Um arquitecto da Escola do Porto ainda por descobrir

A Fundação Instituto Marques da Silva recebeu a doação de espólio documental e bibliográfico de João Queiroz, o autor do Café Majestic.

Fotogaleria
João Queiroz
Fotogaleria
Capitão Queiroz
Fotogaleria
João Queiroz
Fotogaleria
Fachada do Café Majestic Paulo Pimenta
Fotogaleria
Interior do Café Majestic Manuel Roberto

“Posso fazer em manuelino, em romano-bizantino, em moderno; e posso também fazer em estilo português, que é como você irá mais bem servido”. A frase, todo um programa estético e comercial, foi citada segunda-feira à noite por Alexandre Alves Costa a apresentar a figura e a obra do seu tio-avô, o também arquitecto João Queiroz (1892-1982), no cenário daquela que é a sua obra mais conhecida no Porto: o Café Majestic.

E foi com este café de recorte arte nova inaugurado em 1921 em normal funcionamento, com a presença de turistas à procura de uma das maiores referências arquitectónicas da cidade, que decorreu a assinatura do contrato de doação da biblioteca e acervo documental daquele arquitecto da Escola do Porto à Fundação Instituto Marques da Silva (FIMS).

“João Queiroz teve um papel discreto, mas decisivo, nas transformações urbanas da cidade e do norte de Portugal durante o século XX”, disse, a abrir a sessão, Maria de Fátima Marinho, presidente da FIMS, a justificar o interesse desta instituição no espólio agora doado pela família do arquitecto, representada na sessão pelos seus três netos.

“Nós fomos educados a preservar e manter as coisas de família, mas, porque não tínhamos condições para o tratamento desta herança, achámos que fazia todo o sentido doá-la à FIMS”, disse ao PÚBLICO, no final, Gabriela Loureiro Queiroz, uma das netas do arquitecto.

A fundação, de direito privado mas associada à Universidade do Porto, compromete-se agora a salvaguardar, tratar, valorizar e divulgar este novo espólio, que vem acrescentar-se aos da família fundadora – Marques da Silva e sua filha e genro, Maria José e David Moreira da Silva – e a outros recebidos recentemente, nomeadamente de outras figuras fundamentais da Escola do Porto, como Fernando Távora, Alcino Soutinho ou José Carlos Loureiro.

O espólio de João Queiroz que agora fica à guarda da FIMS é constituído por desenhos de 84 projectos de arquitectura, uma biblioteca com mais de cem títulos, maioritariamente edições francesas, e outra documentação diversa, como fotografias e material publicitário.

Trata-se de um repositório que irá permitir aos potenciais interessados um estudo mais sustentado sobre a obra de um arquitecto que teve uma carreira longa e prolífica, “mas que foi um homem isolado, profissionalmente”, e cujo percurso “está ainda por identificar verdadeiramente e descobrir”, assinalou Alexandre Alves Costa, que privou ainda pessoalmente com o seu familiar, e que foi o primeiro a tomar a iniciativa de doar à FIMS os desenhos que lhe tinham sido oferecidos pelo próprio.

Para além do Café Majestic (que inicialmente se chamou Élite), o nome de João Queiroz surge também associado ao desenho do Cinema Trindade, a intervenções no Olympia e no Coliseu e ainda a um projecto, que não viria a ser escolhido, para o Cinema Batalha. Mas “João Queiroz foi sobretudo um arquitecto de moradias e de lojas comerciais”, explicou Alves Costa no Majestic, documentando a sua intervenção com imagens da sua carreira e também da sua biografia, recordando que ele ficou conhecido na cidade como “Capitão Queiroz”, depois de ter sido incorporado tanto para a primeira como para a segunda guerras mundiais.

“João Queiroz viveu numa época em que os arquitectos aprendiam os estilos arquitectónicos e utilizavam-nos muito de acordo com a vontade dos clientes”, sintetizou depois, para o PÚBLICO, Alves Costa, classificando-o simultaneamente como “um arquitecto ecléctico e heterodoxo”. “Não é um arquitecto moderno; ele fazia arquitectura com simplicidade, sem grandes dramas ideológicos de saber se a casa portuguesa era mais reaccionária do que a casa moderna. Para ele, isso não tinha qualquer sentido; ele fazia aquilo que os clientes gostavam mais”. Mas não deixava de lhes lembrar que, "com o estilo português iriam mais bem servidos”.

Sugerir correcção