Crítica

Viagem a África

É quando investe no poder de síntese evocativo, mais eloquente do que as palavras, diálogos ou intriga, que Yvone Kane melhor se consegue.

Foto

Há uma ligação forte do cinema de Margarida Cardoso às memórias coloniais portuguesas e, especificamente, com a história e o território moçambicanos.

Várias foram já as incursões da realizadora por esse domínio temático, quer no seu trabalho documental quer nos seus filmes de ficção, nomeadamente no mais célebre e mais conseguido, A Costa dos Murmúrios, de 2004, a partir do romance de Lídia Jorge. Yvone Kane, que é a sua primeira longa-metragem em praticamente dez anos, reata a relação – embora sem que o país seja nomeado, é Moçambique – num filme que não deixa de se ver com uma espécie de reflexo descarnado de A Costa dos Murmúrios (tal como este, protagonizado por Beatriz Batarda), como se, entre outras coisas, lhe removesse o élan romanesco para ficar com um movimento mais contemplativo e introspectivo, e partir ao encontro dos seus fantasmas.
 
Não se trata de reconstituição de época – o tempo é contemporâneo – mas, a partir da “protagonista ausente” que dá título ao filme (uma ex-revolucionária de destino incerto no período após a independência) ir reconstituindo, ao ritmo e aos modos de um filme-inquérito, o trajecto de um país africano de expressão ao longo dos quarenta anos que passaram desde a guerra e a descolonização. 

Este é o fundo, o âmago do filme, dado por sinais, histórias pessoais relatadas pelas personagens que a protagonista encontra, episódios que saltam do limbo das memórias. No primeiro plano acaba por estar aquilo que corre menos bem – uma linha ficcional centrada na relação entre as personagens de Beatriz Batarda (uma jornalista portuguesa que volta a África espicaçada por uma dica sobre a tal Yvone Kane) e da sua mãe (a actriz brasileira Irene Ravache), que não voltou para Portugal e ficou em África depois do tempo colonial. Corre menos bem, dissemos, porque é relativamente desproporcionada a importância dramatúrgica que lhe é conferida, bastante além do mero pretexto, do mero fil rouge, e a intensidade dela resultante. Falha aí alguma coisa, porque a generalidade das cenas com as duas redunda mais em tempos mortos, “intervalos”, do em algo de mais significativa. Isso aparece, sim, quando o filme olha em redor, e quando lança a sua protagonista na paisagem – os momentos mais fortes de Yvone Kane não dispensam essa componente “documental” integrada na ficção, e no limite vivem deles, na expressão concreta das ruínas de um modo de vida colonial (por aqui, sobretudo, passa a ideia de uma relação deliberada com A Costa dos Murmúrios), na sugestão do “feitiço” da natureza africana, na sinalização de todas as contradições que marcam hoje a vida e estruturas sociais dos países nascidos das ex-colónias portuguesas em África. É quando investe nesse poder de síntese evocativo, mais eloquente do que as palavras, os diálogos ou a intriga, que Yvone Kane melhor se consegue.