Portas agita fantasma do regresso da troika

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, fez uma ligação directa entre as propostas do PS e o regresso da troika em Portugal.

Foto

Foi uma intervenção já no final do debate sobre o Programa de Estabilidade, que só teve um alvo – o cenário socialista.

Paulo Portas recordou até o polémico discurso do líder socialista perante uma plateia de investidores chineses em que admitiu que Portugal está melhor. “O plano algo ‘mirabuloso’ do PS só é apresentável porque o ponto de partida é bem melhor do que o PS alguma vez admitiu. Não quero ser injusto. António Costa disse e bem aos chineses e confessa agora aos portugueses: Superamos a bancarrota de 2011 e a recessão de 2014”, apontou o líder do CDS.

Ausente durante quase todo o debate, Portas acabou por fazer um encerramento do debate que, ao nível regimental, não estava previsto. O tom do discurso foi o de colocar dúvidas no plano socialista, dizendo mesmo que é de “desconfiar”. “Recebemos um país a caminho da recessão, estamos a caminho do crescimento. Vamos devolver gradualmente IRS e salários. (…) O PS dispara o défice e não controla a dívida. É o caminho mais simples para voltar à troika. O vosso plano não tem apenas o risco da desilusão contém o risco de um memorando de entendimento”, criticou o vice-primeiro-ministro.

Portas disse que o PS só tem uma atenuante: o de propor a devolução dos rendimentos de forma faseada. Mas também aí apontou uma contradição, a de se desviar da leitura dos acórdãos do Tribunal Constitucional.

O vice-primeiro-ministro acusou ainda o actual PS de deixar “nocauteados” [um aportuguesamento do inglês knockout, fazer tábua rasa] os seus antigos líderes, António José Seguro e António Guterres, ao propor medidas que contrariam as defendidas pelos ex-secretários-gerais. Foi o caso do IRC, que Costa quer manter em 21%, travando a redução prevista na reforma do IRC, e que Seguro tinha concordado em descer.  

As propostas socialistas na área da Segurança Social também foram visadas. “O PS dispõe-se a causar o maior buraco de sempre na Segurança Social e na Caixa Geral de Aposentações. O experimentalismo na TSU no capital e no trabalho põe risco as pensões que têm de ser pagas”, apontou.

Defendendo que o actual Governo lançou “as bases para um ciclo de prosperidade”, Portas dirigiu-se directamente ao PS para concluir a sua intervenção: “À troika nos levaram uma vez e, se vos dessem mandato, à troika nos levariam segunda vez”.

O líder da bancada socialista, Ferro Rodrigues, contestou e acusou o Governo de não ter política. “Trazer sempre à roda 2011 é um sinal de fraqueza do vosso lado. Em Novembro de 2010 os vossos partidos aprovaram aumentos do défice de 2100 milhões de euros”, afirmou o socialista, devolvendo a crítica. “O senhor vice-primeiro-ministro não veio aqui para defender o Governo, mas para atacar o PS, muito obrigada”. Paulo Portas já não respondeu.