Os terroristas dispararam contra "tudo o que mexia"

Há turistas de pelo menos oito nacionalidades entre os mortos. Muitos ainda não foram identificados.

Entre os mortos há turistas de pelo menos oito nacionalidades
Foto
Entre os mortos há turistas de pelo menos oito nacionalidades AFP

Os terroristas que atacaram o museu Bardo de Tunes dispararam contra "tudo o que mexia", contaram os sobreviventes. Pelo menos 20 turistas estrangeiros — o dado foi confirmado nesta quinta-feira pelo ministro tunisino da Saúde, citado pela Reuters — foram mortos.

As autoridades ainda estão a averiguar quem são e que nacionalidades têm as vítimas, mas muitas já foram identificados e o primeiro-ministro, Habib Essid, disse que há cidadãos de pelo menos oito países — Japão (três pessoas), Itália (quatro), França (um), Polónia (um), Espanha (dois), Austrália (um), Colômbia (dois) e Reino Unido (uma).

Dois turistas espanhóis que estavam dados como desaparecidos foram encontrados na manhã desta quinta-feira. O casal, que está à espera de um filho (a mulher esta grávida de quatro meses) escondeu-se dentro do museu e ali ficou toda a noite, por segurança. Com eles estava um guarda do museu que também estava dado como desaparecido.

No ataque morreram dois tunisinos, o condutor de um dos autocarros atacados — que levavam passageiros de navios de cruzeiro de visita ao museu, que tem um dos mais importantes espólios e mosaicos do mundo — e um polícia. Os dois atacantes também foram mortos, pela polícia.

Pelo menos 44 pessoas ficaram feridas, entre elas 13 italianos, sete franceses, quatro japoneses, dois sul-africanos, um polaco, um russo e seis tunisinos, disse o primeiro-ministro.

Citado pelo jornal The Guardian, Moncef Hamdoun, do hospital Charles Nicolle, que recebeu muitos dos feridos, disse que ali há sete mortos por identificar.

A empresa de cruzeiros MCM emitiu um comunicado a dizer que nove dos passageiros do seu navio Splendida foram mortos e que 12 ficaram feridos. Além disso, na manhã desta quinta-feira não sabiam do paradeiro de seis passageiros.

"Primeiro pensei que eram foguetes. Olhei pela porta [da camioneta] e vi os terroristas, eram três ou quatro, não me lembro bem", contou ao jornal El Mundo o presidente da Junta de Freguesia de Vallmoll, perto de Tarragona, que sobreviveu ao ataque e contou que os atiradores disparavam contra "tudo o que mexia". "Sai a correr, subi as escadas do museu Bardo, vi uma porta e refugiei-me com outros turistas. O terrorista estava a metros de nós. Passou-se tudo muito depressa. Os terroristas não paravam de disparar", disse.

A sua mulher também sobreviveu, depois de uma tunisina a ter agarrado pelo braço e arrastado, a correr, para um sótão do museu.

Um sobrevivente japonês, Noriko Yuki, de 35 anos, falou com a estação de televisão NHK a partir do hospital. "Agachei-me e cobri a cabeça com os braços, mas fui atingido numa orelha, na mão e no pescoço. A minha mãe foi atingida no pescoço e deixou de se conseguir mexer. Ficou ali até à chegada da polícia".

Sugerir correcção