Há um novo plano para tornar normal ver bicicletas a cruzar Guimarães

Município quer ter uma ecovia que sirva a mobilidade das pessoas, além das utilizações de desporto e lazer. Primeira fase cria uma via circular de oito quilómetros e deverá estar pronta dentro de dois anos.

Foto
A criação de uma via ciclável em Guimarães integra-se num plano de promoção da bicicleta SHAMILA MUSSA

Actualmente, Guimarães tem apenas 11 quilómetros de vias para bicicletas – compostos pelo troço vimaranense da pista de cicloturismo que aproveita grande parte do antigo canal da ligação de comboio entre a cidade e Fafe, e também o designado Caminho Real, na zona da veiga de Creixomil. A primeira fase do plano de construção da ecovia prevê que este número seja praticamente duplicado nos próximos dois anos, com a construção de oito novos quilómetros de percurso, ligando estes dois troços já existentes.

Essa via partirá da zona de Aldão, onde termina a pista de cicloturismo, cruzando parte da freguesia de Mesão Frio e descendo a encosta em direcção à circular Sul-Nascente, passando junto a Escola Básica e Secundária Santos Simões. Daí, a Ecovia de Guimarães contornará o parque da cidade, utilizando, depois, parte do canal da antiga ligação ferroviária Guimarães - Fafe para fazer o percurso até à estação de caminhos-de-ferro.

“Pretendemos, sempre que possível, utilizar canais já existentes”, explica o director de planeamento urbanístico da Câmara de Guimarães, Filipe Fontes. Outro dos pressupostos do projecto da ecovia é que os atravessamentos de vias rodoviárias sejam desnivelados. A partir da estação, a ligação ciclável terá o troço mais difícil do ponto de vista da relação com a cidade, tendo que atravessar uma rua com muito tráfego, entre a estação e a rotunda dos hotéis, em cerca de 600 metros. Depois desse atravessamento, os ciclistas vão poder descer em direcção à Cruz de Pedra, fazendo a última fase desta nova ligação ao longo das hortas pedagógicas junto ao pavilhão multiusos da cidade, seguindo daí para a Veiga de Creixomil.

“Esta não será uma ecovia apenas para desporto e lazer, mas uma estrutura de mobilidade”, explica o vice-presidente da Câmara, Amadeu Portilha. O intuito deste projecto é também “promover a coesão territorial” num concelho com população dispersa entre o centro urbano e nove vilas. Por isso, os oito quilómetros da ecovia na cidade são apenas a primeira fase do projecto, pensado para criar um anel à volta da cidade. Desse eixo sairão também derivações em direcção às vilas – nos eixos de Pevidém, Ronte e Taipas – e intersecções para a zona urbana, criando ligações ao centro histórico da cidade e ao polo da Universidade do Minho.

A criação de uma via ciclável em Guimarães integra-se num plano de promoção da bicicleta, no âmbito do qual será também lançada uma campanha de sensibilização para o uso de velocípedes, em articulação com as escolas do concelho, a Associação de Ciclismo do Minho, a Associação Vimaranense para a Ecologia e outras associações do concelho. O que a autarquia pretende fazer com este programa é “normalizar a presença da bicicleta na cidade”.

“A ecovia é uma forma de habituar as pessoas a conviver com os ciclistas. A partir daí, acreditamos que seja um processo progressivo”, diz Filipe Fontes, para quem, “idealmente”, o que se pretende é que “não seja necessário” criar corredores segregados para bicicletas e automóveis, podendo os dois veículos “conviver pacificamente”.

O plano de promoção da bicicleta é um dos eixos da candidatura de Guimarães a Cidade Verde Europeia, que a autarquia quer formalizar em 2017. “A mobilidade é uma questão fundamental desse processo”, sustenta Amadeu Portilha. A câmara está a preparar outras propostas no domínio do car sharing, por exemplo, ou revendo a concessão de transportes públicos, mas a criação de uma ecovia é vista como “um elemento determinante”.

Polícias vão patrulhar a cidade em duas rodas
Os primeiros utilizadores regulares de bicicletas em Guimarães vão andar fardados. A PSP apresentou, na última semana, a sua primeira patrulha sobre duas rodas na cidade, e a Polícia Municipal também anunciou a compra de velocípedes, que começará a utilizar em breve nas suas acções diárias.

O patrulhamento em bicicleta pela PSP arranca nos próximos dias, e vai sobretudo percorrer as ruas do centro histórico e as principais áreas de lazer da zona urbana (parque da cidade desportiva e parque da cidade). Esta força policial diz querer, com esta medida, “reforçar o sentimento de segurança” dos cidadãos, em particular de crianças, jovens e idosos.

Também a Polícia Municipal adquiriu recentemente duas bicicletas com o intuito de fazer o policiamento da cidade sobre duas rodas. Além dos velocípedes, foram também comprados uma moto e um automóvel eléctricos. “Temos que adaptar a Polícia Municipal ao novo paradigma que queremos para a cidade”, explica o vice-presidente da câmara, Amadeu Portilha.