Ministério Público propõe prisão domiciliária para Sócrates

Ex-primeiro-ministro está em prisão preventiva há seis meses.

Foto
José Sócrates foi detido em Novembro Eric Vidal/Reuters

O Ministério Público (MP) propôs a alteração da medida de coacção do ex-primeiro-ministro José Sócrates, de prisão preventiva para prisão domiciliária, disse neste sábado aos jornalistas o advogado de José Sócrates, à saída do estabelecimento Prisional de Évora.

João Araújo acrescentou que a medida de coacção do ex-primeiro-ministro, que se encontra detido preventivamente desde 25 de Novembro de 2014, será analisada na terça-feira e que o ex-líder socialista se irá pronunciar sobre a questão.

O advogado acrescentou ter sido informado da pretensão de alteração da medida de coação pelo Ministério Público, que propôs que a pena de prisão preventiva fosse mudada para obrigação de permanência na residência.

José Sócrates foi detido a 21 de Novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, no âmbito da Operação Marquês. Está indiciado pelos crimes de crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção, sendo o único arguido ainda em prisão preventiva neste processo, depois de o empresário Carlos Santos Silva ter sido colocado em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, desde o final de Maio.