Jovens portugueses são dos que saem mais tarde de casa dos pais

Se projecções demográficas se confirmarem, em 2050 Portugal será o país da União Europeia com menor proporção de crianças.

Muitos pais optam por retirar as crianças da escola durante o mês de Julho
Foto
Muitos pais ainda não contaram aos filhos que estes foram adoptados Jose Sarmento Matos

Os jovens portugueses são dos que saem mais tarde de casa dos pais, no conjunto dos Estados-membros da União Europeia (UE). Em média, os portugueses deixam de viver com os progenitores apenas aos 29 anos, enquanto os suecos abandonam o lar paterno com menos de 20 (19,6 anos, em média), indicam as mais recentes estatísticas do Eurostat esta quinta-feira divulgadas.

É justamente nos países nórdicos que os jovens saem mais cedo de casa dos pais: além da Suécia, que lidera a lista, na Dinamarca isso acontece por volta dos 21 anos, enquanto na Finlândia ocorre aos 21,9 anos. Mais tarde do que os portugueses no abandono do lar familiar surgem apenas os croatas (31,9 anos), os eslovenos (30,7), os malteses (30,1), os italianos (29,9) e os gregos (29,3).

Na proporção de crianças (com menos de 15 anos), o futuro de Portugal afigura-se também pouco risonho, se se confirmarem as projecções demográficas incluídas na publicação do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia agora divulgado e que se intitula Ser jovem na Europa de hoje. Em 2050, Portugal deverá mesmo ser o Estado-membro da UE com menor proporção de crianças (com menos de 15 anos), que deverão então representar apenas 11,5% da população.

Segundo esta nova publicação do Eurostat, que fornece uma visão geral do manancial de informação sobre as crianças (dos 0 aos 14 anos) e sobre os jovens (15-29), em 2014 as crianças representavam 14,6% da população portuguesa, um valor ligeiramente abaixo da média europeia (15,6%), mas até 2050 deveremos registar a segunda maior descida da percentagem de crianças na população total (menos 3,1 pontos percentuais), passando assim a ocupar o valor mais baixo entre os 28 Estados-membros.

Actualmente, Portugal está na segunda metade da tabela, ao lado da Eslovénia e Lituânia, e à frente de Malta, Hungria, Áustria, Itália, Bulgária e Alemanha (que registou em 2014 a proporção mais baixa, com 13,1% de crianças na população total). No bolo geral, a proporção de crianças na população total da UE deverá diminuir nos próximos anos, mas de forma muito mais ligeira do que em Portugal, ao recuar dos 15,3% em 2014 para os 15% em 2050.

O país com uma maior proporção de jovens na sua população no ano passado era a Irlanda (22%), seguida de França (18,6%) e Reino Unido (17,6%). Portugal estava no oitavo lugar desta lista a contar do fim, com 14,6%.

A publicação divide-se em sete capítulos  que abrangem a demografia, família e sociedade, saúde, educação, acesso e participação no mercado de trabalho, condições de vida e mundo digital. 

O Relatório sobre Envelhecimento 2015 recentemente divulgado indicava já que a população jovem na UE está projectada em 78,4 milhões, em 2060, uma quebra de 0,8%, entre 2013 e 2060. Em Portugal, a diminuição do número de jovens deverá ser da ordem de menos 39,4%, a maior de toda a UE, para um total inferior a um milhão de pessoas — cerca de 900 mil.

Em Março do ano passado, o Instituto Nacional de Estatística divulgou projecções que já apontavam para um fortíssimo envelhecimento demográfico no país, com o actual índice de 131 idosos por cada 100 jovens a aumentar para os 464 idosos por 100 jovens. Os números mostravam que, se não conseguir aumentar a natalidade e os saldos migratórios se mantiverem negativos, Portugal poderá chegar a 2060 reduzido a apenas 6,3 milhões de habitantes, no cenário mais pessimista.

Numa projecção mais moderadamente optimista, aquele instituto admitia que Portugal pudesse chegar a 2060 reduzido a apenas 8,6 milhões de habitantes, sendo que, neste caso, passaria a haver 307 idosos por cada 100 jovens. Mas tal pressuporia que, nos próximos 46 anos, assistíssemos a uma recuperação da natalidade, com o número médio de filhos por mulher em idade fértil a subir dos 1,28 registados em 2012 para os 1,55.