Prémio Gulbenkian para o médico que tratou 21 mil mulheres vítimas de violação

Denis Mukwege já disse que aquilo que vê nos corpos das mulheres que trata parece “obra de Satanás”. São violadas por grupos de homens, por vezes à frente das famílias. Ficam destruídas. O ginecologista congolês vem a Lisboa receber distinção.

Foto
Denis Mukwege quando recebeu o prémio Sakharov em 2014 Vincent Kessler/Reuters

Estudou ginecologia e obstetrícia, queria ajudar a trazer ao mundo vidas novas. Mas a sua primeira doente no Hospital de Panzi, em Bukavu, na República Democrática do Congo (RDC), não foi uma mulher em trabalho de parto e sim uma vítima de violação, cuja vagina e o recto tinham sido destruídos com uma faca. Denis Mukwege, 60 anos, é especialista em cirurgia reconstrutiva. Tratou mais de 21.000 mulheres violadas no seu país. O vencedor do Prémio Sakharov 2014 estará em Lisboa na segunda-feira. Foi ele o escolhido para receber o Prémio Calouste Gulbenkian 2015, no valor de 250 mil euros, pela sua “extraordinária acção humanitária”, lê-se no comunicado da fundação.

Denis Mukwege tem sido descrito internacionalmente como “um herói”, um “dos maiores especialistas mundiais na reparação e tratamento de danos físicos” provocados por violações, ou L’homme qui répare les femmes — “O homem que repara as mulheres” —, título do documentário dos belgas Colette Braeckman e Thierry Michel que se estreou este ano sobre o congolês que já foi nomeado para o Nobel da Paz mais do que uma vez.

Uma das suas frases mais citadas voltou a sê-lo por vários jornais, como o francês Le Monde, a propósito, precisamente, da estreia do documentário: “as mulheres são as primeiras vítimas” dos conflitos e “as suas vaginas tornaram-se num campo de batalha”.

No Hospital de Panzi, que fundou em 1999, chegou a trabalhar 18 horas seguidas, operando dezenas de vítimas de violação num só dia. Chegam com lesões internas gravíssimas. Só na região de Kivu do Sul, onde se situa Bukavu, dados das unidades de saúde locais citados recentemente pelo jornal britânico The Guardian apontam para que, ainda hoje, 40 mulheres por dia sejam alvo de violência sexual.

Todas as quinta-feiras, Mukwege dá consultas no hospital. São dias muito ocupados, portanto. Às sextas opera. Ainda assim, o médico arranjou nesta quinta-feira uns minutos para falar ao PÚBLICO, ao telefone. Diz que a média deste ano está em “seis vítimas de violação por dia” que recorrem ao hospital. Já foi pior. A maioria são raparigas e mulheres adultas, mas também há crianças, “às vezes com menos de cinco anos”.

Em Novembro do ano passado, o Parlamento Europeu emitiu um comunicado que fazia o ponto da situação sobre o que se passa na RDC: “Alimentados pelo ressentimento étnico, pela impunidade que resulta da fragilidade do Estado e pelos lucros do roubo e exploração ilegal de recursos naturais, os grupos armados proliferam.” São as milícias, mas também, em muitos casos, membros das próprias forças armadas, que cometem estes crimes, lê-se no comunicado.

Tentativa de assassinato
Os prémios e distinções que Mukwege tem ganho — o Prémio dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 2008, o Prémio Olof Palme para resultados excepcionais na promoção da paz, o título de “cidadão do mundo” da Fundação Carter, o Sakharov, no ano passado, entre outros — têm-no ajudado a atrair as atenções para “as violações em massa”. Mas, como sublinhava ontem ao PÚBLICO, não deixou o terreno. “Continuo a cuidar das minhas doentes.”

Os prémios têm também ajudado a desenvolver outros projectos. “Temos um programa destinado a integrar as mulheres vítimas de violação nas comunidades, depois de elas serem tratadas no hospital. O dinheiro dos prémios que recebi no ano passado e este ano é para esse programa especial de integração social e económica das vítimas”, contou ao telefone. Será esse também o destino do Prémio Gulbenkian.

O congolês não pára. Mesmo depois de em Outubro de 2012 um grupo de desconhecidos ter tentado matá-lo à porta de casa. O seu segurança morreu, ele escapou por pouco.

“A violência sexual nunca foi levada verdadeiramente a sério. Quando armas químicas são usadas num conflito considera-se que uma linha vermelha foi ultrapassada. Onde está a linha vermelha na violência sexual?”, questionava, em Novembro de 2013, numa entrevista a Anne Senges, uma ex-jornalista que trabalha para o Banco Mundial. “As armas químicas, biológicas, nucleares têm efeitos a longo prazo. É o mesmo com a violação. As pessoas aparentemente ficam vivas mas na realidade as famílias, as aldeias, as sociedades permanecem destruídas ao longo de gerações”, disse no ano passado quando recebeu o Prémio Sakharov.

Muitas mulheres que chegam ao Hospital de Panzi foram violadas por grupos de homens. Muitas não sabem dizer quantos foram porque, quando aconteceu, desmaiaram a certa altura. Maridos e filhos são por vezes obrigados a assistir às violações. O médico tem contado em diversas ocasiões que algumas das suas vítimas aparecem com os órgãos destruídos com baionetas, pedaços de madeira, espingardas  — os violadores querem garantir que ficam estéreis. Muitas acabam por voltar ao hospital, porque voltaram a ser violadas e destruídas e precisam de cirurgia de novo.

Dizia o médico, em 2010, ao jornal britânico The Guardian, que a fé que tem em Deus o ajuda no seu trabalho — porque aquilo que vê nos corpos das mulheres parece “obra de Satanás”.

450 camas
Nascido a 1 de Março de 1955, Denis Mukwege costumava acompanhar o pai, pastor da Igreja Pentecostal, nas suas visitas aos fiéis. “Tinha 8 anos quando fui com ele ver um menino doente”, contou na entrevista ao The Guardian. “Ele rezou pelo menino mas, para meu desapontamento, não lhe deu remédios. Disse-me que isso era um trabalho para os médicos.” Decidiu assim que seguiria medicina.

Depois de se licenciar na Universidade de Medicina no Burundi, trabalhou no hospital cristão de Lemera e teve contacto com as dificuldades sentidas pelas mulheres das aldeias, sem acesso a cuidados de saúde especializados durante o parto. A taxa de mortalidade era elevadíssima. Foi por isso estudar ginecologia e obstetrícia no Centro Hospitalar Universitário de Angers, em França.

Em 1989, regressou ao Congo e a Lemera. Fundou um serviço de ginecologia e obstetrícia. Mas em 1996, durante a primeira guerra civil do Congo, o hospital foi destruído.

Em Bukavu, inaugurou em 1999 o Hospital de Panzi. E começou desde logo a receber um grande número de vítimas de violações, com ferimentos e mutilações.

O hospital tem 450 camas, das quais 250 reservadas para as sobreviventes da violência sexual. Já passaram por aqui dezenas de milhares de vítimas. Segundo o site da Fundação Panzi, entre 40 e 60% destas mulheres não podem voltar para casa depois dos tratamentos. Umas porque ficam fisicamente incapazes, outras porque são rejeitadas pelas famílias. Muitas são mães de crianças concebidas durante as violações. Crianças que crescem e se tornam às vezes, elas próprias, doentes de Mukwege depois de serem também elas violadas. Foi para tentar travar esse ciclo que nasceu a Fundação Panzi — para disponibilizar outros apoios às vítimas, como casas abrigos e empréstimos para que possam criar os seus negócios.

“Desarmar as cabeças das pessoas”
A violação na RDC foi usada nas guerras civis do país. Mas o cessar-fogo não acabou com a violência. Em Abril último, Mukwege assinou um artigo de opinião no New York Times sobre o papel da exploração de minérios nos conflitos que marcam o país.

Em certas regiões abundam minérios, como o tântalo e o estanho, que são usados como matéria-prima em componentes de muitos dispositivos electrónicos, nomeadamente telemóveis, de grandes marcas mundiais. A estes, junta-se o ouro. Segundo Mukwege, grupos armados rebeldes — muitos originários ou com ligações a países vizinhos —, subsistem da venda desses minérios.

Algumas minas são controladas por criminosos, os mineiros trabalham sem quaisquer direitos. “A população é subjugada pelo medo”, explica ao PÚBLICO. Daí que muitas das vítimas que chegam a Panzi sejam de “zonas rurais”, onde há minas.

“Os criminosos usam crianças para fazer delas crianças-soldado, fazem-lhes lavagens ao cérebro. Estas crianças-soldado são ensinadas a matar, a violar, a roubar para obter dinheiro, desde cedo”, contou nesta quinta-feira. “Não basta desarmar os grupos armados como tem vindo a acontecer, e integrá-los nas forças armadas. Tem que se desarmar as cabeças destas pessoas. Se não se mudar a cabeça destas pessoas elas vão continuar a fazer as mesmas coisas. É preciso agarrar nestas crianças e ensinar-lhes que estão a  destruir a sociedade, estão a destruir as suas próprias famílias, estão as destruir as suas comunidades. Se uma criança é ensinada a fazer tudo isso, o grande desafio é mudar estas crianças, dar-lhes oportunidades de desenvolverem a sua auto-estima, dar-lhes oportunidades de serem úteis para a sociedade em vez de serem agentes de destruição.”

À pergunta, “não parece uma missão impossível?” responde de imediato: “Não se pode dizer que é impossível. Não se pode desistir, não se pode deixar de fazer alguma coisa”. E continua: nesta tarefa de mudar cabeças o país precisa muito de apoio de psicólogos.

Mas no artigo do NYT, Denis Mukwege apontava ainda outros desafios. “Uma indústria que utilize apenas minérios de zonas onde não há conflitos beneficiaria enormemente o povo congolês e contribuiria para acabar com a violência indiscritível que ele tem sofrido durante anos.” Por isso, escreveu, as companhias que usam minérios do Congo “devem investigar de forma rigorosa a suas cadeias de fornecimento, divulgar os resultados a que chegam de forma a garantir que seu dinheiro — e o nosso — não acaba nas mãos de rebeldes violentos”. Se a indústria não estiver disposta a fazê-lo, “os governos devem obrigá-la a fazer”.

No valor de 250 mil euros o Prémio Calouste Gulbenkian é atribuído a uma instituição ou a uma pessoa, portuguesa ou estrangeira, que se tenha “distinguido na defesa dos valores essenciais da condição humana”. No ano passado foi distinguida a Comunidade de Santo Egídio.

O júri é constituído por Jorge Sampaio (Presidente), Vartan Gregorian (Carnegie Corporation, EUA), o comandante Pedro Pires (antigo Presidente da República de Cabo Verde),  a princesa Rym Ali da Jordânia (fundadora do Jordan Media Institute), António Nóvoa (antigo reitor da Universidade de Lisboa) e Mónica Bettencourt-Dias (investigadora do Instituto Gulbenkian de Ciência).

O prémio deste ano será entregue em Lisboa na segunda-feira, às 19h.