Obras do Metro e da linha de Sintra já feitas vão ter apoio comunitário

São 11 os "grandes projectos" a desenvolver em Portugal que a Comissão Europeia decidiu financiar, com 460,3 milhões de euros. Parte deles já estão construídos.

Foto

O prolongamento da Linha Azul do Metropolitano de Lisboa à Reboleira e a “modernização” da linha ferroviária de Sintra entre Barcarena e o Cacém são dois dos 11 “grandes projectos” portugueses aos quais a Comissão Europeia decidiu atribuir verbas provenientes do Fundo de Coesão e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

Desses 11 projectos, cada um dos quais contempla um investimento superior a 50 milhões de euros, cinco são da área das infra-estruturas de transportes. No total, o financiamento europeu cuja atribuição foi agora conhecida ascende a 460,3 milhões de euros.

Como se nota na informação divulgada pela representação em Portugal da Comissão Europeia, alguns dos projectos em causa “já estão concluídos e em funcionamento”. É esse o caso da “modernização da linha ferroviária de Sintra”, uma obra que incluiu “a quadruplicação da via num troço de 4,5 km, a melhoria das estações ferroviárias de Barcarena e Cacém e a supressão de todas as passagens de nível para peões e rodoviárias ao longo da referida secção”. Na última das estações mencionadas, a empreitada realizada pela antiga Refer contemplou a construção de um silo automóvel, que, apesar de estar terminado há quatro anos e ter custado 1,7 milhões de euros, nunca entrou em funcionamento.  

A modernização da linha de Sintra, que a Comissão Europeia sublinha que “melhora a segurança e a capacidade da linha a utilizar para a ligação a Caldas da Rainha, logo que esteja electrificada”, vai beneficiar de um financiamento europeu de 32,778 milhões de euros.  

Ainda em curso está a extensão da Linha Azul do Metropolitano de Lisboa entre Amadora-Este e a Reboleira, que tem sofrido vários atrasos e que segundo a mais recente previsão tornada pública pela empresa deverá estar concluída até ao fim de 2015. “Estão a ser desenvolvidos todos os esforços para que seja possível realizar a abertura à exploração até ao final deste ano”, informou a assessoria de imprensa do metro em Junho, mês em que foi decidida a adjudicação da empreitada de acabamentos, por 8,795 milhões de euros.  

Na informação divulgada pela representação portuguesa da Comissão Europeia diz-se que com essa empreitada se pretende “criar uma estação intermodal na Reboleira com ligação à linha de caminho-de-ferro (Lisboa-Sintra), à linha Azul do metropolitano e ao sistema de transportes públicos por autocarro”. Este projecto vai beneficiar de um financiamento comunitário de 42,529 milhões de euros.

Entre os “grandes projectos” que Bruxelas decidiu apoiar estão também a “modernização” da linha ferroviária do Norte nas secções Ovar/Gaia e Alfarelos/Pampilhosa, assim como o “túnel da auto-estrada do Marão”. Para lá da área dos transportes, vão receber verbas do Fundo de Coesão e do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional três projectos ligados ao abastecimento de água à zona do Alqueva, dois relacionados com infra-estruturas hidráulicas na ilha da Madeira e a construção do Centro Materno-Infantil do Norte.