nobremente apendoadas com brasões e pendões pequenos das cores, moto e divisa do infante, e porque eram todos novos e bem acompanhados de ouro, davam muito grande vista”, relataria Zurara com base em memórias da época – a sua crónica foi escrita 35 anos depois da conquista. A frota do Porto junta-se à de Lisboa e em 25 de Julho, dia de Santiago, padroeiro da luta contra os mouros, parte para África. O rei comanda as galés, o infante D Pedro as naus. Em Lagos faz-se uma missa e Frei João de Xira revela finalmente o destino da expedição. Só então esses milhares de homens sabem que estão em viagem para Ceuta.  

De Lagos a frota parte para Faro, onde fica até 9 de Agosto à espera de ventos favoráveis. As galés, as fustas e os barcos mais pequenos chegam a Ceuta a 12, mas aqui surge um primeiro e grave contratempo. O nevoeiro e as fortes correntes arrastam as naus para as costas de Málaga. A armada ficara partida e, pior, o efeito-surpresa tinha-se perdido. A 19 de Agosto, um pouco a sul de Algeciras, um novo conselho régio é convocado para decidir o que fazer. Os infantes insistem no ataque; outros defendem uma mudança de planos com um assalto a Gibraltar; outros ainda reclamam o regresso puro e simples a casa. No dia seguinte, na Ponta do Carneiro, o rei senta o conselho no chão e anuncia a sua decisão: atacar sem demoras. “Amigos, este dia foi sempre por mim muito desejado”, terá dito, de acordo com Zurara.

É assim que, na noite de 20 de Agosto os habitantes de Ceuta vêm estupefactos a frota reunida. A cidade nesse tempo estava longe do seu apogeu comercial e intelectual, mas era ainda enorme, rica e conservava o seu papel de porta do Mediterrâneo. A crise da dinastia Merindia, que a controlava desde Fez, tinha alimentado uma perda continuada de poder económico e de população. Mas para o padrão das cidades portuguesas coevas, Ceuta era uma urbe imponente. Mohamede bem Alcácime deixou-nos uma memória escrita em 1422 na qual lamentava a perda para os cristãos de uma cidade que chegara a ter 62 bibliotecas científicas, 142 mercados, 24 mil casas comerciais e 360 estalagens.

A batalha entre o sucesso e o improviso
Os relatos da conquista que nos chegaram dão conta de uma operação fácil, tão fácil que o castelo de Ceuta caiu sem que fosse necessário aplicar nos combates toda a força de escudeiros, besteiros do conto ou cavaleiros da nobreza ansiosos de obter na cidade a tão desejada “honra” e o não menos importante “acrescentamento” de riquezas aos seus pecúlios.  

Poucas horas antes do desembarque, D. João instruíra os seus comandantes para uma operação com duas cabeças. Parte da esquadra, sob o comando do rei, lançaria uma manobra de diversão na zona mais a sul da face da península de Ceuta voltada para a Ibéria, com cerca de quatro quilómetros de extensão, enquanto o resto das suas tropas desembarcariam ao seu sinal na praia que viria a ser designada com o nome de Santo Amaro. O sinal do rei nunca seria emitido. A força de assalto comandada pelo infante D. Henrique lançou-se precipitadamente à praia e iniciou o combate antes de D. João I o ter determinado.

Rui Gonçalves foi o primeiro a pisar terra firme. D. Henrique seguiu-o. D. Duarte, o príncipe herdeiro, que seguia na armada do pai, abandonou a formação e correu na sua embarcação ao encontro da batalha que já se travava nas areias de Santo Amaro. Num ápice, estão em terra duas ou três centenas de portugueses que conseguem anular a estratégia dos defensores, que acreditavam poder afundar os barcos e afogar os soldados carregados de armas, de elmos e de armaduras pesadas antes de saírem da água. Desbaratados, os muçulmanos tratam de fugir para o interior da cidade pela porta de Almina. Em cima das muralhas, os soldados do alcaide Salah bem Salah arremessam lanças e pedras. D. Duarte vê na sua fuga uma oportunidade de entrar no perímetro defensivo e não espera pelo pai nem pelos companheiros de armas que continuavam a desembarcar e lança-se na perseguição dos defensores antes que pudessem fechar a porta. Vasco Martins de Albergaria foi o primeiro a passá-la e gritou: “Já aqui vai o de Albergaria” (seria um dos mortos da expedição).

Enquanto D. João, que ficara ferido numa perna ao subir para uma galé, permanecia longe da batalha, os portugueses consolidavam as posições no interior do perímetro muralhado de Ceuta e dividem-se em três colunas: uma comandada por D. Henrique, outra pelo conde de Barcelos, filho bastardo de D. João I, a terceira de Martim Afonso de Melo. D. Duarte continua na refrega e destaca-se uma vez mais ao tomar sucessivamente os pontos mais altos. D Pedro e D Henrique avançam pela cidade, entram no dédalo das ruas comerciais, envolvem-se em permanentes lutas corpo a corpo. Porta a porta, rua a rua, o avanço dos portugueses é imparável. Num desses combates, D. Henrique e um grupo de cinco escudeiros ficam isolados e em perigo durante um par de horas, até que o grosso da coluna os resgata.  

Pelo entardecer os mouros abandonam o castelo e a medina. Ceuta mudara de mãos. O saque das casas e comércios, que se iniciara logo às primeiras horas da batalha, generalizou-se. “A outra gente do povo não trazia em aquele dia o cuidado senão de roubar”, escreveu Zurara. As casas são esburacadas à procura de tesouros. A destruição que acompanhou e se seguiu ao saque inundou as ruas de especiarias acumuladas nas lojas, que, “com o fervor do sol, que era grande, davam depois de si mui grande olor”, continua Zurara. Os que ficaram nos barcos lamentavam que “aqueles que vieram em companhia do infante Dom Henrique na frota do Porto”, porque “ apanharam o ouro e a prata e toda a outra riqueza e nós chegaremos ao esbulho dos almadraques (colchões) velhos e das outras coisas de semelhante valia”.

Às sete e meia da tarde, a batalha tinha acabado e o pavilhão do rei D. João I flutuava seguro no castelo de Ceuta. Não se conhecem com rigor os custos humanos da conquista. Zurara nota a morte de pelo menos oito nobres – a perda de homens de outras condições sociais não entrou na sua contabilidade. Da mesma forma se desconhece o número exacto dos mouros que pereceram nesse dia de batalha. Zurara fala, de acordo com as suas fontes, em dois mil, cinco mil ou dez mil. Os sobreviventes, assim como o grosso da população, tinham fugido pela porta de Fez para nunca mais voltar.

O que fazer com a vitória?
Quando todo o perímetro da cidade está sob controlo, seguem-se os momentos de celebração e de festa. Frei João de Xira dirige uma missa e um Te Deum, onde glorifica os feitos das armas portuguesas e celebra mais uma vitória de Cristo sobre os infiéis. Os infantes são armados cavaleiros após terem provado o seu valor no campo de batalha, na melhor tradição da mentalidade da nobreza medieval. Seguem-se também momentos de incerteza e de ansiedade. O que fazer agora? Ficar ou partir? Transformar Ceuta numa operação de pilhagem ou firmar aí a soberania nacional?

Como em tantas outras vezes, o rei convoca o seu conselho para decidir. As opiniões estiveram longe de ser consensuais. Muitos lembram as dificuldades de abastecer a cidade e recordam que os mouros haveriam de aumentar a pressão e acentuar os ataques. Se a defesa de Ceuta mostrou todas as fragilidades com a investida portuguesa, o que fazer perante um assalto em força dos muçulmanos? Apesar de todas as hesitações, o rei decide ficar. Para ele, esta parecia ser a primeira página de um novo livro. Ele próprio promete regressar lá para Março.

Tomada a decisão, era a hora de dizer quem ficaria a defender Ceuta e quem seria o responsável pelo seu comando. Seguindo a ordem lógica da hierarquia militar e nobiliárquica, D. João I tenta o condestável Nuno Álvares Pereira, que, velho e cansado, declina o convite. O horizonte de vida (faleceria em 1431) que lhe restava estava destinado a ser passado no Mosteiro de Santa Maria do Carmo, em Lisboa. O marechal Gonçalo Vasques Coutinho invoca igualmente a idade para recusar as honras de liderar a defesa de Ceuta. Martim Afonso de Melo cede aos conselhos de dois homens (João Gomes Orvalho e Álvaro Vasques Tisnado) e recusa igualmente a oferta do rei. Como castigo, D. João I decidiu que estes dois ficariam em Ceuta – afrontar a vontade de um nobre de alta estirpe seria muito mais complicado.

É neste impasse que D. Pedro de Menezes oferece os seus préstimos. Era de uma família que se colocara ao lado dos espanhóis nas lutas contra D. João e precisava de reabilitação. Ficaria a governar Ceuta durante 22 anos. Com tanta distinção que acabaria de receber o título de conde de Vila Real. “Sem ele, o mais provável é que a Ceuta portuguesa tivesse soçobrado num abrir e fechar de olhos”, lê-se no livro 1415, a Conquista de Ceuta, de João Gouveia Monteiro e António Martins Costa. D. Pedro de Menezes morreu em 1437 com a aura de personalidade lendária – para a qual contribuiu Zurara com a Crónica do conde D. Pedro de Menezes. Com o governador ficariam em Ceuta 2500 ou 3500 soldados.  

Estava na hora de regressar a Portugal. No dia 2 de Setembro, uma segunda-feira, a armada lança-se na viagem de regresso. Portugal, um pequeno reino na periferia da Europa, tinha formado uma cabeça de ponte no coração do mundo muçulmano e o feito haveria de se irradiar pela Europa. D. João passa a ostentar o título de senhor de Ceuta e quer que a cristandade o saiba. Para esse efeito, envia uma embaixada ao Concílio de Constança para divulgar a boa nova. Os seus homens seriam agraciados com generosas tenças, títulos e territórios. Os infantes D. Henrique e D. Pedro recebem os primeiros ducados do país – de Viseu e de Coimbra, respectivamente. D. Afonso, conde de Barcelos, amplia as suas posses para anos mais tarde criar o poderoso ducado de Bragança, que estaria na génese da dinastia que mandou em Portugal entre 1640 e 1910.

Mas se a conquista engrandeceu D. João e a “Ínclita Geração”, tornar-se-ia em breve um desastre económico. As rotas comerciais que terminavam em Ceuta, do ouro, da seda e dos cereais, foram desviadas e a praça tornou-se um forte militar isolado em África que era necessário sustentar com recursos da metrópole. Na carta que enviou de Bruges a D. Duarte, em 1426, D Pedro apontava Ceuta como “um bom sumidouro de gente de vossa terra e de armas e de dinheiro”.

Nos anos que se seguiram à conquista, a destreza militar de D. Pedro de Menezes e a “longa experiência de exércitos de guarnição” acumulada pelos portugueses na defesa quer contra os mouros quer contra os espanhóis foram, de acordo com João Gouveia Monteiro e António Martins Costa, essenciais para travar as investidas e os cercos dos muçulmanos em 1416 e 1418. No reinado de D. Duarte tenta-se alargar a base de implantação em África com a conquista de Tânger, em 1437, mas uma desastrada operação militar conduzida por D. Henrique resulta numa grave derrota sublinhada pelo cativeiro do infante D. Fernando, que morrerá em Fez. No círculo do rei ou nas Cortes nunca se chegou a acordo sobre se a sua libertação valia a entrega de Ceuta, como era exigido pelos muçulmanos. No imaginário da África portuguesa, D. Fernando será um mártir.  

Ceuta permanecerá isolada até à conquista de Alcácer Ceguer, em 1458. Seguem-se Arzila e Tânger, em 1471. Em 1502 os portugueses instalam-se em Mazagão. Mas, por esta altura, Ceuta era já “uma peça indiscutivelmente menor de um império que se foi construindo ao longo dos anos, espalhado por três continentes”, como escreveu Paulo Drumond Braga. Marrocos perde prioridade para as riquezas da Índia e, logo depois, do Brasil. Alcácer-Ceguer e Arzila são abandonadas em 1549/1550. D. Sebastião ainda tenta recuperar a aura das conquistas em África de D. João I, D. Duarte e essencialmente de D. Afonso V. Mas o seu sonho esboroa-se em 1578 em Alcácer-Quibir.

Depois de 1640, a sorte das possessões portuguesas em África divide-se. Mazagão aceitou permanecer sob a soberania da casa de Bragança, até que é mandada evacuar por D. José, em 1769. Tânger hesitou mas seguiu o mesmo caminho – em 1661 foi entregue aos ingleses como dote do casamento de Catarina de Bragança com Carlos II. Ceuta fez uma opção diferente. Em Fevereiro de 1641 o governador D. Francisco de Almeida garante obediência a Filipe IV. Permanecerá espanhola até hoje, embora ainda conserve na sua bandeira as armas portuguesas desse tempo. 
Com Sérgio C. Andrade