Miguel Carmo
Foto
Miguel Carmo

“Nunca estivemos tão unidos como agora”

João Bernardo de Melo, capitão da selecção nacional de sub-18, diz que os objectivos da selecção nacional no Europeu de Elite passam por deixar uma marca para as próximas gerações

Na véspera de Portugal partir para Toulouse, onde sexta-feira começa a disputar o Europeu de Elite de sub-18, João Bernardo, capitão da equipa portuguesa, diz em entrevista ao P3 Râguebi que o grupo está unido e já só pensa na estreia, contra a Inglaterra. O talonador de Portugal e do CDUL, confessa-se admirador de Gonçalo Foro e Richie McCaw, revela que gostava de regressar à Nova Zelândia e diz que ainda não se imaginou a jogar pelos Lobos, no Mundial 2019.

Portugal vai fazer sexta-feira a estreia contra a Inglaterra no Europeu de Elite. Como está o moral da equipa para o jogo?

Nunca estivemos tão unidos como agora. Fizemos os possíveis e os impossíveis para nos preparamos para esta competição. Este é um processo que começou há dois anos e esta é uma das selecções que mais vezes esteve junta, quase sempre com os mesmos jogadores. Isso é bom. Estamos unidos e já só pensamos no jogo de estreia contra a Inglaterra.

PÚBLICO -
Foto

Como capitão de equipa, qual vai ser a mensagem que vais transmitir ao grupo antes de entrarem no relvado, em Montauban?

PÚBLICO -
Foto

Acima de tudo, quero que saiam do jogo contra a Inglaterra orgulhosos do que fizerem. Que deixem tudo em campo, honrem o país, a equipa e todos os jogadores que não foram convocados. Depois, vou dizer-lhes para se divertirem e que aproveitem o momento. Não é todos os dias que jogamos contra os melhores da Europa.

Que objectivos é que definiram para o Europeu?

Os objectivos não passam muito por resultados. Passam por deixamos uma marca para as próximas gerações. Essa marca traduz-se em saber representar bem o país, por jogar um bom râguebi, por tentar ter mais bola. Queremos defender bem e ser impenetráveis.

Mas continua a faltar a Portugal uma vitória num Europeu de Elite…

Claro que enquanto jogadores pensamos sempre em fazer história e queremos ser a primeira equipa portuguesa a ganhar um jogo num Europeu de Elite. Seria uma honra.

Tiveste a oportunidade de esta a treinar um mês na Nova Zelândia, na Burnside High School. Como foi essa experiência?

Deu para conhecer melhor uma cultura completamente diferente. Vive-se o râguebi de manhã à noite. Quando acordamos temos râguebi na televisão e quando nos deitamos temos râguebi na televisão. Deu para perceber que a grande diferença entre Portugal e Nova Zelândia está na intensidade que se mete no que se faz dentro do campo. É um ritmo muito superior…

Fazer uma temporada, tal como o Vasco Fragoso Mendes vai agora fazer, é um objectivo?

Exacto. Fazer uma época, que são seis meses, é um dos meus objectivos.

Quem são as principais referências a nível nacional e internacional?

A nível nacional gosto muito de ver jogar o Gonçalo Foro, o capitão dos seniores da minha equipa. A nível internacional admiro imenso o Richie McCaw. É um modelo a seguir como jogador e como homem.

Que jogador tens como modelo na tua posição e que características achas que um nom talonador precisa de ter?

Gosto muito do talonador da África do Sul, o Bismarck du Plessis. É dos melhores ou mesmo o melhor talonador do Mundo. Como características, para além de ter que saber introduzir bem a bola, tem que ser muito móvel e rápido. Tem que saber fazer um pouco de tempo dentro do campo.

Esta geração que vai estar no Europeu está a chegar a uma fase crítica na evolução de um jogador, que é a transição entre o secundário e a faculdade, que muitas vezes tem como desfecho o abandono do râguebi. Vocês falam sobre isso entre vocês?

Já falamos e ficamos tristes ao ver colegas abandonarem o râguebi. Sei que a faculdade será um mundo diferente daquele em que estive até agora, mas olhando para os jogadores desta equipa, penso no máximo pode haver uma ou outra desistência e nem estou a ver quem… Todos adoram o râguebi e só vão parar por lesão ou outro motivo grave.

Em 2019 terás 22 anos. Já te imaginaste a jogar o Mundial do Japão?

Não, nunca imaginei (risos). Tenho que me concentrar no dia-a-dia. Só assim posso atingir os meus objectivos…

E que objectivos são esses?

Quero chegar a sénior do meu clube e depois chegar a Lobo…